Quando o Matrimônio é a solução para o concubinato

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 7 meses 9 dias atrás.

Não me lembro agora quem foi aquele sábio contemporâneo que disse, certa vez, que os jornalistas eram as pessoas mais desinformadas que ele conhecia. A veracidade da sentença é passível de ser confirmada à mais banal e corriqueira observação da realidade; é incrível como este ramo de atividade humana – responsável justamente pela propagação da informação – pode contar com tantas e tantas pessoas absolutamente ineptas em suas fileiras.

Uma matéria recente do Estadão fala que o “Papa realiza casamento de casais que já moram juntos e têm filhos”. O primeiro parágrafo, dando o tom de toda a matéria, dispara que o Papa Francisco «celebrou o casamento de 20 casais neste domingo [14/set], alguns dos quais já vivem juntos e tem filhos, no mais recente sinal de que o pontífice argentino quer que a Igreja Católica seja mais aberta e inclusiva».

Custa crer que exista alguma pessoa na face da terra que ignore que a Igreja, desde que é Igreja, casa casais. [Na verdade, quem celebra o Matrimônio são os nubentes e não o sacerdote que o assiste, como o sabe qualquer catequizando adolescente; mas seria demais exigir esse nível de refinamento de quem se espanta com o fato de casais que «já vivem juntos e tem (sic) filhos» casarem…] Custa crer que alguém enxergue nessa coisa banal e prosaica um sinal de que a Igreja deseje ser «mais aberta e inclusiva».

Ora, desde que o mundo é mundo, a Igreja regulariza as situações de fato que encontra. As pessoas que podem se casar são, apenas e justamente, os casais que ainda não estão casados! Um absurdo inaudito, digno de manchetes, seria se fosse diferente. Se um homem e uma mulher vivem juntos maritalmente e não estão ainda casados – nem, óbvio, estão impedidos de casar por algum matrimônio prévio, por votos religiosos ou por qualquer outra razão -, então é lógico que a situação deles regulariza-se, da maneira mais simples possível, com a celebração do seu casamento. Isso sempre foi assim e qualquer pessoa com um mínimo de vivência eclesial sabe disso. No fato da Igreja casar casais que ainda não estão casados não se encontra nenhum sinal de “inclusividade”, no péssimo sentido que esta palavra tem na novilíngua contemporânea, mas sim da catolicidade da Igreja que, sempre, convida a Si todos os homens e anseia por congregar a todos no Seu seio.

Aqui, nos sertões do nosso Nordeste, uma das coisas que frei Damião fazia com suas missões [cf. “Em defesa da Fé”] era, justamente, ajustar o casamento dos que viviam amancebados. Ou seja: trata-se de prática extremamente “reacionária”, no sentido de que se preocupa com as formas tradicionais [= o matrimônio religioso] em preferência às novas configurações de fato [= o amor livre]. Na verdade, casar pessoas que já vivem juntas e têm filhos não é “incluir” essa realidade marginal – o concubinato – na Igreja Católica, mas precisamente o contrário: é arrancar o homem à mancebia para reintroduzi-lo nas práticas santas da religião católica, é elevar a amásia e concubina a cônjuge e esposa legítima. É, em suma, dizer que não se aceita que os casais simplesmente “vivam juntos e tenham filhos”, mas que, além disso, é imperioso que eles contraiam matrimônio válido e lícito diante da autoridade religiosa competente. Trata-se, evidentemente, de [mais] uma condenação do concubinato, e não de uma sua “inclusão” na Igreja.

Uma Igreja “aberta e inclusiva”, na mentalidade moderna, seria uma Igreja que permitisse o sexo fora do casamento, que aceitasse o casamento gay ou permitisse que divorciados tornassem a casar. Ora, não consta que as pessoas que recentemente se casaram diante do Papa Francisco tivessem algum impedimento canônico; não eram gays mas, muito ao contrário, casais de verdade, com filhos próprios inclusive; e o fato mesmo do Papa exigir-lhes o casamento é, por si só, sinal evidente de que faltava algo à situação de «vive[re]m juntos» em que já se encontravam. Muito ao contrário, portanto, de ser um “sinal” dessa realidade apocalíptica pela qual anseiam em vão os bárbaros modernos, o recente gesto do Papa Francisco foi uma reafirmação da Doutrina Católica: longe de ser uma realidade social dotada de valor, o concubinato é um mal que deve ser sanado – se possível, com o Matrimônio. E o Papa quis passar clara e abertamente essa mensagem para o mundo. E esta verdade é suficientemente inclusiva para valer para todos os homens.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

7 thoughts on “Quando o Matrimônio é a solução para o concubinato

  1. Pingback: * Quando o Matrimônio é a solução para o concubinato e quando certas mídias se fazem de desentendidas. | Blog Carmadélio

  2. Pingback: Quando o Matrimônio é a solução para o concubinato e quando certas mídias se fazem de desentendidas

  3. acatequista

    Vou levar essa argumentação para ser refletida no curso de Crisma da minha paróquia. Pra ajudar os jovens a pensarem por si mesmos… Será um “estudo de caso”… de caso TOSCO, diga-se de passagem! Como pode tanto jornalista chinfrim?

  4. Renan

    CUIDADO COM REPORTAGENS RELIGIOSAS!
    Nas grandes cidades os jornalistas anunciam como católicas as festas de S Edwiges, S Judas e S Benedito – porém, de igual forma são promovidas pela seita denominada igreja católica brasileira e não esclarecem as diferenças entre a igreja católica romana e a seita igreja católica brasileira nas celebrações – ou seria proposital para condundirem os incautos – por sinal, uma seita que tem o cerimonial litúrgico aproximado, mas funciona no relativismo como outra qualquer, inclusive celebra casamentos entre desquitados, divorciados etc.
    Como no post comentou, salvo raras exceções, os jornalistas de modo geral são muito desconhecedores de religião, superficiais nesse assunto, nada confiáveis em suas reportagens, devendo serem conferidas para verificar possível veracidade, como relatado acerca dos casamentos.

  5. Carlo

    Francisco Jr: sim, o “sínodo da família” é bastante preocupante. E tenho medo que será só o começo, porque tem muita gente na igreja (fiéis, sacerdotes, e até bispos e cardeais) a favor do “matrimônio homossexual”.

  6. Thiago

    Infelizmente, conforme vai se aproximando o “Sínodo da Família” o que mais veremos serão reportagens tendenciosas e sensacionalista em relação ao matrimônio e à estrutura da família moderna e uma possível abertura da Igreja às novas concepções sobre este assunto. Mais nos assusta ainda o fato de sabermos que dentro da própria Igreja, mas com absoluta certeza separada dela, existe uma forte corrente sustentada pelas idéias de Kasper que é preciso rever os conceitos de família, comunhão de re-casados e outros assuntos. Já podemos ver publicamente alguns cardeais se contrapondo ao discurso de Kasper, que diz estar em comunhão com o Papa Francisco.

    Rezemos e aguardemos!