Domingo, fizemos história!

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 10 meses 27 dias atrás.

A despeito da reeleição da sra. Rousseff no último domingo (com 51,64% dos votos válidos), esta é a primeira vez na história das minhas eleições em que me encontro, num certo sentido, satisfeito. Sim, trata-se de verdadeira tragédia e vergonha, sem dúvidas; mas as condições sob as quais esta ignomínia se abateu sobre o povo brasileiro dão alento e alívio. O opróbrio veio e a mácula negra, desgraçadamente, há de ficar para sempre na nossa história, é verdade; mas há também linhas bonitas e cheias de esperança a serem contadas. Que merecem ser registradas.

Antes de mais nada, a diferença foi pequena, tão pequena que nós quase chegamos lá. Isso, que provoca à primeira vista a maior frustração – e passa talvez uma sensação de que se nadou, nadou e nadou para morrer na praia -, é na verdade um bálsamo quando a decepção primeira esmorece um pouco e dá lugar à serena reflexão sobre o assunto: pela primeira vez desde 1998, nós reunimos cinquenta milhões de eleitores brasileiros contra a máquina de opressão petista. Cinquenta milhões de almas que não suportam mais os desmandos dos nossos governantes! É um contingente grande demais para ser desprezado e, considerando-o, não é possível fugir à sensação de conforto e segurança. Não estamos sós; e isso é um alívio.

Três milhões e meio de votos…! É uma diferença tão pequena que qualquer Região Metropolitana do Recife poderia, matematicamente, fazer a balança pesar pro outro lado. Os votos que foram anulados (cinco milhões) poderiam fazer o candidato derrotado ser eleito. Pouco mais de 10% das abstenções (trinta milhões) poderiam fazer o resultado final ter sido diferente. Em uma palavra: nunca antes havíamos imposto aos bárbaros um risco tão grande e real de derrota. Tremei, ó petistas, que desta vez chegastes ao fim do combate presidencial quase à morte! E não deixaremos as feridas sararem. Nós ainda não terminamos; na verdade, não estamos nem perto de terminar.

Se a moral da sra. Rousseff no atual mandato já estava baixa, agora está a ponto de desaparecer: dos mais de cento e quarenta milhões de brasileiros eleitores, apenas cinquenta e quatro milhões – 38% – querem a Dilma como presidente. Bem menos da metade do eleitorado, portanto. Das eleições de 2010 para cá, a candidatura da oposição cresceu 7,5 milhões de votos, enquanto a Dilma teve um milhão e duzentos mil votos a menos do que conseguiu quatro anos atrás – e isso em números absolutos, sem levar em conta o crescimento do eleitorado! Apesar da derrota, encurtamos a distância de maneira magnífica. Estamos de parabéns. Fizemos história.

Avaaz.org – isso mesmo, Avaaz! – registra, neste momento, um abaixo-assinado para o impeachment da sra. Rousseff que já conta com mais de um milhão de assinaturas, número que aumenta a cada minuto. A imagem da presidente está irremediavelmente desgastada, e não vai ser esta vitória eleitoral apertada (apertadíssima!) que terá o condão de a restaurar. O monstro está ferido de morte. Cumpre-nos, agora, não o deixar convalescer.

E, a nós outros, coragem! Há mais valor no Brasil do que querem nos fazer crer os bárbaros que usurparam o governo. O combate será terrível, e eu posso até aceitar que ele se tenha agora tornado mais difícil: mas, agora, combatemos lado a lado, ombro a ombro, com os outros cinquenta milhões de brasileiros que não querem o PT na presidência da República. Coragem, que ainda há esperança para o Brasil: foi isto e não outra coisa o que resplandeceu quando se abriram as urnas domingo passado. Coragem, perseverança e foco, que ainda há – e muito – o que fazer.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

14 thoughts on “Domingo, fizemos história!

  1. Thadeu Vettorazzi

    Amigo Jorge cuidado com a avaaz, pois pertence a um grupo globalista. Não e seguro assinar qualquer petição no sítio dessa organização. A única finalidade dessa petição é formar um banco de dados com informações dos indivíduos contrários ao PT. Aproveito para agradecer de todo o meu coração pelo grande trabalho que você faz pela Igreja e seu povo. DEUS abençoe você!!!

  2. Rildo Pragana

    Avaaz é administrado por petistas, meu amigo. Nunca sairá de lá nada que prejudique o PT e seus associados. Nem se iluda!

  3. Thiago

    Desculpe-me caro Jorge, embora não discorde de você, não consigo despertar o mesmo otimismo que o seu. Principalmente porque mais quatro anos podem ser fatais ao nosso país e à nossa democracia. Estamos em um tempo em que a ditadura moderna no Brasil não será construída a partir da força das armas, mas a princípio por um cartãozinho amarelo feito de plástico chamado Bolsa Família, a eternização da miséria

    O PT conseguiu transformar a última eleição em uma guerra, e ao final reduzi-la a um plebiscito sobre o Bolsa Família: Ou se votava no 13 para que se continuasse o benefício ou no 45 para o fim. Na guerra do pobre contra o rico, pautaram-se temas também capazes de eclodir o xenofobismo, a guerra do homossexual contra o heterossexual, do negro contra o branco, dos crentes contra os ateus… E quem saiu perdendo? Perdeu o cidadão. Perdeu a democracia. Perdeu o Brasil. Perdemos no domingo a oportunidade de mudança.

    Totalizar pelo menos 16 anos no poder, como vc mesmo disse, é digno de um reinado da idade média. Nosso sistema nos permite substituir do poder a figura divina do rei, mas parece que endeusamos aqueles que lá estão e demonizamos qualquer chance de mudança. O PT trás consigo o ranço do feudalismo: um rei que detém o poder central, seguido de todo o aparelhamento do estado, tais como duques, condes, vassalos e senhores feudais. Sustentados pelo povo que paga tributos, cuja única finalidade é o pagamento dos privilégios dos que estão no poder. Isso sem contar que dispõe de verdadeiros servos, que sobrevivem com a dieta mínima necessária proporcionada pelo Bolsa Família, sem quaisquer sonhos ou expectativas, alimentados simplesmente por uma raso prato de comida e ameaçados sem remorso.

    Nossa frágil democracia foi despedaçada. E esta pode ter sido por um longo tempo a última eleição que poderíamos vencer. O verde e o amarelo vão dando lugar ao vermelho, a ordem e o progresso possivelmente ao martelo e à foice! Não há projetos de governo, há projetos de poder!

  4. Orlando de Andrade Cavalcanti Júnior

    Concordo com o Thadeu, a Avaaz não é de confiança! Apesar disso, minha esposa e eu assinamos a petição, afinal, com o aparelhamento dos órgãos públicos e as informações das redes sociais, é impossível não ter suas preferências políticas e morais totalmente devassadas. Recordem-se também que a Avaaz pode vetar e efetivamente veta petições que “estão em desacordo com sua política”. Lembremos que o PT não ganhou apenas esta eleição; já são 12 anos e talvez ainda tenhamos mais 4 pela frente. Se um partido de índole tirânica e opressora como o PT ainda não tem um banco de dados com registro nacional dos “eles” (nós), foram muito preguiçosos, o que eu duvido. Ademais, não podemos nos conformar com uma petição de impeachment apenas nos termos em que esta se apresenta. Há muitos outros motivos para pedir o Impeachment de Dilma (Porto de Mariel, subordinação do PT à organismo estrangeiro – Foro de São Paulo, perdão de dívidas de países comunistas, etc.). Só o dinheiro que foi destinado ao Porto de Mariel já seria suficiente para execrar o PT do poder, pois segundo a Constituição, não se pode usar dinheiro brasileiro em qualquer país estrangeiro sem passar pela Câmara e pelo Senado, o que não ocorreu. É descaradamente INCONSTITUCIONAL e a punição para tal crime é a perda de mandato. Já o conluio do PT com Foro de São Paulo é ainda mais grave, pois submete os interesses nacionais as determinações de uma organização supranacional, comunista, composta de terroristas e traficantes. A lista é imensa.

  5. Renan

    Recado aos bispos católicos.
    Senhores bispos católicos, saibam que sua omissão em se posicionar contra o governo Dilma é responsável pelos 3 milhões de votos que tiraram a vitória de Aécio. Saibam também que os senhores serão os primeiros a sofrer a conseqüência disso. Sua covardia lhes custará caro, bem como aos católicos de nossa nação.
    Estamos desorientados. Ovelhas sem pastor.
    “Ai dos pastores de Israel que só cuidam do seu próprio pasto” (Ez. XXXIV,2).
    Pe. Cristóvão.
    Preferi colocar o acima do “Fratresinunum” pois acho que tem tudo a ver; eis aí o segredo das vitorias seguidas do PT, dito até por Lula, que os religiosos adeptos do PT foram cruciais à sua ascensão e manutenção no poder.
    Sem se esquecer que o PT nasceu num dos braços da esquerdista CNBB – nas CEB!

  6. Paulo Santos

    A diferença foi enorme Jorge, em favor do Aécio, mas com as urnas eletrônicas a fraude também foi enorme, por isso a vitória petista por pequena margem. E será sempre assim, como é na Venezuela. Por mais que o candidato da oposição esteja na frente nas pesquisas, na apuração dará sempre o candidato do situação por pequena margem. Isso é para enganar trouxas. O negocio é pedir o fim das urnas eletrônicas e a volta do voto em papel, os quais podem ser recontados e auditados. E quanto ao pedido do impeachment, assinem a petição da Citizen.org e não da Avaaz que não é confiável. Abraços.

  7. Renato

    É rapazinho neoconservador, pelo visto você não vai tirar o endereço do Avaaz. Muitas pessoas induzidas por você vai se inscrever e assinar aquela petição para futuramente serem identificadas pelo PT.

    Nossa como você é teimoso rapazinho neoconservador!

  8. Jorge Ferraz (admin) Post author

    Renato, vocês têm umas viagens… :)

    É muitíssimo pouco provável que o PT queira “identificar” futuramente quem é contra ele (!) por meio de um abaixo-assinado virtual de nome e endereço de email. Mais fácil seria, sei lá, buscar nas redes sociais a hashtag #ptnuncamais ou #aécio45. Ou, já que vocês são afeitos aos conspiracionismos mais delirantes, quem disse que as Urnas Eletrônicas já não enviaram para o PT um cadastro detalhado, com foto e impressão digital, de todos os brasileiros que cometeram a lesa-pátria de votar no PSDB?! =D

  9. Renato

    Não vai falar nada sobre as palavras do senhor Bergoglio sobre o Big Bang e da teoria da evolução?

  10. Alexandre Magno

    Há anos eu assino e divulgo petições da Avaaz. Aconteceu principalmente antes de eu conhecer HazteOir e surgir CitizenGO. Acho que sempre divulguei as campanhas fazendo minha própria redação de e-mail. Com um prisma pessoal, reduzido ou expandido. Por vezes, deixei explícito que não se tratava de apoio a aquela instituição. Sempre importou-me mais as iniciativas tidas de maneira isolada. Acreditava e acredito na boa intenção das milhares de pessoas que, juntamente comigo, assinaram e quiseram ser representadas (ter alguma voz) ante uma problemática particular sem sombra de dúvidas grave e indesejável.

    Mas faz já alguns meses, talvez ano, que não aproveito qualquer campanha da Avaaz. Cada vez mais o esquerdismo ou a obscuridade política deles tem aflorado, dificultado uma participação não ambígua. Nunca doei ou promovi doações à instituição, nem pretendo fazê-lo. Ainda que eu prefira pensar que eles, como organismo, não tem uma orientação política definida (esquerda/centro/direita). Mais parece que a nuvem chamada “esquerdismo” tem muitíssimos pequenos acertos, e que hoje ela paira bem em cima da sociedade, cobrindo praticamente todos nós. Fora dessa cobertura, eu tendo a enxergar somente personalidades como Bolsonaro, e com ressalvas, pois até ele deve ter lá algum valor, mínimo que seja, “compartilhado na nuvem”.

    Raramente tive a impressão da Avaaz ser guiada por “manipuladores” políticos. Na verdade, é possível que eu nunca tenha tido essa impressão. Não lembro. De uma forma ou de outra, o espírito que mais atua lá é esquerdista. Predominantemente. Pelo simples motivo que esse é o espírito político que mais atua em toda a sociedade e em cada um da maioria de nós, quer queiramos ou não.

    O esquerdismo tem acertos tal como é impossível a Satanás “nunca” ter a verdade. E o esquerdismo está em vários tons de cinza, enquanto Satanás é ícone (do Mal).

    Agora sobre o governo do Brasil.

    Tenho receio de pedir o impedimento de Dilma pelo seguinte. Se ela sai de cena, entra Lula, com todo o “carisma” que ele tem. Nas urnas, não haverá páreo para ele. Oito anos podem fazer parecer que não, mas Dilma é só uma peça do jogo, para o PT. Observem como, no discurso de domingo, está presente “o presidente Lula”. Ele já foi reeleito TRÊS VEZES! E quando de fato ele estiver novamente com os microfones, será fácil dar passos maiores para a esquerda.

    Não acredito que Lula e o PT queiram os mesmos erros e calos daqueles que os precederam. Alarmar que querem o Brasil “tal como” uma Cuba é substimar a inteligência deles. Certamente não querem. Estão aprendendo com quem foi na frente. Compartilham os mesmos ideais mas não exatamente os mesmos procedimentos, pelo simples fato de serem pessoas diferentes em momentos históricos diferentes. Só estão onde estão porque não são estúpidos!

    Engana-se quem pensa que o eleitor médio do 45 deu a mínima para o voto útil no sentido de “não ao aborto, não ao PNDH, não ao esquerdismo”. A maior parte deles quis apenas uma esquerda diferente, quis apenas livrar-se da sombra de uma quadrilha, quis apenas que a economia continue forte. Para esses eleitores um “PT comunista” é mito! Que sejam ignorantes ou cínicos, é assim que é. Quem elegeu Dilma e a grande maior parte dos que votaram 45 só quer o pão de trigo.

  11. Pingback: As esquerdas e a bandeira dos pobres | Deus lo Vult!