«O que foi cortado, não pode ser tratado nem curado».

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 9 meses 18 dias atrás.

A Igreja Católica é o «Sacramento da Salvação» (cf. Lumen Gentium 48), e isso significa dizer que Ela é o canal somente através do qual (*) as graças divinas chegam aos seres humanos. A expressão utilizada pelo Concílio Vaticano II equivale, desta maneira, a uma outra expressão mais clássica dentro da doutrina católica que diz que a Igreja é aquela «fora da qual não há salvação e nem santidade». Não se trata de triunfalismo arrogante, mas de humilde reconhecimento daquilo que é uma das verdades mais basilares da nossa Fé: Cristo veio ao mundo para fundar uma determinada comunidade de homens e, se Ele, Deus libérrimo, quis assim dispôr as coisas, nós, meros mortais, não temos autoridade para estabelecer outros “caminhos” diferentes para o Céu. Cristo, o Homem-Deus, fundou a Igreja! Ao invés de torcermos o nariz à insolência papista, melhor faríamos em nos esforçar, zelosamente, para seguirmos com escrupulosa observância a vontade manifesta de Nosso Senhor.

[(*) A comparação da Igreja com um «Sacramento», claro, é metafórica. Os sacramentos são sinais sensíveis e eficazes da graça de Deus e, stricto sensu, como declarou o Concílio Tridentino, são não mais e nem menos do que sete: Batismo e Crisma, Confissão e Unção dos Enfermos, Eucaristia, Ordem e Matrimônio. Se há portanto evidente diferença entre os Sete Sacramentos e o «Sacramento da Salvação», é necessário que tal seja levado em consideração quando formos derivar as conseqüências de se dizer a Igreja «Sacramento da Salvação» em ordem aos canais da Graça e sua exclusividade – a fim de não cairmos em erro.

Porque, embora os Sacramentos – os Sete – sejam sinais eficazes da Graça de Deus (i.e., todo Sacramento, se validamente celebrado, produz a Graça que significa), nem toda a Graça nos vem mediante os Sete Sacramentos: recebemos graças atuais o tempo inteiro, como nos ensinam os manuais de Teologia e a experiência espiritual mais comezinha. Solução distinta, contudo, é a que se dá ao problema da salvação “fora” da Igreja: os que se salvam sem fazerem materialmente parte dos quadros visíveis da Igreja Católica são, no entanto, formalmente católicos ainda que disso não tenham consciência explícita – salvam-se, assim, pela Igreja e na Igreja. Portanto, em se tratando da Salvação, não existe graça extra-eclesial análoga às graças extra-sacramentais. Entender o caráter analógico da formulação do Concílio Vaticano II é fundamental para que as conseqüências soteriológicas da sacramentalidade da Igreja sejam tiradas mutatis mutandis.]

No tradicional discurso à cúria romana que o Santo Padre faz todos os anos por ocasião do Natal, o Papa Francisco proferiu, na semana passada, uma prédica incomumente dura. Dedicou a maior parte da sua fala a enumerar e descrever o que chamou de «doenças curiais», males do espírito que são um obstáculo ao serviço a Deus que todos os católicos – e de modo particularíssimo os membros da cúria – são chamados a desempenhar. O Jornal Nacional não perdeu a oportunidade de dizer que o Papa fez «duras críticas a (sic) cúpula da Igreja»; e, de fato, não há como negar que as suas palavras tenham sido duríssimas! Não me parece possível, no entanto, dizer que a saraivada pontifícia tenha sido disparada «sem piedade».

Primeiro porque “piedade” é aquele dom do Espírito Santo que nos torna leve e agradável o nosso relacionamento com Deus; ou, nos dizeres do Aquinate, aquele «pelo qual, reverenciando a Deus, fazemos o bem para com todos» (Summa I-IIae, q.68, a.4, ad.2). Ora, um exame de consciência – como o que propôs o Papa – é um evidente exercício que se propõe a melhorar a nossa relação com Deus e, portanto, é piedoso no sentido mais católico da palavra.

Segundo porque o Papa em momento algum se exclui dos destinatários de suas duras palavras. É regra de boa pregação aquela história de que o pregador, antes de qualquer outra coisa, deve pregar a si mesmo: e, com Sua Santidade o dizendo explicitamente (v.g. «queria que este nosso encontro e as reflexões que partilharei convosco se tornassem, para todos nós, apoio e estímulo para um verdadeiro exame de consciência»), não me parece possível deduzir que ele se coloque n’alguma posição de alegada superioridade moral para, de lá, apontar um dedo acusador para os outros sem se dar conta de que talvez também a ele caibam [ao menos alguns d]os vícios que ele se esmera em perfilar.

Terceiro, por fim, porque faltam palavras duras na Igreja! Nós o cansamos de dizer e repetir, e quando o Vigário de Cristo abandona as suas características bonacheirices para falar a sério e acerbo vamos, também e ainda, continuar a reclamar? Bem que poderíamos seguir os conselhos do Papa e fazer, para o nosso próprio bem!, um minucioso exame de consciência diante do sacrário. Talvez seja isso o que mais nos falte.

Mas o que me chamou mais profundamente a atenção nas “Felicitações de Natal” foi uma frase de Sto. Agostinho que o Papa Francisco cita lá para o final do discurso: «Enquanto uma parte adere ao corpo, a sua cura não é impossível; pelo contrário, o que foi cortado, não pode ser tratado nem curado».

Isso tem tudo a ver com o que se falava acima, com a Igreja Católica enquanto única Igreja de Cristo, fora da qual não há nem salvação e nem santidade – fora da qual só há os sarmentos secos que não servem senão para ser atirados ao fogo.

Isso tem tudo a ver com aquela concepção da Igreja de Roma como Aquela que sempre esteve disposta a tolerar até onde fosse possível os hereges, a fim de salvaguardar a unidade – em oposição à Igreja do Oriente, que sempre se caracterizou por esfacelar a unidade em defesa da[quilo que cada grupo considera a] Ortodoxia.

Isso tem tudo a ver com aquela visão negativa do então Card. Ratzinger a respeito da excomunhão de Lutero, como se os danos à Cristandade pudessem ter sido muito menores se tivesse sido possível à Igreja manter o monge rebelde sob as Suas asas maternais: e, neste ponto, vejo uma admirável confluência de pensamento entre os dois Papas.

Isso tem tudo a ver, enfim, parece-me, com a maneira com que o Papa Francisco costuma tratar os [que ele julga] equivocados: critica-os, exorta-os, chama-os, transfere-os, até mesmo – vá lá! – humilha-os; mas faz questão de os manter na Igreja, debaixo dos seus olhos: porque sabe que é o Papa e sob o seu cajado é que se forma a Igreja de Cristo, fora da qual as almas não podem ser tratadas e nem curadas. Mais “romanista” impossível.

Os profetas das desgraças podem vir às ruas com as suas chiacchiere: nada poderão dizer contra a concepção bergogliana da necessidade da Igreja, que o Papa Francisco faz tanta questão de alardear ao mundo sempre que tem oportunidade. Podem até acusá-lo de querer fazer a Igreja abarcar promíscua e indiscriminadamente o mundo inteiro: ainda assim, contudo, é a sob o pálio do Sucessor de Pedro que ele quer reconduzir o mundo! E isso já é segurança e tranquilidade suficientes para nós: porque isso – vejam só! – é mais catolicismo do que a maior parte dos inimigos da Igreja está disposta a aceitar.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

One thought on “«O que foi cortado, não pode ser tratado nem curado».

  1. José Juarez Batista Leite

    O Mistério da Igreja é muito mais profundo do que podemos imaginar e dizer,mas enquanto Mistério Religioso e Divino podemos, à luz da Revelação e da razão,adentrarmos, gradativamente, com humildade,simplicidade e paciência a Sua Verdade e Realidade.
    A Igreja é o Corpo Místico de Cristo, como nos diz São Paulo,e Cristo é a Cabeça da Igreja,ou seja, a Igreja é uma só Coisa com Jesus, um Único Ser, pois Cabeça e Corpo formam uma Unidade que só se dão sentido de forma recíproca. O próprio São Paulo nos diz que a relação de Cristo com a Igreja assemelha-se a relação do esposo com a esposa que pelo sacramento do matrimônio deixam de ser dois e passam a ser somente um.
    Cristo,no tempo em que esteve convivendo com as pessoas,era a Expressão Física de Deus aqui neste mundo,isto é,Cristo era a Pessoa Física de Deus, Deus-Homem, Homem-Deus. A igreja, por sua vez, Obra de Cristo, é a Pessoa Institucional de Deus, a Pessoa Jurídica de Deus,por assim dizer. Como Jesus, Filho da Santíssima Virgem Maria, pela ação do Espírito Santo,é Deus com o Pai e o Espírito Santo, a Igreja é Deus com Jesus aqui neste mundo, ou seja, Deus, de forma concreta, aqui neste mundo, é a Igreja.
    Só quem pode gerar Deus é o Próprio Deus como dizemos no Símbolo niceno-constantinopolitano a respeito de Jesus Cristo. Pelo mesmo motivo se a Igreja não fosse Deus Ela não poderia, por Si Mesma, realizar o Milagre da Transubstanciação nas Celebrações Eucarísticas que se restringiria a manifestar-se apenas uma única vez na Celebração da Última Ceia presidida por Nosso Senhor Jesus Cristo.
    Entretanto, Jorge, você poderá objetar declarando que Esse Ensinamento não faz parte dos pronunciamentos oficiais da Igreja e eu lhe direi que você tem razão, porque na verdade uma afirmação como esta se enquadra no contexto de um Dogma de Fé e portanto só a Igreja pode sancionar. Contudo aguardemos, pois nós sabemos que os Dogmas de Fé proclamados oficialmente pela Autoridade da Igreja seguem o seu próprio processo peculiar e além do mais, eu creio que nós católicos e o mundo ainda não está preparado para ouvir em alto e bom som esta declaração, visto que vários dos Dogmas de Fé afirmados ainda sofrem muita resistência, tanto no meio católico quanto fora dele.
    Estas afirmações podem suscitar em alguns de nós sentimentos de orgulho e vaidade, todavia o melhor mesmo é deixarmo-nos atingir pelo tremor e temor de Deus diante de tão Augusta Realidade da qual também nós fazemos parte.
    No mais um feliz 2015, cheio, repleto e transbordante das graças e bênçãos divinas para você, sua família, seus familiares, parentes e amigos.E obrigado por ter me permitido acompanhar,em 2014, as suas tão bem construídas explanações. Um abraço!