[OFF] Eu, com câncer (V): contratempos e imprevistos

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 7 meses 16 dias atrás.

Faz mais de uma semana que não escrevo nada. Há uma razão: faz mais de uma semana que estou internado no hospital, contra todos os prognósticos que eu tinha para esses dias. Dante já dissera com muita propriedade «ché saetta previsa vien più lenta» (Paradiso XVII) e, em contrapartida, as flechadas que nos chegam de supetão, pelas costas, são as piores. Mas a vida é feita de batalhas e lutar significa sobreviver às saraivadas que nos chegam de todos os lados, é claro. Se fosse de outra maneira, não poderíamos pretender estar lutando a sério.

No dia 26 de janeiro último, domingo, de alta recebida na noite da véspera, eu escrevi um relato aqui no Deus lo Vult! sobre a semana que passara. No dia 27 de janeiro, segunda-feira, pela manhã, eu voltava pra emergência do hospital. Meu braço direito doía bastante e estava inchado. O cirurgião vascular da emergência cardiológica nem precisou do exame para diagnosticar: “é uma trombose venosa profunda”. O ultrassom confirmou em seguida. Precisei me internar mais uma vez.

Inacreditável: uma trombose! Não tinha – ao menos não diretamente – a ver com o câncer ou com a quimioterapia, não tinha a ver com os meus problemas respiratórios que me haviam deixado quase uma semana no hospital, não tinha a ver com nada. Simplesmente acontece: meu corpo não reagiu bem ao port-a-cath que eu implantara para a QT. Um corpo estranho no organismo, mais o próprio câncer, mais tratamento quimioterápico… eram três fatores de risco, me disse o médico. Acontece.

Anticoagulantes de emergência – TVP causa embolia pulmonar, eu sei – e internamento para estragar a capacidade do meu sangue de coagular a contento. Há uma índice que mede essas coisas: INR, International Normalized Ratio, cujo valor padrão é – como o próprio nome diz – 1. O meu precisa ficar entre 2 e 3 para que seja seguro me deixar somente à base dos anticoagulantes orais: antes disso, uma injeçãozinha na barriga a cada 12 horas. Antes disso, cuidados hospitalares. Antes disso, fico ainda um pouco por aqui.

Aproveitei a estadia no hospital para verificar os pulmões. Cheios ambos, o direito mais do que o esquerdo. O raio-x, aliás, estava muito parecido com o que tirei no dia em que fiz a segunda sessão de quimioterapia. Estremeço. Não sei dizer se eles voltaram a encher ou se simplesmente não diminuíram: não bati uma radiografia torácica na alta da semana passada e, portanto, não sei dizer exatamente em quais condições meus pulmões saíram do hospital. De uma forma ou de outra, parece-me indiscutível que este derrame pleural não está melhorando, ou só o está fazendo a conta-gotas.

Volto à máscara do Jason: meus pneumologistas estão aproveitando a minha estadia no hospital para tentar fazer o derrame ceder à força de fisioterapia respiratória. A julgar pelas três ou quatro chapas de raio-x que bati em seqüência da semana passada pra cá, não está resolvendo: mas pelo menos o derrame também não está aumentando, e isso talvez já seja motivo mais do que suficiente para que eu dê graças a Deus. Ainda respiro; não tão bem como em situações normais, mas muito melhor do que na semana em que subi às pressas para a Semi-Intensiva. Ainda respiro, e daqui a pouco – menos de uma semana – eu vou receber quimioterapia de novo…

[Um parêntese. Aqui as coisas começam a ficar complicadas. Era esperado que esse derrame começasse a ceder já no primeiro ciclo de QT, no máximo no segundo; estamos a seis dias do terceiro, e ele continua tão forte que a minha pneumologista não hesitou em descrevê-lo como um «derrame pleural bilateral recidivante e não responsivo a QT» num laudo médico em que pede mais fisioterapia.

Meu cirurgião torácico acha que meu caso é cirúrgico: uma decorticação (ou coisa assim) resolveria em definitivo este problema. Acontece que a tal decorticação consiste – grosso modo – em arrancar [um pedaço d]a pleura e, aderindo o pulmão diretamente à parede torácica, destruir a cavidade pleural, impedindo assim (de uma vez por todas, óbvio) o acúmulo de líquido nela. Soa-me mais ou menos como arrancar um dedo fora e depois dizer, com ares de eureka, que com isso ele definitivamente vai deixar de doer.

Não fiquei muito animado com a cirurgia. Sou cioso da minha pleura: por alguma razão Deus há-de a ter colocado lá. Gostaria sinceramente de preservá-la, e por isso estou apostando na fisioterapia respiratória e no combate à doença de base, ainda que isso seja lento e ainda que me obrigue a respirar mal a maior parte do tempo.]

Ontem fiz uma tomografia de controle, para comparar com a que realizei antes de iniciar o tratamento. Não tenho acesso às imagens (e nem sei se saberia interpretá-las), mas pela internet consigo olhar os laudos; a julgar pelas descrições, as coisas parecem ter melhorado. Preciso esperar ainda – é claro – o parecer médico, mas esses resultados preliminares são já animadores. Deo Gratias, e obrigado a todos os que estiveram e ainda estão rezando por mim.

Já estou há mais de uma semana aqui no hospital. O meu braço trombosado melhorou substancialmente: dói muito menos, e já está quase tão fino quanto o outro. A contagem de glóbulos brancos (esqueci de dizer: cheguei aqui com eles quase zerados, tive que ser colocado em isolamento reverso nos primeiros dias) está de novo em níveis normais. O derrame pleural está sob controle. Devo ter alta nos próximos dias.

Quase escrevo “espero não ter que voltar de novo”… Mas aprendi que essa vida de paciente é uma caixinha de surpresas, nem sempre agradáveis. É muito difícil fazer planos mesmo a curto prazo! Só uma coisa não pode faltar: que Deus me conceda sempre a fortaleza necessária para viver esses dias o melhor possível. Como mais de uma pessoa já me disse, é tempo da oração do Horto das Oliveiras. Preciso de humildade para repetir o si possibile est, transeat a me calix iste; e preciso da coragem para acrescentar, sempre, o verumtamen non sicut ego volo, sed sicut tu.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

20 thoughts on “[OFF] Eu, com câncer (V): contratempos e imprevistos

  1. irsef Ivan

    Eis o desafio: o homem confrontado com as suas convicções. Força, Jorge. Coragem meu irmão. Esteja convencido de que venha o que vier, aconteça o que acontecer, sempre será melhor. Muitíssimo melhor!

  2. Paula

    Poxa que canseira ne ? Pode falar, isso não e murmuração não. Deus o livre de murmurar , que não ajuda em nada ao contrário. Sei que vc não é assim,Deus o conserve durante toda a jornada. Nunca se esqueça da torcida e das orações da gente aqui!
    #GoJorge
    Tamujunto

  3. Lara C. Lagioia

    Jorge, você sempre um exemplo te fortaleza! Não há uma pessoa que te conheça que não diga como você está nos levando para mais perto de Nosso Senhor.
    #TamoJuntoJoelho

  4. Marcio

    bom dia jorge: força meu amigo! tenho certeza que ainda vou ler muito seus artigos e entrevistas! vc tem me ajudado muito na minha caminhada! que Deus te abençoe e te guarde!

  5. Renan

    O mais importante que percebo em suas colocações é de ser uma pessoa tranquila, de boa consciencia e sempre à procura da vontade de Deus, sempre se conformando com Sua vontade, nada de imprecações pela doença, muito ao contrario, descrições dos fatos e as diversas reações que afetam o corpo e as disposições gerais, mas aguardando a vontade Deus e, como qualquer um de nós, querendo recuperar-se e viver, ainda melhor por se tratar de alguém engajado em continuar na obra da fé em meio ao relativismo que tomou conta do mundo e do Brasil, devido à falta de mais pessoas católicas de seu comportamento,
    Continuarei rezando!

  6. Diulza Angelica dos Santos

    Que Deus te proteja e guie os médicos, tudo esta na mãos dele .admiro sua coragem e fé, me fortaleçer a minha obrigado.

  7. Felipe Pessoa

    Força e fé, meu amigo Jorge. Deus está contigo e nós também. Assim como o Santo Padre Pio, você está sendo testado e deve perseverar em sua batalha, pois só a fé revela a verdade e nos liberta. Tenho certeza que em pouco tempo você estará em casa e postando notícias ainda melhores.
    Salve Maria!

  8. Hugo Kalil

    Muita força, Jorge! Não o conheço pessoalmente, mas sempre frequentei seu blog! Deus lhe ampare nesses dias difíceis, e lhe conduza com segurança à saúde de corpo e de alma! Um abraço.

  9. J. Reis

    Mais uma vez, força Jorge.Tenho certeza que você esta sendo tratado por profissionais competentes. Alem disso você conta com a assistência da Virgem Imaculada e com as orações de amigos e seguidores, como eu. Que Deus te abençõe.

  10. Ronaldo

    Caríssimo irmão em Cristo,
    obrigado por evangelizar-me mesmo nesta noite escura que te encontras,
    que teu sofrimento possa ajudar no alivio de muitas almas que se encontram no purgatório ,como também as que estão na igreja militante, para que possam ter a experiencia com Cristo ressuscitado.
    ofereço a Deus por ti minhas pobres orações , levarei teu nome para as carmelitas descalças de Camaragibe para que intercedam por ti!!
    força e coragem meu irmão!!!

  11. André Serrano

    Prezado Jorge, em minhas orações tenho pedido à Santíssima Virgem que o proteja e o acompanhe. Força Jorge! Que Deus o abençoe!

  12. Estamos Aqui

    Prezado Jorge,

    Estamos aqui rezando por você. Você é especial para Deus e para mim também. Conte com minha oração !!! A Virgem Maria roga por você constantemente !!!

    Amigo Jorge,

    Divulga esses excelente artigos aqui no teu espaço, em defesa dos cristãos, tem excelentes comentários nos dois artigos:

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/humor/francisco-bosco-nao-tem-problema-ter-preconceito-contra-cristaos-pois-sao-maioria/

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/socialismo/seitas-fechadas-a-submissao-intelectual-em-grupos-coletivistas/

  13. Ane Beatriz

    Maria Santíssima continua te guardando no colo e revigorando suas forças e de Adriana. Ela cochicha o tempo todo no ouvido do seu Filho, dizendo, “esses nos ama muito, são muito preciosos, cuida deles”! Continuamos em oração.

  14. Marta

    Deus está ouvindo as tuas e as nossas preces. Força , prezado amigo.

  15. Paulo Marcelo

    Cara, primeira vez que eu leio um post seu, a única coisa que eu tenho a lhe dizer é força! que tudo há de se resolver, rezarei por você sempre, abraços!