CNBB Sul 1 sobre as eleições 2014: considerações importantes

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 7 meses 13 dias atrás.

Eu também recebi por chat do Facebook este folheto assinado pela Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB, que até o presente momento só se encontra, na internet lusófona, no blog do Carmadélio e no Fratres in Unum. À parte o extraordinário furo jornalístico, é imperioso fazer algumas observações e questionamentos.

1. Por qual motivo o texto não foi divulgado pelos canais oficiais? A Conferência dos Bispos do Brasil tem uma página na internet e o Regional Sul 1 da CNBB tem ali uma área específica, além de um site próprio. Em nenhum desses lugares está presente o folheto que estou divulgando aqui. Penso que a mensagem  – aliás importantíssima, como já detalharei – adquiriria maior credibilidade e alcance se fosse tornada pública com o peso da Conferência Episcopal (ou mesmo de um de seus regionais!), ao invés de estar sendo difundida unicamente pela blogosfera católica.

[P.S.: Na verdade, como fui informado, o documento encontra-se no site específico da «Comissão Regional em Defesa da Vida», ocupando lugar de destaque na página principal (link direto aqui). Importa ler também esta Declaração do pe. Berardo Graz, coordenador da Comissão em Defesa da Vida do Sul 1 da CNBB.]

2. Dois outros documentos podem ser encontrados, em lugar de relativo destaque, nos sítios acima referidos. Um deles é este “Pensando o Brasil: desafios diante das eleições 2014”; o outro, estas “Orientações para as Comunidades Católicas da Arquidiocese de São Paulo”. Em que pese a sua possível pertinência, nenhum dos dois contém as informações detalhadas e concisas no que concerne à «defesa da vida» que o pessoal do Sul 1 sistematizou. Não se vê como os documentos possam ser concorrentes, ou mesmo com a presença destes dois possa suprir a lacuna daquele, quando os assuntos nuns e noutro abordados possuem enfoques diferentes.

3. Os que têm um pouco de memória hão de se lembrar do papel ostensivamente profético que o Regional Sul 1 da CNBB realizou nas eleições de 2010, mormente no épico episódio dos panfletos apreendidos e censurados pelo PT. Aqueles bispos elevaram-se acima, muito acima dos seus irmãos de báculo e mitra, e conquistaram para si a honra de serem os únicos nomes eclesiásticos imediatamente lembrados quando se fala em boas orientações católicas para o exercício da cidadania no Brasil. Não se entende, portanto, por qual razão não consta, entre as várias comissões de que se compõe o Regional Sul 1 da CNBB, o nome da Comissão em Defesa da Vida no sítio eletrônico do Regional:

regional-sul-1

4. Entrando por fim no mérito da mensagem, creio já ter dito outras vezes aqui o seguinte: decerto existem muitas posições políticas que são lícitas ao católico, mas a indiferença diante da questão do aborto não se encontra entre elas. O ensinamento universal do Magistério é taxativo: «[a] lei divina e a razão natural excluem, portanto, todo o direito a matar directamente um homem inocente». Aqui não há espaço para dúvidas ou tergiversações: não se pode tolerar o aborto nem mesmo para a promoção de um “bem maior” e, portanto, não é lícito apoiar um candidato ou partido pró-aborto sob a justificativa de que o seu programa de governo é [o] melhor em outros pontos. Os direitos mais importantes são os primeiros critérios de exclusão: alguém que não defenda a vida «desde a concepção até a morte natural» não é uma opção legítima para o católico, mesmo que em outros pontos – como v.g. os direitos de propriedade, a liberdade da Igreja Católica e o justo socorro aos órfãos e viúvas – seja, por absurdo, a mais perfeita encarnação da Doutrina Social da Igreja. Alguém que promova o aborto não pode receber o apoio dos católicos, ainda que se apresente o mais justo dos governantes em todos os outros aspectos do exercício do poder.

Isso posto, merecem atenta consideração as informações trazidas pela Comissão do Sul 1. Em particular:

  • «[A]o se fazer um balanço sobre a atuação do atual governo na questão da defesa da vida, os resultados obtidos foram indiscutivelmente sombrios».
  • «[D]esde setembro de 2007, o PT assumiu em seu programa estatutário a legalização do aborto e a execução dessa prática em todos os casos no serviço público. Além do PT mais oito partidos políticos, registrados no Tribunal Superior Eleitoral, incluem explicitamente em seus estatutos ou programas a legalização do aborto, a saber: o Partido Comunista Brasileiro (PCB), o Partido Popular Socialista (PPS), o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), o Partido da Causa Operária (PCO), o Partido Democrático Trabalhista (PDT), o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) e o Partido Verde (PV)».
  • «[A] candidata do PSB à Presidência da República apoia a realização de um plebiscito sobre a legalização do aborto no Brasil. Esse posicionamento contradiz o direito à inviolabilidade da vida humana desde a concepção até à morte natural, sempre defendido pala Igreja».

Por mais que o nosso futuro político próximo seja inescapavelmente sombrio, não se pode perder a oportunidade de usar o efervescente período pré-eleitoral para colocar alguns pingos nos is e pontuar algumas coisas que, em outras épocas, ficam longe dos holofotes da mídia. Todo homem está obrigado a respeitar certos princípios universais da Lei Natural, independente da filosofia de vida que particularmente processe ou do partido político em cujas fileiras milite. Dizê-lo alto e claramente, ainda que diante de ouvidos moucos, é um dever ao qual não nos podemos furtar.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

5 thoughts on “CNBB Sul 1 sobre as eleições 2014: considerações importantes

  1. Renan

    A REGIONAL SUL 1 SEMPRE SE DESTACOU PRÓ VIDA!
    Os bispos da Regional Sul, desde 2010, quando estiveram lado a lado com o saudoso D Luiz Bergonzini, tem demonstrado ser de fato pró vida e não se aliado a certos infiltrados(?) na CNBB, mais se parecendo vermelhos.
    Aliás, outro dia li um artigo em que se ensinava de como diferenciar certos infiltrados na Igreja, passando-se por sacerdotes e, um dos itens, era ensinar, agir contra a doutrina católica e desrespeitando acintosamente a liturgia, apoiador de ideologias e, externamente, comportando-se como um leigo e apreciador de botequins.
    A CNBB é repleta de altos e baixos; se numa questão sai bem – seria para disfarçar-se, pois daria muito na cara a que está? – noutra entra de sola pró esquerdistas, caso dessa “Reforma Política” da turma do PT/CUT e muitos sindicatos/Fenaj/MST, PC do B, CONTAG, grupos GLBTs etc., todos apoiadores e incrementadores do aborto, pedofilia, gayzismo etc., sem se esquecer que o comunismo não tem planos de governo, apenas de poder e são movidos pelo ódio, comprovando-o mais de 150 000 mortos só no século passado em repressões.
    “Precisamos odiar. O ódio é a base do comunismo. As crianças devem ser ensinadas a odiarem seus pais se não forem comunistas´- Lênin.
    Que esperar de entes humanos revolucionarios cujas ideias e ações se pautam sob os parâmetros acima?

  2. Renan

    Correção: em lugar de 150 000 leia-se 150 000 000!
    150 000 é o número atribuído só a Fidel Castro!

  3. Paulo

    Assisti ao debate da promovido pela CNBB e achei que os temas como implantação de um regime comunista num país de tradição católica e doutras denominações cristãs, corrupção, aborto, pedofilia, marxismo e correlatos deveriam ser abordados, em especial para os 3 com chances de vencer!!!
    Porque não em cima do Aécio, Marina e Dilma e não aconteceu pois, se é religiosa, deveria a CNBB ter priorizado, pois que tem valido uma Conferencia Episcopal que não ataca o comunismo, parecendo conformada?
    Se a gente não combate, não estaria de acordo?
    Não seria o tal “em cima do muro”, ou seja, com o inimigo?
    A CNBB está num país sob regime marxista, satanista, odeia todas as religiões, particularmente a Igreja católica, não se revolta com a situação e não alerta os católicos de estarem sendo tragados pela voragem do material-ateísmo, como da esquerdista Teologia da Libertação querendo se passar por católica, nem mesmo ela estar sob o mesmo!
    Acharia um regime ideal, CNBB?
    Não acha que é um traição a Cristo, católico votar em comunistas ou ainda se ajuntar a eles?
    Acho que a CNBB está dormindo no ponto com eles ou está de acordo, mais se parecendo o segundo, não é?