Por que não deixar “as pessoas fazerem o que quiserem”?

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 2 meses 24 dias atrás.

Um leitor fez o seguinte comentário aqui no Deus lo Vult!:

eu sou a favor do livre arbítrio.. quem quiser abortar, aborta! acho que o pai e a mãe tem que decidir se querem ou não viver uma vida infeliz cuidando de uma criança que obviamente será inútil e morrerá quando o sentimento por ela já estiver imenso. larguem de hipocrisia e deixem as pessoas fazerem o que quiserem.

Ora, é completamente sem sentido apelar para o “livre-arbítrio” quando se está falando de eliminar uma vida humana inocente. Todo mundo é a favor do livre-arbítrio, é lógico; mas defender determinado emprego do livre-arbítrio que redunde em dano injusto a um bem de um terceiro, aí já é coisa que não faz sentido algum.

Apliquemos o mesmo “racio-símio” a outros tipos penais previstos no ordenamento brasileiro:

  • eu sou a favor do livre arbítrio..[.] quem quiser assaltar, assalta! Acho que o assaltante tem que decidir se quer ou não viver uma vida infeliz (…) larguem de hipocrisia e deixem as pessoas fazerem o que quiserem.
  • eu sou a favor do livre arbítrio..[.] quem quiser sequestrar, sequestra! Acho que o sequestrador tem que decidir se quer ou não viver uma vida infeliz (…) larguem de hipocrisia e deixem as pessoas fazerem o que quiserem.
  • eu sou a favor do livre arbítrio..[.] quem quiser desviar dinheiro público, desvia! Acho que o corrupto tem que decidir se quer ou não viver uma vida infeliz (…) larguem de hipocrisia e deixem as pessoas fazerem o que quiserem.
  • sou a favor do livre arbítrio..[.] quem quiser cometer qualquer crime, que cometa! Acho que o criminoso tem que decidir se quer ou não viver uma vida infeliz (…) larguem de hipocrisia e deixem as pessoas fazerem o que quiserem.

O “argumento”, como se pode ver, é completamente insustentável. A gente só pode advogar o direito à liberdade quando o seu exercício estiver direcionado para coisas em si mesmas boas ou pelo menos neutras. Antes, portanto, de se dizer “a favor do livre arbítrio” para o aborto, é preciso demonstrar que o aborto, considerado em si mesmo, é moralmente bom ou, pelo menos, indiferente. Sem enfrentar essa questão em primeiríssimo lugar, “hipocrisia” é querer aplicar aos opositores a pecha de estarem querendo violar o sacrossanto livre-arbítrio de outrem. Aqui, não!

[A mesma situação, aliás, poderia ser também resolvida simplesmente dizendo: ok, que cada um tenha o livre-arbítrio de fazer o que quiser, contanto que arque com as conseqüências de suas atitudes. Assim, o assaltante continua com o livre-arbítrio de assaltar, correndo com isso o risco de ser preso; o assassino, continua com o livre-arbítrio de assassinar, contando com o risco de ser morto em legítima defesa por sua vítima ou por um terceiro que por acaso o surpreenda no ato da realização do homicídio; e, o abortista, continua com o livre-arbítrio de abortar, ficando por conta disso sujeito às conseqüências penais que decorrem da sua conduta.

Se não o dizemos, contudo, é porque nos parece que esta visão conota uma espécie de “jogo de soma zero”, como se dispôr-se a sofrer a sanção penal de um crime fosse algo análogo a pagar o preço devido por um bem: como se transformasse o crime, assim, em uma transação normal e socialmente aceitável.

Acreditamos, ao contrário, que sofrer as consequências jurídicas de um crime não é, de nenhuma maneira, o “preço justo” que transforma o cometimento do crime em um negócio jurídico normal. As condutas criminosas devem ser evitadas, ponto; e não  é correto dizer que elas possam ser cometidas mediante o pagamento de x reais de multa ou y anos de reclusão. Parece-nos, assim, que meramente defender o livre-arbítrio para o mal, desde que com suas consequências, é um erro de perspectiva. Há que se distinguir a liberdade em abstrato do exercício concreto dessa liberdade: condenar algumas modalidades deste não equivale, sob lógica nenhuma, a negar aquela.]

Sobre a «criança que obviamente será inútil e morrerá quando o sentimento por ela já estiver imenso»… o que dizer diante de tamanha barbaridade? É evidente que tal conclusão é fruto unicamente da mentalidade doentia do autor do comentário; é patente que ele não tem o menor suporte fático, nenhum dado empírico a lhe autorizar. Porque o que nos contam as pessoas que tiveram filhos deficientes – mormente anencéfalos – é coisa completamente distinta. Busquem-se, a título de informação, as histórias de Marcela de Jesus ou Vitória de Cristo que já foram contadas neste mesmo blog.

Mas, mesmo assim, olhar unicamente para o sentimento dos pais é um erro de proporções. Em uma escala valorativa minimamente decente, o direito à vida da criança – mesmo deficiente! – ganha do direito a “bons sentimentos” dos pais. E, se não se pode exigir de ninguém que enfrente como homem as adversidades que a vida lhe trouxer, pode-se ao menos (e, aliás, deve-se!) impedi-lo de violar gravemente os direitos de outrem em reação àquelas adversidades. Eximir-se de fazê-lo é decair na mais horrenda barbárie, onde o que vale é a lei do mais forte e onde o estado de ânimo de alguém o autoriza a tudo para fazer valer a própria vontade, independente de quem seja pisoteado neste processo.

É lógico que ter um filho com uma deficiência grave é algo devastador. No entanto, matar o próprio filho por ele ser gravemente deficiente é de uma desumanidade atroz. É possível, sem dúvidas, levantar uma infinidade de argumentos para justificar, in casu, a atitude desesperada do pai que opta pelo assassínio intrauterino do seu filho doente. O que não dá é para pleitear o direito universal e inalienável ao extermínio pré-natal das crianças deficientes.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

5 thoughts on “Por que não deixar “as pessoas fazerem o que quiserem”?

  1. thainagoulart

    Sinceramente, post esclarecedor e com ótimos argumentos. O ser que promulgou tais palavras a favor do aborto não passa de nada além de desumano, egoísta e atroz. Rezemos por ele porque tá brabo

  2. Alexandre Magno

    Ele está permitindo que façam assim com ele:

    “Eu sou a favor do livre arbítrio… Quero matá-lo! Posso decidir se quero ou não viver uma vida infeliz aturando alguém como você, que obviamente é um inútil e morrerá naturalmente só quando muito já tiver me incomodado, sugado minha atenção. Largue de hipocrisia, feche os olhos para que eu lhe degole sem você poder reagir. Seja coerente e deixe-me fazer o que eu quiser.”

  3. Eduardo Araújo

    “uma criança que obviamente será inútil e morrerá quando o sentimento por ela já estiver imenso”

    Puxa… Um sentimento imenso por alguém “obviamente inútil”. Então para o sr. libertário sentimentos são inúteis, é isso?

    Qualquer que seja a resposta, é horrendo, profundamente horrendo esse viés pragmatista. A respeito, sei que serei acusado de trazer aos comentários o “ad hitlerum”, mas não dá para evitar a comparação com o pragmatismo nazista em relação aos judeus, pessoas “obviamente inúteis” para os da “raça ariana”. O comentário ora em questão poderia ter saído da boca de um inveterado nazista dos anos 30, trocando-se, nele, “abortar, aborta” por “eliminar, elimina”; “o pai e a mãe” por “os alemães”; “uma criança” por “um povo inferior”; e “imenso” por “deturpado”.

  4. Renan

    Esse leitor, assunto do post, se comporta POLITICAMENTE CORRETO, como pertencente à DITADURA DO RELATIVISMO!
    Os meios de comunicação ideologistas são os que espalham esses tipos de ensinamentos sugerindo aos incautos a “liberdade total”, fazer o que der na cuca, mas o desejo deles é que todos se alienem, relativizem-se, percam a fé no catolicismo em particular. destruam as famílias e alienem-se para que sejam mais fáceis de serem dominados e enquadrados na cartilha marxista e finalmente caiam num regime de camisa-de-força, como sucede nos regimes comunistas, eis o fato!
    Lênin, em uma de suas “profetadas” propôs esse modelo de ação para os comunistas sempre obterem êxito em suas investidas:
    RECEITA DE LÊNIN PARA DOMINAR E ESCRAVIZAR UM POVO:
    “Usem os idiotas-uteis na linha de frente.
    Instigue o ódio entre as pessoas e classes.
    Destruam suas bases morais, a familia e a espiritualidade e façam-nos comer das migalhas que caem de nossas mesas”.
    E fazer artificiosamente que falte alimentos para que a preocupação da busca diária do alimento como sucede na Venezuela, escondendo-os ou os sonegando, sendo uma das estratégias marxistas para enfraquecer, distrair, ocupar e diminuir a incidência de protestos e enfrentamento ao governo”!
    Se uma sociedade chegar a se moldar na proposta do proponente do “livre-arbítrio” acima, além de incidir na questão atinente às 10001 relativistas seitas protestantes onde cada um é o deus da bíblia, redundaria não mais numa sociedade, mas doravante numa manada de bovinos tangida pelos ideologistas diariamente para a canga para puxar-lhes sua carruagem…
    E eles de chicote na mão, como na favelada e escravagista Cuba!