[OFF] Eu, com câncer (III): The road so far…

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 3 meses 9 dias atrás.

– Essa tua barba vai cair. Mas depois nasce de novo.

Assim me disse a dra. Rosa, com um sorriso, naquela – parece já tão distante! – noite em que prescreveu minha quimioterapia. A primeira parte da “profecia” já se cumpriu à risca: minha barba e meu cabelo caem aos tufos, enquanto durmo, ao banho, quando lhes passo a mão. Fico feliz de voltar a ser imberbe: o simbolismo do rejuvenescimento é óbvio demais para não ser percebido…

O cabelo que nasce depois, dizem, é um cabelo todo novo; pode inclusive nascer diferente do que era antes, se estava já branco volta a nascer preto, se era liso pode nascer encaracolado, etc. Eu, no entanto, de calvície já avançada antes dos trinta, fico já animado com a mera possibilidade de que ao final do tratamento ele nasça simpliciter. Quem sabe um cabelo novo não vem, anos depois, estabelecer-se no lugar que lhe cabe, sobre a careca antiga? E não consigo deixar de conter um sorriso: quem sabe, ainda, eu não ganho de volta os cachos de anjo que eu tinha quando criança, quando o futuro não cabia num lance de vista e se tinha a vida toda pela frente…?

Amanhã (segunda-feira, 20 de janeiro) é minha segunda sessão de QT. Este primeiro ciclo guardou as suas intercorrências para o final; só na última semana a minha imunidade baixou, os meus cabelos começaram a cair, meus pulmões voltaram a encher.

A minha contagem de leucócitos caiu para 3.310 somente na última segunda-feira. Antes se manteve em queda, mas dentro dos valores de referência. Sinal amarelo: usar máscaras com mais freqüência, reduzir o número de visitas, essas coisas. Mas não tive nada. Trata-se de um número num exame de sangue, que se eu não o tivesse visto nenhum outro sintoma perceptível me avisaria da minha imunodeficiência.

Já quanto aos meus pulmões, estes, sim, eu percebi. A minha respiração cada vez mais curta não deixava margens para dúvidas: eles estavam enchendo de novo. Terror. A quimioterapia, disseram-me, deveria secar os linfonodos do mediastino cuja compressão era responsável pelo acúmulo de líquido linfático na pleura que tanto me incomodava. Não estava funcionando. Eu estava disposto a simplesmente esperar que funcionasse; no entanto, uma angustiante falta de ar no domingo passado (após o “esforço” de caminhar em terreno plano os pouco mais de cinqüenta metros que separam a minha casa da paróquia, que fica no mesmo quarteirão) me convenceram a ir ao hospital.

Lá o raio-x foi implacável: «seios costofrênicos com derrame pleural». Seja lá o que isso for. Mas olho a chapa, e entendo perfeitamente: a ameaçadora mancha branca sobe, dos dois lados, deixando-me menos da metade de cada um dos pulmões. O que significa que eles só se expandem até metade da caixa torácica, quando muito. Discutem entre si pneumologista, hematologista, cirurgião torácico: é melhor drenar antes da quimio, concluem.

Faço a punção, de novo. Dessa vez, dos dois lados. 1,9 l do lado direito, 1,3 l do esquerdo: mais de três litros ao todo, sem contar o (muito!) que ainda foi deixado nas bases. Respiro aliviado, literalmente. Os resultados dos exames confirmam que se trata do mesmíssimo caso da vez anterior. É normal, ainda é cedo: no segundo ciclo da QT é que os efeitos devem começar a ser perceptíveis. Deus, tomara que sim. A barba já começou a cair. A contagem de leucócitos já diminuiu. Já está na hora dos linfonodos começarem a atrofiar.

Implantei um port-a-cath na última sexta-feira. Fica do lado direito do meu peito, logo abaixo da clavícula, sob a pele, e é menos horrendo do que imaginara. Fica um “calombo”, como se fosse um pequeno osso fora do lugar, nada muito grotesco. A micro-cirurgia foi simples e não tive com ela maiores problemas; só as dores normais do pós-operatório, de quando passa a anestesia. Duraram pouco. Ontem já não doía quase nada, hoje já praticamente não dói. Mantenho ainda os curativos até amanhã, e os pontos ficam pelo menos até a próxima sexta-feira. Depois, só o “calombo” e a cicatriz. Ao menos preservo as veias periféricas do braço; ao menos, como todo mundo me disse, as sessões de quimioterapia serão agora mais fáceis e mais seguras.

Do último post para cá eu recebi um sem-número de recomendações sobre como cuidar da minha saúde. Agradeço de coração por todas elas. Li-as todas. Pesquisei sobre todas e, se todas não adotei, foi porque não considero sensato fazer mudanças radicais no meu estilo de vida agora, justamente no meio de um câncer e de um tratamento quimioterápico, sem nem ao menos consultar uma nutricionista. Tenho procurado melhorar a minha alimentação, sem contudo fazer extravagâncias que não são do meu feitio. Hoje como com mais freqüência (lancho entre as refeições), como mais frutas, bebo mais água. Prefiro mel natural ao açúcar (do qual nunca fui muito fã, a propósito), e introduzi gengibre e um probiótico (Kefir) na minha alimentação diária. Estou me dando bem com isso: meu apetite funciona, meu intestino, idem, minhas funções excretoras parecem estar em ordem.

Não tenho ainda autorização e nem condições para fazer exercícios, o que tem me incomodado um pouco. Por enquanto, apenas a fisioterapia respiratória com o Respiron e o esforço de andar da sala ao quarto algumas vezes ao dia, só para fugir do temível “repouso absoluto” que provoca tromboses em quem faz viagens longas de avião. Tenho sobrevivido bem. Como diz a clássica passagem das Escrituras, até aqui tem me ajudado o Senhor. E sei que Ele não há de me faltar.

Amanhã é a minha segunda sessão de quimioterapia. A partir de amanhã, as coisas vão melhorar mais: é mais um passo, another brick in the wall, uma hora a menos da noite escura que não pode durar para sempre. Uma hora a menos…! O arrebol já vem. Há aquela história dos três pedreiros trabalhando juntos, o primeiro dos quais disse estar cimentando um tijolo, o segundo, levantando uma parede e, o terceiro, construindo uma catedral. Eu poderia dizer que amanhã estarei tomando Rituximab ou me tratando de um linfoma. Mas, agora, vou preferir dizer que amanhã estarei fazendo crescer de novo um pouco dos caracóis dos meus cabelos infantis.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

25 thoughts on “[OFF] Eu, com câncer (III): The road so far…

  1. Adriana

    Jorge, tenhamos fé, basta uma só palavra do Senhor Jesus e você será curado. O Senhor renova todas as coisas e seu organismo está sendo renovado.
    Será feita a vontade do Senhor, e sabemos que a vontade do Senhor é boa, perfeita e agradável.
    Pelo que li de seu relato você está agindo como Cristo exortou para que os apóstolos agissem, com bom ânimo, sabendo que Ele está ao seu lado, e sem temor (Mateus 14,27).
    Paz de Cristo.

  2. Marta

    Que Deus conserve o teu ânimo e como Todo-Poderoso cuide da tua saúde.

  3. carolin

    Muito emocionada com esse “TESTEMUNHO” DEUS vai te curar Jorge tenha fé.

  4. Evandro Henrique

    Jorge, é encantador ler o seu relato, isso nos anima mais ainda a somar nossas orações pela sua saúde. Deus está contigo.

  5. Paulo Santos

    Jorge, tenho um amigo, padrinho de meu casamento que também teve essa doença. Fez a quimio e hoje está com sua vida de volta ao normal. Fé em Deus e bola pra frente. Estamos rezando por voce.

  6. Karen Medeiros

    Como você pediu, estou rezando Ave-Marias por você. No mais, sei que Cristo carregará você no colo quando estiver cansado. Que Deus, em Sua Infinita Misericórdia, ilumine seus pensamentos para que mantenha os olhos fixos em Jesus, mesmo com a tempestade ao seu redor. Que Deus, nosso Pai, cubra você de força, coragem e bençãos.

  7. Fabio

    Jorge, tive cancer de tireoide em 2010. Me tratei e estou curado, com a graça de Deus. Com isso quero dizer que qualquer um a qualquer tempo pode ser acometido por essa doença. Mantenha-se firme, estamos todos rezando por você. Pense sempre de maneira otimista e siga as recomendações médicas, confiando em Deus. Do resto ele se encarregará!

  8. Edvaldo Vieira

    Jorge ou “joelho” como meu filho Artur o chama, com essa sua fé e a serenidade que você propaga e a coragem de falar de sua doença em detalhes publicamente, nos conforta, quando na realidade éramos nós que deveríamos confortá-lo. Nos dá ainda mais razões para rezarmos a Deus pela restituição de sua saúde. Continuo colocando você em minha orações diárias. Força!!!

  9. Alexandre Zabot

    Jorge,

    Obrigado por compartilhar tudo isso conosco!

    Deus coroa as vidas santas com a Cruz.

    A forma como você abraça a Cruz, desejando-a e não simplesmente suportando-a,
    é inspiradora para mim.

    Abraço

  10. Frazão

    Caro Jorge.
    Independente das nossas divergências doutrinárias eu e o nosso grupo estaremos orando por você, pedindo ao Criador para que te dê a tranquilidade necessária e a força suficiente para suportar os transtornos que poderão ocorrer durante o tratamento e luta contra essa doença que nos põe frente a frente com a realidade de nossas vidas.
    Abraços e fica com Deus. Frazão

  11. Marcus Moreira Lassance Pimenta

    Fé em Deus é pé na tabua, caro Jorge!!!
    Continuamos rezando por ti!
    MMLP

  12. danilorojo

    Força, irmão. Gosto muito do seu blog, conte comigo, você estará em minhas orações! Um abraço fraterno que a Virgem te cubra com seu manto.

  13. ampolesi

    Jorge,
    Acredito muito na sua cura. Na minha fraqueza e mediocridade tenho recorrido ao Senhor e a Nossa Senhora para que lhe concedam esta vitória. Que cada um, médico, farmacêutico, enfermeira, amigos e familiares, seja ferramenta na mão e desejo de Deus.
    Leio o Salmo 24 e lembro de você.

    Melhoras amigo.

  14. Lucas.

    Jesus entrou na casa de Pedro,e encontrou a sogra de Pedro doente; orou por ela e a cura aconteceu. Porque acreditamos, oramos como Jesus ensinou e deu o exemplo.
    “Em cada casa onde entrardes,dizei: Paz à esta casa;e se ali houver algum enfermo,orai por ele.E o Senhor garante: a oração da fé salvará e o Senhor o levantará”.Os apóstolos aprenderam isso de Jesus,e quando foram enviados,dois a dois,realizaram curas e proclamavam as maravilhas do Senhor.

  15. Rui Ribeiro Macahdo

    Jorge,

    Desde que soube, estou orando por você todos dias. Ainda estou chocado com essa história.

    Abraços

  16. Tiago Silva

    Choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã. Força!

  17. Pe. Luiz

    Prezado Jorge: diariamente, na Santa Missa, no Ofício divino e no meu terço está a minha súplica pelo feliz êxito de seu tratamento e recuperação. E não só eu, mas pedi também aos meus paroquianos que rezem por você. Não nos conhecemos pessoalmente, sou apenas um leitor do Deus lo vult e pároco de uma pequena cidade do interior de Minas Gerais. Deus guarde e abençoe a sua vida!

  18. Júnior e Joarlânia (@juniorjoarlania)

    Conheci este blog hoje, e já desfrutei de textos que ajudam a nossa alma renovar-se. Paz e bem da parte do Senhor Jesus! Prezado Jorge, é comovente depararmos com um relato de vida assim. És destemido e corajoso, e percebemos que essa força vem do Altíssimo, sem dúvidas. Juntos, elevemos nossas súplicas à Deus por sua recuperação.

  19. Maria

    Admiro muito seu blog e seus relatos. Você é o exemplo de como todo católico deve ser. Ah! Como o mundo seria melhor! Jesus Cristo te amparará nos momentos difíceis e rezo para que receba D’Êle a cura total para continuar este lindo trabalho de evangelização que nós brasileiros tanto precisamos.

  20. Gustavo

    Vamos em frente Jorge. Saiba que rezemos por ti. Seu blog é show. As vezes me pergunto como você, tão jovem, adquiriu tanto conhecimento sobre a nossa querida, amada e Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Seus artigos são como aulas para mim. Quero aprender a viver a minha fé, a amá-la com maior ardor e também aprender a defender a Igreja dos inúmeros ataques que sofremos diariamente e você me ajuda muito nisso com seu blog (e vídeos). Fraterno abarço.

  21. Alexandre Magno

    Mas, agora, vou preferir dizer que amanhã estarei fazendo crescer de novo um pouco dos caracóis dos meus cabelos infantis.

    É isso, Jorge! Continue.