[OFF] Nota de Falecimento

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 4 meses 10 dias atrás.

Não vi, de manhã, as manchetes dos jornais locais noticiando um «Médico (…) morto a tiros na BR-101». Só quase à hora do almoço recebi a ligação da minha pneumologista, ainda chocada, com a notícia de que Artur morrera.

– Que Artur, o meu cirurgião torácico?!
– Foi, ele saiu do Português ontem à noite e depois ninguém sabe o que aconteceu.

Só depois eu entrei na internet e fiquei sabendo dos detalhes. Vários tiros de pistola; carteira roubada; carro encontrado queimado em outro lugar, distante do corpo. Uma verdadeira tragédia. Não se sabe ainda ao certo o que aconteceu.

artur-azevedo

Foi Sandra quem me apresentou Artur quando, ainda em dezembro, eu cheguei no hospital completamente dispnéico. Ele ia drenar o meu líquido acumulado na pleura. Só o vi pessoalmente já no bloco cirúrgico: jovem e sorridente, explicou-me o que ia fazer e esteve conversando comigo durante todo o procedimento (a toracocentese a gente faz apenas com anestesia local). Pessoa agradabilíssima.

Em janeiro eu tive que me submeter a uma segunda drenagem. De novo Artur esteve comigo, e é a última lembrança que eu tenho dele. Dessa vez, dos dois lados das costas, a mini-cirurgia foi feita no próprio apartamento onde eu estava internado. Conversávamos sobre as nossas profissões; ao saber que eu trabalhava com informática, ele me saiu com não lembro qual chiste de computação. Acho que foi «a informática surgiu para resolver os problemas que antes dela não existiam», ou coisa parecida. Eu disse que ia contar também algumas anedotas sobre médicos, mas só depois que ele fechasse as minhas costas. Rimos. Não esperei tanto e soltei, de memória, aquela quadra de Bocage (acho que é de Bocage):

Aqui jaz um homem rico,
nessa rica sepultura.
Escapava da moléstia,
se não morresse da cura.

Ele riu a plenos pulmões. Ainda conversamos um pouco até eu começar a ficar tonto e ele decidir encerrar o procedimento, após três litros drenados. Deitei e fui descansar; depois disso não me lembro se voltei a me encontrar com ele, casualmente pelos corredores, ou n’alguma visita de rotina. Mas essa foi a última vez – disso tenho certeza – em que conversamos mais demoradamente.

Todos os dias, no espelho, ainda vejo dos dois lados das costas as pequenas marcas dos furos das duas drenagens às quais me submeti; e, respirando incomparavelmente melhor, ainda me lembro dos momentos angustiantes dos pulmões obliterados. Artur muito me ajudou para que eu chegasse até aqui, e é estranho; agora não me lembro se eu o agradeci devidamente, e me bate uma profunda tristeza por ele não ter podido acompanhar o desfecho do meu caso ao qual se dedicou desde o começo. Tenho ainda no meu corpo as marcas do seu trabalho médico, e ele não está mais aqui para se orgulhar dos frutos que me proporcionou. As minúsculas cicatrizes duraram mais do que o homem que as produziu. É assustador; somos mesmo pó e nada.

Artur tinha quase a minha idade: 35 anos. Deixa uma esposa e um filho pequeno. Aos que por aqui passarem, peço que rezem uma Ave-Maria por ele e pela sua família; que o Bom Deus leve em conta a dívida de gratidão que eu tenho para com ele, e que o possa recompensar por toda a atenção que dedicou a mim e à minha família nos piores momentos do meu câncer. Não sei por quê, vêm-me à mente agora duas estrofes de Augusto dos Anjos, escritas pelo poeta paraibano – conterrâneo do Dr. Artur – a um seu amigo falecido. A última delas é assim:

A água quieta do Tejo te abençoa.
Tu representas toda essa Lisboa
De glórias quase sobrenaturais,
Apenas com uma diferença triste,
Com a diferença que Lisboa existe
E tu, amigo, não existes mais!

E aqui existem coisas ainda muito mais perecíveis do que Lisboa – este próprio convalescente que escreve estas linhas, as ainda mais efêmeras cicatrizes que Artur legou às minhas costas -, e o jovem cirurgião não existe mais…! É muito triste. Só não posso concordar em absoluto com o niilismo do controverso poeta. Entendo-lhe a dor, sem dúvidas, mas vejo-a em perspectiva: Artur pode não estar mais entre nós, mas ainda existe, distante daqui; e rezo para que o Bom Deus lhe seja propício e o faça receber, lá, o meu preito de gratidão e minhas preces de sufrágio. Hoje é Treze de Maio, dia de Nossa Senhora de Fátima; que a Senhora do Céu possa valer-lhe e abrir-lhe as portas à Jerusalém Celeste.

Requiem aeternam dona ei, Domine,
– et lux perpetua luceat ei.

Requiescat in Pace,
– amen.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

27 thoughts on “[OFF] Nota de Falecimento

  1. Rildo Pragana

    Jorge, isso mostra como estamos vivendo um momento de fragilidade nunca dantes visto no Brasil. Por mais que os governos federal e estadual digam que melhorou isso ou aquilo, estatísticas favoráveis, etc, sabemos pelo nosso cotidiano que não é verdade. Precisamos nos livrar dessas esquerdas (comunistas e socialistas) rapidamente, se quisermos ter um país para nós.
    Até nosso Santa Madre Igreja está contaminada por dentro. Parte-me o coração quando vejo um padre citar o “teólogo, frei Leonardo Boff” (na realidade Genésio Boff, porque ele casou e não poderia ser mais padre) durante as homilias.
    Você tem feito sua parte, certamente. Continue assim, e que Deus lhe dê forças para propagar os ideais de uma sociedade livre, capitalista, anti-comunista, não importa o que esses maus elementos digam.
    Um grande abraço.

    P.S. – A propósito sou seu amigo no facebook, mas também sigo atentamente o Deus lo Vult.

  2. Dan

    Que horror. Pra que tanta violência, tirar a vida de quem poderia agora estar salvando outras vidas?

  3. Ana Cláudia Oliveira

    Sr. Pragana, que Deus tenha piedade das suas palavras insanas.
    Deus é amor, caridade, benevolência e uma fonte inesgotável de bondade.
    Jesus não veio aqui para jantar apenas com os ricos, mas andou com pobres, vagabundos e prostitutas. Pregou a paz no mundo, a igualdade dos homens e o respeito com o próximo.
    Em uma sociedade justa, não há violência, pois ela é reflexo das doenças da alma da qual todos nós colaboramos para que sejam colocadas em nossos próximos bem como em nós mesmos.
    Um dia teremos uma sociedade justa que com certeza não será capitalista ou socialista na concepção atual, mas uma sociedade onde o esforço será recompensado e os desmandos extintos. Onde o forte protegerá o fraco, onde o ranger de dentes não será mais escutado.
    O sr. fala de capitalismo como se ele fosse a solução do mundo. Nosso país é capitalista ou estou errada?
    Plagiando Martin Luther King: ” – Eu sonho que um dia, o ser humano será visto pelos olhos da alma e não por aquilo que mostra.”, em outras palavras: pelo que ele verdadeiramente é como um ser uno e atômico, parte integrante do Plano de Deus.


    A família do médico, que é o assunto central desse blog, que todos sejam confortados por Nossa Senhora e pelo seu filho Jesus nesse momento de dor lancinante.

    Que o Senhor esteja convosco!

  4. kdheleno

    Um profundo desabafo que nos leva à reflexão e principalmente à oração pela tamanha gratidão desse paciente. Parabéns!

  5. Estamos aqui

    Não sei se saiu corretamente o comment, está o link, caso não tenha saído:

  6. alessandra

    Muito lindo, emocionante.tive o prazer de poder trabalhar com este ser maravilhoso. Certamente o céu já está em festa… um homem de sorriso fácil, de uma índole inquestionável. Coração puro e generoso. Agora, Anjo de luz!☆♡

  7. Ana Cláudia Oliveira

    É a falta de amor que impera no mundo.
    Deus abençoe e proteja essa família.

  8. vanessa

    É realmente lamentável o que aconteceu, Dr. Artur, uma pessoa tão calma, de sorriso fácil, descontraído e alegre, não dá para acreditar que ele se foi assim tão cedo e de forma tão bruta e cruel. Agora só nos resta pedir que Deus conforte e console o coração dessa família que está de luto. E que a justiça seja feita. Mas com certeza ele estará sempre presente nos corações daqueles que o conheciam, admiravam e respeitavam…

  9. Daiana Francisca Gomes

    Deixo meus sentimentos mesmo não o conhecendo e muito comovida(lagrimas) com um sorriso tão belo e de uma profissão tão especial,Que o DEUS TODO PODEROSO assim como NOSSA SENHORA MÃE DAS MÃES conforte os corações de toda sua família,assim como todos os seus amigos e pacientes.Que o céu o receba com festas e alegrias para que o mesmo se sinta bem na morada do PAI celestial.Amém.

  10. Deborah Dantas

    Esse menino estudioso, do bem, querido por todos, saía do seu trabalho em hospital do Recife para ver um paciente, na jornada de trabalho imensa, cansativa de todo médico…especialmente os cirurgiões, que só sabem da hora em que a cirurgia começa. nunca quando termina; e uma especialidade tão restrita e difícil como a Cirurgia Torácica.Estudou na UFPB, talvez tenha sido meu aluno, nos meus primeiros anos de ensino na universidade.Pois bem, saía do seu trabalho para ver paciente e casa, como é rotina de todo médico…que não tem nem tempo para lazer ou encontros sociais.
    E é encontrado morto com 7 tiros e a carteira roubada. O carro queimado. Pelas costas. Covardemente. Assassinos cruéis, só uma coisa lhes desejo: que um dia, ao levarem um tiro no pulmão ou no coração, procurem algum dos hospitais onde dr Artur trabalhava. E não encontrem ninguém para salvar a sua vida.
    Vá em paz, Artur, fique no mais altos dos céus ao lado do Deus do Universo, onde só os muito bons, os que espalharam muito o bem pela Terra ficarão.
    Sua colega,

    Deborah Dantas
    Médica e professora da UFCG
    Campina Grande

  11. lucas

    A violência urbana,naõ é um fenomeno novo,e nem um privilégio de determinados regimes politicos; mas dá continuidade a uma cultura de práticas autoritárias e de “violencia institucionalizada”,contra as mulheres,crianças,idosos e minorias.Uma cultura de paz,tolerancia e respeito ao próximo,seria o caminho.

  12. Paulo Cesar

    Enquanto pessoas úteis à sociedade são mortas precocemente, vagabundos de toda espécie costumam demonstrar longevidade. Políticos como Dilma Roussef e José Sarney estão vivos para cumprirem a agenda do diabo, para fazerem vitoriosa uma cultura da morte, onde a torpeza e a maldade imperam.

    Esse médico que foi assassinado sem dúvida alguma era mais útil ao mundo do que o Sarney ou a Dilma, dois seres das trevas a serviço de satanás.

    Estarei exagerando?

    No dia 22 de maio de 2014 foi publicado no Diário Oficial a Portaria 415 do Ministério da Saúde que autoriza o aborto em caso de estupro. Acontece que a “vítima” do crime não precisa mais fazer o B.O. na delegacia, basta sua palavra no hospital para que o procedimento seja feito. Está oficializada a prática do aborto no Brasil.

    A Dilma teve câncer e não morreu. Quantas crianças morrem todos os anos por conta da mesma patologia? Deus tem um senso de justiça bastante peculiar, temos de reconhecer.

    Por conta da longevidade, da vilania e das más intenções é que nossa fé em Cristo cresce a cada dia. O universo não estaria em equilíbrio e Deus não existiria se todos nós fôssemos para o mesmo lugar após a morte.

    Pois está escrito:

    =====================================================================
    Pois bem sabemos quem é que disse: Minha é a vingança; eu a exercerei (Dt 32,35). E ainda: O Senhor julgará o seu povo (Sl 134,14).
    (Hebreus 10:30)
    =====================================================================

    Sabemos que não devemos nos apegar em demasia à essa vida temporal. Cristo não nos prometeu um paraíso aqui na terra, pelo contrário.

    Cristo é perfeito, eu não sou. As vezes acho que Cristo nos pede coisas impossíveis para nós pecadores cumprirmos. Como podemos amar nossos inimigos?

    Como podemos amar quem promove o aborto, a ideologia de gêneros, a apostasia? Como posso amar a Dilma, como posso amar o assassino desse médico?

    Yeshua expulsou os vendilhões do templo com um chicote nas mãos.

    Não podemos fazer o mesmo com esses políticos desgraçados, expulsá-los de seus cargos através do voto? Talvez, se não fosse a existência da urna eletrônica…

    Nós, católicos, estamos vivendo dias difíceis. Padres que adoram Mamon e que passam a vida nos palcos cantando e faturando com a venda de CDs quando deveriam estar ouvindo confissões. Bispos que frequentam lojas maçônicas. Padres que dizem que os pentecostais são “lindos e santos”. São demônios de batina, se bem que o padre cantor almofadinha nem batina usa.

    Os ateus dizem que temos um amigo imaginário e que a Fada dos Dentes é similar a Deus. Os protestantes zombam de Maria e a ofendem, duvidando de sua virtude, algo que nem mesmo os muçulmanos são capazes de fazer, basta ler o Alcorão. Os comunistas no poder seguem aprovando leis que promovem a morte do corpo e da alma.

    Todos nós passaremos pela primeira morte, inerente a todo ser vivente. Felizmente, nem todos nós conheceremos a segunda morte, que se traduz no afastamento definitivo de Deus.

    Quando eu estudava medicina legal na faculdade, tinha uma matéria, tanatologia. Ela dizia sobre a morte o seguinte.

    “Aparente: estado em que na verdade o indivíduo parece morto em razão da baixa atividade metabólica e circulatória.

    Anatômica: parada total e permanente de todas as funções orgânicas.

    Histológica: morte de células que compõem vários tecidos e órgãos.

    Relativa: parada cardíaca reversível (ainda não passou do ponto de não-retorno).

    Intermédia: cessação progressiva das atividades sem que seja possível a recuperação.”

    Os ateus escarnecem de Deus e duvidam de sua existência por conta das mortes que podem ser revertidas. Ora! Morte que pode se tornar vida não é morte, ainda é vida. Falo da morte sem retorno, da morte anatômica. Uma vez que não somos reencarnacionistas, é nessa morte que iremos ao encontro de Deus e por Ele seremos julgados.

    Portanto estejamos sempre preparados, pois não sabemos quando chegará a hora de prestarmos conta de nossos pensamentos, palavras e atos, até por que os justos estão morrendo bem mais rápido do que os malfeitores, um mistério incompreensível para mim.

  13. lucas

    Sr. Paulo Cesar.

    Como podemos amar nossos inimigos,aqueles que nos fazem mal? Mas se fosse só para amar os justos ,os puros,onde estaria o mérito? Jesus amou os seus até o fim e entre eles estavam os que o trairam e renegaram,como Judas e Pedro.Realmente é muito difícil perdoar os inimigos,como ensina o cristianismo.

  14. Estamos aqui

    Jorge,

    Analisa essas matérias, ORE PELO BRASIL:
    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/05/26/video-desabafo-de-um-menor-viraliza-enquanto-menor-que-queimou-indio-vira-policia-galdino-deppman-yorrally-cinthya-quem-se-interessa-pelas-vitimas-nesti-paif/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/e-o-fim-da-picada-deputado-estadual-do-pt-e-ex-presidiario-aliado-do-secretario-de-transportes-de-haddad-participou-em-marco-de-reuniao-do-pcc-que-segundo-a-policia-planejava-ataques-a-onibus/

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/filosofia-politica/por-que-eles-odeiam-tanto-a-classe-media/

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/lei-e-ordem/a-siria-e-aqui-brasil-registra-a-maior-taxa-de-homicidios-desde-1980/

    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/05/23/aham-xuxa-senta-la/

  15. Wilson Ramiro

    O cirurgião Cláudio Amaro Gomes, 57 anos, e o filho, o bacharel em direito Cláudio Amaro Gomes Júnior, 32, foram presos no fim da tarde desta terça-feira (3) suspeitos de envolvimento no assassinato do médico paraibano Artur Eugênio de Azevedo Pereira, 35, dia 12 do mês passado. Desavenças profissionais entre a vítima e o colega de profissão podem ter motivado o crime.

    (que dizer?????)