Papa Francisco ataca a teoria de gênero!

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 5 meses 9 dias atrás.

A mídia secular não é a melhor fonte de notícias a respeito do Papa Francisco, mas vale a pena citar esta matéria do Jornal do CommercioPapa ataca a teoria de gênero e defende colaboração entre homem e mulher. E vale a pena citá-la por pelo menos duas razões.

Primeiro, porque é um bálsamo encontrar, na mídia laica, uma notícia que soe desabonadora às expectativas anticatólicas que os incréus têm a respeito do atual pontificado. Não é interessante divulgar a doutrina católica e, por isso, quando o Papa Francisco costuma aparecer na mídia, as mais das vezes é para que ela – a mídia – faça propaganda d’alguma ideia anticatólica. O expediente já foi empregado tantas e tantas vezes que perdeu a graça: na verdade, a gente já nem esperava mais encontrar, nas manchetes dos jornais, o Papa associado àqueles aspectos do Catolicismo que desagradam o pensamento mundano hoje hegemônico…

(E há algo de profundamente triste nisso, sem dúvidas. Atingiu-se um novo patamar de perda de referências: agora não é mais simplesmente que as pessoas não dêem ouvidos ao que diz a Igreja Católica. Atingiu-se o paroxismo: as pessoas não associam mais o Romano Pontífice à Igreja Católica!)

A segunda razão pela qual vale a pena citar a matéria do Jornal do Commercio é esta: a Catequese de hoje, na verdade, não tem nada de excepcional. O Papa trata o tema de modo bastante rudimentar, repleto de lugares-comuns e de banalidades – atenção, que com isso não se está fazendo pouco caso da catequese pontifícia! Está-se, tão-somente, afirmando o caráter introdutório, basilar, fundamental do discurso pontifício. E o ponto a que quero chegar é: nem mesmo um texto superficial, que aborde trivialidades da doutrina católica, pode mais ser proferido pelo Papa Francisco sem que a mídia rasgue as vestes e acuse o golpe.

Tive a curiosidade de procurar por “Papa”, “Teoria” e “Gênero” no news.google.com. As manchetes são impressionantes. Papa Francisco arremete contra la teoría de géneroCritica papa Francisco la teoría de género que reconoce a homosexualesPapa contra “Teoría del género” de grupos LGBTPapa Francisco califica a la teoría de género de ‘error de la mente humana’. Ao que parece, apenas a mídia tupiniquim lembrou acrescentar, ao final da manchete, que o Papa também defendeu a colaboração entre homem e mulher…

Quem lê pensa que saiu uma encíclica sobre o tema, uma bula papal condenando solenemente a tese, uma exortação detalhada e específica sobre o assunto! Quando, na verdade, a única frase, no meio da audiência geral, é quando Sua Santidade se pergunta «se a chamada teoria do gênero não seja expressão de uma frustração e de uma resignação, que visa a cancelar a diferença sexual porque não sabe mais como lidar com ela». E isso me leva a pensar em algumas coisas.

Pergunto-me no que acontecerá quando vier, de Roma, alguma coisa mais substancial a respeito do tema do que a menção en passant de hoje. Que retórica usarão os (de)formadores de opinião para indispôr as pessoas contra o Papa, agora que já gastaram todo o seu repertório para fulminar uma menção incidental à teoria de gênero?

Pergunto-me ainda se o problema de certa mídia não é, ao contrário do que parece à primeira vista, mais de falta de senso de proporções do que de astúcia inteligentemente voltada para o mal. Porque parece haver certa má fé em pinçar banalidades do quotidiano do Papa Francisco para as pintar como flagrantes oposições ao ensino da Igreja, como vaticínios infalíveis de que a Esposa de Cristo está se curvando aos “avanços” do século XXI. Ora, mas neste caso de hoje a banalidade pinçada é desfavorável à agenda moderna…! O que me leva a pensar que, talvez, eles simplesmente não sejam capazes de ponderar os fatos sobre os quais julgam precisar falar. Talvez, no final das contas, o deplorável nível intelectual do homem médio contemporâneo deva ser creditado não apenas à manipulação da imprensa, mas a uma sua nada negligenciável falta de bom senso e de competência na realização do seu trabalho.

Pergunto-me, por fim, se não existe algo de irônico nesse serviço à Igreja prestado por linhas tortas, uma vez que a maior parte das pessoas não vai ler a catequese hebdomadária do Papa Francisco mas tão-somente a matéria do jornal (que digo? A maior parte das pessoas vai ler somente a chamada da matéria!). E talvez isso ajude a formar, no imaginário coletivo, uma imagem do Papa Francisco um pouco mais próxima daquela de um Sumo Pontífice. Quem sabe as pessoas encontrem mais o Papa nestas manchetes (mal-feitas!) de ódio mal-disfarçado do que em todas as outras onde se incensa um ídolo moderno que, para ser mais palatável, costuma ser apresentado sob uma batina branca e por detrás do rosto sorridente de um antigo cardeal argentino.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

One thought on “Papa Francisco ataca a teoria de gênero!

  1. Alexandre Magno

    Pergunto-me ainda se o problema de certa mídia não é, ao contrário do que parece à primeira vista, mais de falta de senso de proporções do que de astúcia inteligentemente voltada para o mal.

    Pode ter ser certeza de que ser jornalista formado e atuante não é atestado das virtudes que mais importam.