«No está bien eso»

closeAtenção, este artigo foi publicado 1 ano 9 meses 22 dias atrás.

papa-morales

Imagem sensacional.

O olhar de desprezo de Sua Santidade (em outro ângulo aqui) diante da paspalhice do boliviano cocaleiro é a mais eloquente declaração anticomunista que o Papa Francisco poderia dar. E, ao contrário do que acontece com entrevistas, diante de cara feia não dá pra tergiversar, pra distorcer, pra suscitar conflito interpretativo nem nada do tipo.

O semblante sisudo é inequívoco, universalmente compreensível, insofismável. O sorriso aguado posterior, protocolar, não elide a força do símbolo desta cara de desgosto. Aqui está a imagem que vale mais do que mil palavras. Aqui está o tratamento de asco e repulsa que o comunismo merece. Às claras, sem ruído, sem margem para má interpretação.

Outras duas boas razões pelas quais é importante compartilhar este acontecimento:

1. Porque, como muitos argutamente perceberam, sob uma determinada ótica a escultura é até apropriada: de fato, há mais de século a foice e o martelo vêm pregando Cristo na Cruz.

2. Porque ele permite que sejam divulgadas matérias como esta ou esta: «Al Papa no le gustó el regaló, le miró de forma severa y se dirigió a Morales diciendo: “No está bien eso”».

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

38 thoughts on “«No está bien eso»

  1. T.A.

    Do báculo modernista à cruz “foice e martelo” de Francisco. Em crescendo a heresia, em vez de se multiplicarem os defensores da boa doutrina, aparecem os apologistas de Judas Iscariotes, confiantes na misericórdia diabólica da nova religião.

  2. Jorge Ferraz (admin) Post author

    Sobre o crucifixo, o que disse Sua Santidade foi que era «arte de protesto que, em alguns casos, pode ser ofensivo». Em italiano:

    Primo punto, quindi, non sapevo; secondo, io lo qualifico come arte di protesta che in alcuni casi può essere offensiva.

    «Primeiro ponto, então, eu não sabia; segundo, eu o qualifico como arte de protesto que, em alguns casos, pode ser ofensiva

    Para o caso concreto, entretanto, Sua Santidade diz não se ter ofendido. Mas não se ofendeu por quê? Porque não há nada de errado com o crucifixo blasfemo? Não; o Papa disse não ter se ofendido por acreditar na boa fé quer do padre Espinal, quer do Evo Morales.

    Do Pe. Espinal, o Papa disse que «lottava in buona fede». Do Evo Morales, que ele entregou as condecorações «con tanta buona volontà». Ou seja, não tem nada a ver com as qualidades próprias dos objetos entregues, nem com sua função simbólica; ao contrário a aceitação deles foi feita em atenção à “boa vontade” dos seus autores.

    Mas é curioso que o Santo Padre tenha escolhido, de todas as expressões possíveis, especificamente o «buona volontà» para se referir ao Morales. Porque, na véspera, falando sobre ideologias, o Vigário de Cristo disparara este discurso (o grifo é meu):

    Um aspecto fundamental na promoção dos pobres é também o modo como os vemos. Não serve uma visão ideológica, que acaba por usar os pobres ao serviço de outros interesses políticos ou pessoais (EG 199). As ideologias terminam mal, não servem. As ideologias têm uma relação incompleta, enferma ou ruim com o povo. As ideologias não assumem o povo. Por isso, observem o século passado. Como terminaram as ideologias? Em ditaduras, sempre. Pensam pelo povo, não deixam o povo pensar. Como dizia um crítico sagaz da ideologia, quando disseram-no «Sim, mas esta gente tem boa vontade e quer fazer coisas pelo povo», contestou: «Sim, tudo pelo povo, mas nada com o povo». Estas são as ideologias.

    Estas são as ideologias…! Troque-se, no período acima, “povo” por “Igreja”, e veja-se como os problemas apontados pelo Papa não nos são próximos:

    – Sim, mas esta gente tem boa vontade e quer fazer coisas pela Igreja.
    – Sim, tudo pela Igreja, mas nada com a Igreja.

    Pois é. Essas são as ideologias…!

  3. Benjamin Bee

    Não importa qual poder crucifica Cristo, não importa qual ideologia, o fato é que Cristo ressuscita sempre que crucificado e governa por toda a eternidade.

    Esse crucifixo do Morales é um contra senso que não ofende a cristandade, antes ofende a própria ideologia comunista na medida em que esta crucifica o Amor. Eu nunca vi nada tão burro.

  4. Torre Queimada

    David,
    Você pergunta: “O que dirá agora que o “santo padre” afirmou que está levando o crucifixo blasfemo para casa?”. Basta ler o exercício de lógica do teólogo recifense…
    Você também pergunta: “Quando irão finalmente lutar contra a revolução chamada Vaticano II?”.
    Minha resposta é: nunca. Seria preciso uma conversão, pois eles professam uma outra religião, que é a religião do humanismo, da ONU, da Nova Ordem mundial, da maçonaria, da CNBdoB, agora também dos regimes sanguinários marxistas!! A religião que professam só tem de católico o nome! E por isso precisam fazer esses malabarismos lógico-semânticos e chegar mesmo à fisiognomonia (como fez o teólogo recifense). O próximo passo será o recurso à frenologia…
    Mas como bons apologetas de sua “religião”, eles defendem tudo isso e atacam os grandes “hereges”, que são os tradicionalistas.
    Agora, o “teólogo” está silogizando como negritos, na esperança de convencer os fiéis de sua “religião” de que está tudo bem no paraíso terrestre e pacifista em que eles vivem…

  5. David

    Na pobre lógica do autor desse blog os mártires aceitariam um ídolo pagão por causa da boa vontade dos que queriam levá-los a idolatria. Na mesma lógica o pecado de escândalo não significa nada de nada, apesar das advertências de Nosso Senhor. Triste. No entanto a boa vontade não explica ele levar o tal blasfemo crucifixo na mala.

    E sobre a careta insofismável (hahah), depois dela segue-se o sorriso cúmplice do papa comunista: postimg . org/image/wu87oxry1/

  6. Ygor

    Caro Jorge,

    Percebo que você tem imensa boa vontade para com o Papa Francisco. Mas pinçar partes das falas do Papa e deixar de comentar outras não convence, mesmo que os destaques sejam relevantes, pois no geral, a ambiguidade reina quando o Papa discursa de improviso. Eu continuo com centenas de interrogações sobre o Papa, e pelo visto elas prosseguirão em minha mente. Não me arrisco em apostar que o Papa é lobo em pele de cordeiro, nem em apostar que não é. Só Deus conhece o coração do homem. Por enquanto eu fico com a “função papa” que Francisco exerce, com a assistência divina, e ignoro o homem Bergóglio naquilo que se refere a questões humanas ou opiniões pessoais.

    Agora uma pergunta: já viu este link?

    http://blog.comshalom.org/carmadelio/46657-papa-francisco-pede-atencao-ao-contexto-e-hermeneutica-dos-seus-discursos-para-evitar-instrumentalizacao-das-suas-palavras

    Talvez Francisco não seja o que parece ser, ou o que a mídia faz ele parecer, não acha?…

  7. Jesus Pereira

    Sabendo-se que a linguagem tanto mais imprecisa mais facilmente é instrumentalizada – ou talvez se queira permitir a instrumentalização, ou se deve ter a precaução de precisá-la da forma mais contundente possível.

  8. Alexandre Magno

    Na pobre lógica do autor desse blog os mártires aceitariam um ídolo pagão por causa da boa vontade dos que queriam levá-los a idolatria.

    Muitos comunistas não sabem ou não fazem caso do comunismo ser contra Deus.