Destrinchando a polêmica sobre a psiquiatria e a pedofilia enquanto «orientação sexual»

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 5 meses 26 dias atrás.

A polêmica do dia é esta: Psiquiatras dos EUA aceitam pedofilia como “orientação sexual”. O assunto está correndo a internet. O Constantino também comentou. Parece por demais escancarado para ser verdade. Afinal, do que se trata?

Li o seguinte na ACI Digital:

A Associação Americana de Psiquiatria dos Estados Unidos (APA, por suas siglas em inglês) aceitou dentro da quinta edição do seu Manual de Diagnóstico e Estatística das Desordens Mentais a “orientação sexual pedofílica”, e a diferenciou da “desordem pedofílica”.

Fui procurar. O tal Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders existe. A sua quinta edição foi de fato recém-lançada. Trata-se realmente de um texto de referência da American Psychiatric Association.

Não tive acesso à íntegra do manual na internet, mas encontrei (no site oficial do DSM-5) um documento falando sobre parafilias na nova versão. Lá é realmente dito que a quinta edição do livro traçou uma linha separativa entre comportamento humano atípico e comportamento que causa angústia mental [mental distress] para o indivíduo ou faz com que ele seja uma ameaça séria ao bem-estar físico e psicológico de terceiros. E estabeleceu a diferença entre o comportamento atípico e a doença (possivelmente) decorrente dele:

É uma diferença sutil mas crucial, que torna possível a um indivíduo envolver-se consensualmente em comportamentos sexuais atípicos sem ser inapropriadamente rotulado com um distúrbio mental. Com esta revisão, DSM-5 claramente distingue entre interesses sexuais atípicos e distúrbios mentais envolvendo estes desejos ou comportamentos.

[It is a subtle but crucial difference that makes it possible for an individual to engage in consensual atypical sexual behavior without inappropriately being labeled with a mental disorder. With this revision, DSM-5 clearly distinguishes between atypical sexual interests and mental disorders involving these desires or behaviors.]

E aí começou a brincadeira: masoquismo sexual virou “distúrbio sexual masoquista”, fetichismo virou “distúrbio fetichista”, etc. Finalmente chegamos à cereja do bolo: o que era simplesmente pedofilia (pedophilia) virou “distúrbio pedofílico” (pedophilic disorder).

À primeira vista, portanto, vale tudo o que foi dito acima: a “sutil” mudança objetivava distinguir o comportamento do distúrbio, tornando assim possível a existência de um «desejo ou comportamento» pedofílico que não fosse intrinsecamente doentio. Porém, contudo, todavia, o mesmo documento dedica o parágrafo final a este espinhoso caso, explicando o seguinte:

No caso do distúrbio pedofílico, o detalhe (sic) notável é o que não foi revisado no novo manual. Embora tenham sido discutidas propostas durante o processo de elaboração do DSM-5, os critérios diagnósticos terminaram permanecendo os mesmos do DSM-IV TR. Apenas o nome do distúrbio será mudado de pedofilia para distúrbio pedofílico, a fim de manter a consistência com [a nomenclatura adotada n]os outros itens do capítulo.

[In the case of pedophilic disorder, the notable detail is what wasn’t revised in the new manual. Although proposals were discussed throughout the DSM-5 development process, diagnostic criteria ultimately remained the same as in DSM-IV TR. Only the disorder name will be changed from pedophilia to pedophilic disorder to maintain consistency with the chapter’s other listings.]

Note-se, portanto, a gambiarra: fez-se uma revisão completa no conceito de parafilias, a fim de distinguir entre o “comportamento atípico” e o distúrbio que o envolve. Para expressar essa mudança conceitual, adotou-se uma nova terminologia, transformando a “parafilia X” no “distúrbio X-parafílico”. Única e exclusivamente no caso da pedofilia, mantiveram-se os critérios de diagnóstico da versão anterior (i.e., para ela não vale a distinção recém-introduzida). No entanto, para manter uma nomenclatura padrão, alterou-se o nome da doença de “pedofilia” simpliciter para “distúrbio pedofílico”. Ao contrário de todos os outros casos, aqui esta nova terminologia não significa uma mudança conceitual no distúrbio psicológico.

A emenda saiu pior do que o soneto. É bastante óbvio que se vai questionar este tratamento diferenciado, feito sem o menor rigor científico. Ou pior, estas notas de rodapé serão facilmente ignoradas quando as pessoas começarem a citar e a usar somente a nova nomenclatura, havendo já introjetado a razão da mudança. No fundo, esta tentativa de salvar a credibilidade da psiquiatria ficou patética, e não terá força alguma para conter a revolução moral que já há décadas se lança impetuosa contra o que resta de bom senso na civilização ocidental. A APA não reclassificou a pedofilia como uma “orientação sexual”, mas deu todas as ferramentas para que isso – por engano ou má fé – doravante possa ser facilmente feito.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

24 thoughts on “Destrinchando a polêmica sobre a psiquiatria e a pedofilia enquanto «orientação sexual»

  1. Lampedusa

    Não me surpreenderia que o mesmo “roteiro” tenha ocorrido para tirar a homossexualidade do rol das doenças psiquiátricas. Começa confuso, passa ao linguajar comum, vira bandeira de certos lobbies e, por fim, uma simples orientação sexual pela qual se pode lutar pela ‘igualdade’ de condições.

  2. Leonardo Santana de Oliveira.

    O próximo passo é tirar o incesto, necrofilia.Viva o século XXI!!
    Cada vez mais tenho certeza que o mundo precisa receber o Santo Evangelho e se converter para a única religião verdadeira a Igreja Católica.
    Mesmo algum “católicos” modernistas dizendo que Evangelizar seja proselitismo que fere a “liberdade” de religião do próximo e que não devemos converter ninguém ao catolicismo.

    Quando os homens se afastam da Igreja Católica fatos como esse viram coisa natural.

    In Corde Jesu, semper.

  3. Renan

    DEPOIS QUE O COMUNO-ISLAMITA OBAMA ENTROU NO PODER, NOS EUA REINA ABSOLUTA A “DITADURA DO RELATIVISMO”,
    IMPONDO SEU “MARXISMO CULTURAL”,
    DO “POLITICAMENTE CORRETO”!
    Não precisa ser advinho, nem pesquisar longamente ou ir à cata de qualquer outro artificio para descobrir o porque desse itinerário de subversão ou relativizando cada vez mais os comportamentos humanos que fogem ao padrão normal de uma sociedade sob as leis de Deus, afrontando a ética-moral do tronco judaico-cristão, defendidas pela Igreja católica.
    Note-se que o alvo de todas essas manobras e farsas por sobre a sociedade é para a desvincular do cristianismo e se tornar refém das ideologias comuno-marxistas, aderindo aos candidatos dos partidos comunistas seus agentes, cair no paganismo, como dos muçulmanos adoradores do irascível deus Alah; são os 3 caminhos subversivos que o anti Cristo necessita para descristianizar, alienar e depois disso dominar as pessoas totalmente desagregadas e as escravizar duplamente: no espiritual, o pior, e no plano físico, como máquinas de trabalho para os deuses dirigentes do deus Estado.
    Sabe o pior ainda? Estão se firmando cada vez mais no poder graças ás mesmas pessoas que um dia serão suas reféns e que caíram em seus engodos, que os referenda no poder, como seus eleitores, em partidos como PT, PC do B, PSOL, PSTU, PCB e outros de linha marxista!

  4. Sidnei.

    O Júlio Severo depois daquele post em que atacou a Igreja Católica por causa da inquisição não deveria mais ser citado pelos blogs católicos e católico algum deveria visitar seu blog, deveria todos boicotar seu blog. Ele não tem respeito por nós, nós ainda vamos alimentar o blog dele?. Acordemos povo católico, porque alimentar a sanha dos inimigos da Igreja se a simples ida a blogs protestante já é uma propaganda em pró a eles, eles que caminhem sozinhos já que caminhas conosco que somos idolatras, pecadores, condenados ao inferno, podem desvirtuar o caminho deles para o céu.

  5. Alexandre Magno

    Sidnei, vou olhar do que você fala. Não acompanho o Julio Severo. Visito-o de vez em quando. Dessa vez, foi via Google.

    Aliás… leio tradução feita por Julio Severo quase toda semana, no Friday Fax do C-FAM.

    Não compartilho desse seu critério de exclusão. Continuarei lançando mão de toda semente de verdade que puder encontrar. Não que eu ame o perigo e fique a catar sementes em qualquer porção de entulho.

  6. sidnei

    Alexandre, não é meu critério de exclusão, mas a deles, não quero compartilhar locais e pessoas que falam mau da minha mãe (a Igreja) e de meus irmãos, quero distância deles.

  7. Alexandre Magno

    Eu também “não quero”. Ainda verei como foi esse “falar mal”. Não tive tempo. Por ora, digo-lhe que nós somos (pensamos) o que somos (pensamos) por termos partilhado de uma variedade enorme de locais e pessoas. O pior fariseu nos legou alguma coisa boa.

  8. Sidnei.

    Alexandre, fazer o que se ele não tem acesso ou não consegue acreditar nas fontes católicas?, simples, boicotar ele, todo católico deveria deixar de frequentar o blog dele, simples assim.

  9. Alexandre Magno

    Sidnei, o que eu quero dizer é que, acho, não existe alguém que não pense e manifeste ou faça algo errado. Eu, você, nós, todos temos o que discordar uns dos outros. Claro que eu não vou querer ficar de conversa com um traficante, com um bandido “profissional”, com alguém que praticamente “viva o erro”. Contudo, muito diferente acontece entre a maioria de nós, que buscamos o acerto e somente em algumas poucas questões temos pequenos — ou até grandes — tropeços.

    Parece-me que há bastante o que aproveitar do Julio Severo, do Olavo de Carvalho, da Associação Cultural Montfort (e de cada um dos seus principais membros individualmente), do padre Fábio de Melo, do Jorge Ferraz, de Bento XVI, do Papa Francisco, de meu pai e da minha mãe, de você, entre tantos outros. Eu boto a minha mão no fogo por algum deles?! Nan nan nin nan não! Por nenhum.

    Saiba de uma coisa: cada de um nós discorda quando acerta e um outro erra, mas também discorda quando erra e um outro acerta. São menos frequentes as situações — e muito mais desgraçadas! — em que erramos sabendo que estamos errando. Seu posionamento de pretender estar acertando em tudo é comum a todos nós. Porém, a surpresa: você também erra! E digo mais: temos tanta coisa pra julgar a todo instante que não me intimido a lhe dizer: você erra e não erra pouco, como bilhões de outros homens e eu.

    Ah, e isso não é relativismo!

  10. Sidnei

    Alexandre, se você quiser continuar a puxar o saco do Júlio Severo, esteja a vontade, mas lembre de um ditado: “Cria-se os corvos e eles te comerão os olhos”, sabe o que protestantes gente boa como o Júlio Severo pensa de nós católicos que combatemos o aborto e o casamento gay?, de uma olhada aqui neste texto do Conde Loppeux de la Villanueva: “http://cavaleiroconde.blogspot.com.br/2013/11/o-espectro-do-catolicismo-ameaca-o.html”, este post do Conde Loppeux foi buscar no blog do Júlio Severo que por sua vez trouxe um artigo de um pastor chamado Alberto Thieme o qual tal artigo vem em resposta a um comentário do Pe. Paulo Ricardo quando em um sermão chamou os evangélicos de otários, porém, tal pastor como o Júlio Severo acreditam que nossa luta contra o aborto e os movimentos gays é apenas para marcar posição e influência na sociedade brasileira. Diante destes pressupostos protestantes de ataque a Igreja Católica diante de tal disparate, para mim a união com os evangélicos contra o aborto e outras imposições anti cristãs que estão sendo impostas neste país, acabaria hoje mesmo, pode se implantar o que os gays querem, o aborto, a eutanásia, o diabo, que eu não estaria mais nem aí com a hora do Brasil, se eles acreditam que a luta dos católicos ao lado deles (dos protestantes) é apenas para marcar posição e influência, então eles que sigam sozinhos daqui em diante, e nós seguiremos também, pois vocês hajam que mesmo que católicos e protestantes unidos todas as reivindicações gays, o aborto a eutanásia, etc, não serão implantados no Brasil?, só se for muito ingenuo em acreditar que não. O povo não esta nem aí com estes problemas, principalmente os católicos, o povo quer é pão e circo, se o governo prover isto, o resto o governo pode implantar o que quer que o povo vai aceitar tudo numa boa. Isto quero demonstrar que de um lado temos os protestantes que não querem nossa companhia na lutas contra tudo o que é cristão, se eles querem assim, então assim eles terão, e de outro lado, temos o povo, principalmente o povo católico que não está nem aí para o que esta e estará sendo implantando no Brasil que virará a ser contra a tudo o que é católico e cristão, então Sr. Alexandre Magno e todos que lerem este comentário querem saber de uma coisa, vão tudo a PQP que eu não mexo mais uma palha para nada, pois já estou cansado de lutar por tanta coisa e o mau sempre prevalecer, e ser amigo de protestantes daqui por diante eu não serei mais, estes também que vão para os quintos que já me enchi das acusações e toda sorte de bobagens que jogam contra a Igreja Católica, gente como estes protestantes, quero é anos luz de distância.

  11. Veridiana.

    Mas os DSMV e versões anteriores deixam a desejar não só nesta questão, mas em diversas outras, pois de acordo com ele todos os nossas comportamentos se encaixam em algum critério. Hoje para psicólogos e psiquiatras realmente sérios e comprometidos com seus pacientes, este manual não tem caráter decisivo, pois serve apenas para rotular o normal de anormal. Citando Freud “de perto, ninguém é normal”.

  12. Alexandre Magno

    Sidnei, calma! Você está nos mandando ir para a PQP e subindo o bonde para o inferno. Você não precisa concordar comigo em tudo, não precisa ser “amiguinho” dos protestantes. Nem eram essas coisas que eu buscava com meus comentários. Você tem obrigação de fazer alguma coisa, se quer tomar o partido de Cristo! Note que você está colocando questões muito pequenas na frente das questões que realmente importam, com esse impulso para não servir.

  13. Alexandre Magno

    Veridiana, a psicologia e a psiquiatria são “preciosidades” da opera omnia de Satanás. É fácil advogar por elas porque Deus, em sua Misericórdia, tira delas muitos bens, assim como também tira bens de muitas mentiras. Um grande bem que o Maior de Todos tira dessas duas porcarias é o reconhecimento (?) social da dignidade humana daqueles que são “mental” ou intelectualmente desfavorecidos. O homem decaído precisa continuar sendo “o tal”, superior, que rotula e classifica seus semelhantes para poder então tratá-los de uma forma “mais ou menos”. Não existe psicólogo ou psiquiatra “sérios”. Julgamento por demais subjetivo. O que existe são pessoas muito bem intencionadas que foram buscar diplomas nessas áreas, e conseguem fazer algum bem, claro, com a Graça de Deus. Lamento informar que na medida em que elas são “peritas”, o são nos idiomas dos demônios. Assim mesmo, podem ser salvas e contribuir para a salvação de outros. Como? Se não sabem o que fazem.

  14. Sidnei

    ” Note que você está colocando questões muito pequenas na frente das questões que realmente importam”

    Você foi as fontes que indiquei?, você acha que é uma questão muito pequena o que os protestantes dizem e pensam de nós?, por isto que me irrito, porque tem católicos ingênuos demais que acreditam que não seja nada demais os protestantes nos esculhambar o tempo todo e nós ficarmos que nem umas topeiras engolindo tudo, como já disse antes, se você, Alexandre Magno quer continuar a ser puxa saco dos protestantes que seja, mas eu não me alio mais a eles nem para combater o aborto, já que na cabecinha deles o combate ao aborto é apenas para a Igreja Católica marcar posição e influência, eles que vão para o inferno então.

  15. Alexandre Magno

    Sidnei, as “questões pequenas” às quais me referi não são aquelas com Julio Severo ou com os protestantes. Ali, você quer a imagem incólume da Igreja e isso não é pequeno. A coisa insignificante que realmente está atrapalhando é: “apareceu um Alexandre Magno chato que falou umas coisas das quais eu discordo e agora, quer saber, eu não vou mais ser pró-vida”. Não é assim, Sidnei. Não se serve ou se deixa de servir a Cristo com a motivação de estar em concordância com outros.

  16. Sidnei

    A questão não é ser provida, a questão é ser pro vida com gente que não gosta da gente, de nossa companhia, sendo assim, se for da vontade deles, assim será, se eles não querem não vou forçar, eles não querem nada conosco, eu idem, quero é distância.

  17. Alexandre Magno

    Sidnei, o que você escreveu não foi isso. Você chutou o balde! Disse que agora nada ia fazer; depois de mandar todos para a PQP ou para o inferno.

  18. Sidnei

    Sim, mandei e mando todos a PQP e ao inferno, sobre tudo, os protestantes nojentos que só ficam nos enchendo o nosso saco e outros que ainda continuam enchendo o meu sado não parecendo não ter nada para fazer do que vir aqui torrar minha paciência. Se a carapuça serviu, use-a.

  19. Alexandre Magno

    Sidnei, não tem carapuça. Você se dirigiu explicitamente a mim e a cada leitor.

    Duas coisas eu quero deixar:
    1) você pode me deixar falando sozinho sem chutar o balde;
    2) quando se manda outros para o inferno, corre-se grande risco de estar indo na frente.

  20. Sidnei

    Alexandre, tu es chato, ou isto é um problema que eu tenho que começar a me preocupara, vai arrumar o que fazer rapaz, em vez de ficar torrando a minha paciência, o que tinha para falar já foi falado, aqui eu encerro, para não ter que aturar um purgante que haja que tudo é lindo, tudo é bonito, a amizade com nossos irmãozinhos protestantes, que eles são uns doce, que nem desconfia que eles podem dar um porrete e te levar ao chão, e que o povo católico estão todos unidos contra o aborto, quanta ingenuidade, o que me deixa com mais raiva em pessoas mui religiosas é a ingenuidade, e também quando se tornam chatas e insuportáveis. Eu estou a caminho para o inferno?, inferno estarei eu se continuar a falar com um chato feito você. Fui.

  21. Alexandre Magno

    Você não leu direito o que escrevi. Minhas últimas colocações se resumiram a mostrar que é tolice você deixar de servir a Deus por ter dificuldades de relacionamento comigo ou com protestantes, mesmo que a culpa seja minha ou deles.

    Até outro dia.