O que vimos e ouvimos, e com nossas mãos tocamos

closeAtenção, este artigo foi publicado 1 ano 5 meses 3 dias atrás.

Hoje é dia de Nossa Senhora das Graças, e há algo de particularmente interessante nesta devoção. A Medalha Milagrosa, que todos conhecemos, é fruto de uma aparição ocorrida em um sábado de 1830: na Rue de Bac, no centro de Paris, a uma noviça vicentina chamada Catarina Labouré.

A Medalha foi confeccionada com as específicas características exigidas pela vidente. Aliás, determinadas pela própria Virgem Maria: naquela tarde, Catarina viu Nossa Senhora de vestido branco, raios saindo de Suas mãos, estrelas ao Seu redor e, acima d’Ela, letras douradas formando a jaculatória “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós”. Foram necessários dois anos para que a religiosa conseguisse fazer cunhar o emblema tal qual o vira; inúmeros milagres se seguiram à sua distribuição. A difusão da Médaille Miraculeuse foi verdadeiramente prodigiosa, e as pequenas medalhas são hoje amplamente conhecidas no mundo inteiro.

A imagem esculpida nas medalhas é a própria aparição daquele 27 de novembro de 185 anos atrás; é como se ela se quisesse perpetuar e multiplicar, como se não fosse suficiente que o quadro celestial fosse contemplado apenas uma vez, somente por uma noviça religiosa. Como se fosse necessário prolongar, no espaço e no tempo, os acontecimentos sobrenaturais que tiveram lugar na Paris do séc. XIX. Olhar para a Medalha Milagrosa é, assim, uma maneira de enxergar através dos olhos de Sta. Catarina Labouré: na pequena imagem, nós vemos, exatamente, o que a Virgem Santíssima quis mostrar à santa e ao mundo.

Na capela parisiense há uma cadeira que também está relacionada com as aparições. Sentada nela Sta. Catarina encontrou certa madrugada a Virgem Santíssima; aos pés d’Ela ajoelhou-se a religiosa, falando-Lhe longamente. A cadeira ainda está lá e, de novo, parece nos querer dizer algo: parece querer remeter-nos à aparição não através da biografia crítica ou dos relatos piedosos, mas sim mediante um objeto material, concreto, palpável. A cadeira onde Sta. Catarina um dia conversou com a Mãe de Deus ainda existe e pode ser vista. Aqui, como na imagem gravada na Medalha, associamo-nos à experiência sensorial, física mesmo, da religiosa da Congregação das Filhas da Caridade.

No altar da capela, finalmente, há o corpo preservado da santa, de hábito, mãos postas, terço entre os dedos. E parece, assim, que tudo nessa aparição converge para este cuidado celeste de tudo preservar, a fim de que a história de Nossa Senhora das Graças, além de ouvida, possa também, de uma certa maneira, ser vista. Preservado está o lugar onde a Mãe de Deus apareceu, ornado ainda com os objetos da época, e o podemos visitar. Preservada também a vidente, no corpo incorrupto exposto à visitação dos turistas e peregrinos que passem pela capital da França. E preservada, por fim, encrustada na Medalha Milagrosa, a própria aparição, do exato jeito que Santa Catarina a viu naquele sábado de 1830.

Ora, o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo é isto: o Todo-Poderoso tornou-Se homem, o Deus Eterno ingressou na História, o Verbo fez-Se Carne e habitou entre nós. E os Apóstolos, primeiros propagadores desta Boa-Nova, diziam justamente que anunciavam o que tinham visto, ouvido e tocado com suas mãos (cf. 1Jo 1, 1-2) — e esta era a força do seu testemunho. A Santíssima Virgem é Aquela a quem se aplica por graça tudo o que, a respeito do Seu Filho, cabe por natureza; a história d’Ela está intrinsecamente associada à d’Ele. Convinha, assim, admiravelmente, que as coisas passadas na Rue de Bac chegassem até nós desta maneira: também da aparição de Nossa Senhora das Graças nós podemos dizer que a ouvimos contar na história da Igreja, que a vimos na antiga capela, na velha cadeira, no corpo incorrupto de Sta. Catarina, e que a tocamos com nossas mãos nas pequenas Medalhas que há quase dois séculos vêm distribuindo milagres pelo mundo.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

One thought on “O que vimos e ouvimos, e com nossas mãos tocamos

  1. Renato

    Um vídeo importantíssimo do Leonardo Bruno:

    As gafes da CNBB e da Teologia da Libertação