O Bom Pastor vai ao encontro da ovelha desgarrada

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 meses 26 dias atrás.

O site do Vaticano ostenta hoje, logo na sua página inicial, a viagem apostólica do Papa Francisco à Suécia — seguida pelo constrangedor subtítulo de «por ocasião da comemoração comum luterano-católica da reforma». Como o assunto dá margem para muitíssima confusão — com pessoas exultando por um lado porque a Igreja está “aceitando” o protestantismo e, pelo outro, rasgando as vestes porque o Papa é a Besta do Apocalipse –, convém pontuar alguns detalhes aos quais não se costuma dar a devida atenção.

logo-svezia500

Duas semanas atrás eu escrevi aqui sobre a peregrinação a Roma que o heresiarca Lutero, em efígie, foi constrangido pelos seus descendentes a fazer. Era Lutero se revirando no túmulo e os protestantes carregando a sua estátua para a apresentar ao Vigário de Cristo. Já então houve quem perguntasse, se fosse assim, como se deveria ler a anunciada viagem do Papa à Suécia que hoje se inicia. Ora, outra leitura não é possível fazer: é o Bom Pastor que, destemidamente, vai mesmo aos mais putrefatos charcos em busca da ovelha desgarrada, a fim de lhe colocar sobre ombros para a trazer de volta ao aprisco de Cristo — no interior do qual somente ela é capaz de encontrar segurança!

É claro que é incômodo ver falar-se de “comemoração” em se tratando de uma revolta luciferina que estraçalhou a Cristandade e precipitou milhões de almas no Inferno pelos últimos quinhentos anos. Dê-se, no entanto, um desconto ao bom-mocismo e à política de boa-vizinhança: é um tributo que mesmo os melhores pagam aos tempos que correm. Etimologicamente comemoração significa “lembrar junto” e pronto; não há que se falar n’alguma conotação laudatória intrínseca ao termo, como se o Papa estivesse louvando a heresia ou enaltecendo o heresiarca. Fui olhar a página da viagem apostólica em seus diversos idiomas; em inglês diz «commemoration», em espanhol, «conmemoración», em italiano «commemorazione». Ora, fala-se sem maiores celeumas em «commemorazioni del centenario» da Primeira Guerra Mundial (do início, em 2014, e não do fim) e em «commemoration of the Holocaust», e ninguém é louco de dizer que, por conta disso, o Holocausto ou a Primeira Guerra sejam coisas positivas. Por mais malsonante que o termo “comemoração” nos seja, portanto, o que interessa é o conteúdo do encontro e não o nome que se lhe dá. O mesmo, aliás, foi dito recentemente por um ex-protestante convertido à Igreja em 2014: a visita do Papa «comemora a reforma, não a celebra».

Os protestantes provavelmente consideram uma coisa boa a origem de sua religião; os católicos certamente não consideramos uma coisa positiva a ruptura eclesiástica. Católicos e protestantes, assim, podem até lembrar juntos o mesmo evento do 31 de outubro, mas o fazem sob óticas distintas: estes o lembram como um feito heroico a ser celebrado, enquanto os primeiros o veem como uma lembrança triste que se deve lutar por não repetir jamais. Toda declaração ecumênica tem um quê de fórmula de compromisso, passível de leituras diferentes por cada um dos lados — é óbvio. Não fosse assim, tratar-se-ia já de plena comunhão e não de caminho ecumênico.

O diálogo ecumênico travado a nível das grandes lideranças religiosas apresenta, assim, essa característica particular: por vezes dá mais ênfase ao consenso político que ao rigor doutrinário. Pode-se até discordar dessa abordagem, mas é equivocado conferir a esses documentos a mesma leitura que se dá aos cânones dos concílios dogmáticos: são dois discursos completamente diferentes a exigir hermenêuticas completamente distintas. Concretamente: diante — por exemplo — da declaração conjunta hoje proferida em Lund pode-se até dizer que silenciar os pontos de discordância entre a Fé e a heresia mais atrapalha que ajuda a causa da plena comunhão, mas não se pode ler na referência aos «dons espirituais e teológicos recebidos através da Reforma», por absurda que seja a frase, uma revogação tardia da Exsurge Domine.

E não se diga que tal é coisa exclusiva do atual pontificado! Bento XVI não foi para Erfurt dizer que o «pensamento de Lutero, a sua espiritualidade inteira era totalmente cristocêntrica»? A única diferença entre as duas atitudes é o estilo do velho pontífice alemão. De resto é a mesma coisa: são os usos contemporâneos, as regras de etiqueta socialmente aceitas nos tempos de hoje. É um equívoco imaginar que elas sejam mais do que fórmulas de tratamento e regras de educação — função fática que só serve para manter aberto o canal de comunicação adequado à sensibilidade contemporânea.

É grande a miséria espiritual dos pobres filhos da Reforma! Não é para os manter na indigência que o Papa Francisco lhes vai ao encontro. O que move o Vigário de Cristo não é a indiferença pela sorte eterna dos que morrem longe da Igreja de Cristo, mas a «esperança da reconciliação» entre os discípulos de Cristo e os sequazes de Lutero. Também pelos hereges morreu Nosso Senhor, também a eles se estende a mensagem salvífica do Evangelho. Não é possível bater o pó das sandálias de uma vez para sempre; a cada homem Cristo dirige o Seu chamado. Para que se converta, evidentemente, que não se trata (talvez não seja nunca demais repetir) de manter os hereges longe da Fé. Mas não se pode simplesmente presumir que todos os transviados do mundo tenham a exata dimensão do quanto estão perdidos.

Se o Papa se apresenta sujo de lama e coberto de espinhos, portanto, talvez não precisemos lançar-lhe em face o desleixo ou censurar-lhe pelas costas a displicência com a qual ele se entrega à causa do Evangelho. Talvez ele esteja fazendo o melhor que pode. Talvez esteja fazendo melhor do que qualquer um de nós faríamos. Talvez ele faça exatamente o que precisa ser feito. Não se passa uma vida inteira pregando em meio aos bárbaros sem lhes adquirir alguns hábitos que pareçam repulsivos a uma sensibilidade mais refinada. Ora, o mundo moderno é completamente insano; deveríamos nos surpreender tanto assim que, à força de ser obrigada a lhe falar dia e noite sobre Cristo, a Igreja historicamente encarnada adquira dele alguns cacoetes?

Talvez a voz cansada do Bispo de Roma não esteja à altura dos coros angélicos que desejaríamos ver anunciando o Evangelho. É possível. Mas Cristo nos mandou seguir o velho pescador e não as falanges angélicas. A submissão ao Romano Pontífice é absolutamente necessária à salvação de toda criatura humana, e a observância dessa regra básica não está condicionada a nenhuma qualidade particular daquele que esteja sentado no Trono de Pedro. Nem muitíssimo menos aos juízes particulares que somos tentados a fazer a respeito das qualidades daquele que porta na fronte a tríplice coroa do poder supremo.

Enfim, o Papa Francisco vai à Suécia. O Bom Pastor vai ao encontro das ovelhas desgarradas em meio aos pântanos pestilentos, do filho pródigo refestelando-se na lavagem dos porcos, dos bastardos de Lutero chafurdando na heresia. Os seus pés podem estar rasgados, suas vestes, enlameadas, sua voz rouca; mas são só os pés dele que conhecem o caminho da Salvação, é nas suas vestes apenas que estão estampadas as insígnias do Rei, é através da voz dele somente que Cristo nos fala e nós O temos que ouvir. 

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

9 thoughts on “O Bom Pastor vai ao encontro da ovelha desgarrada

  1. Renato

    Que desenho feio esse!
    Lembra até os desenhos horrorosos feitos pelos teólogos da libertação.

  2. zcla

    Esclareceu bastante a questão da “comemoração”, que eu não estava conseguindo entender.

    Porém, tem um trecho da declaração que ainda não consigo entender: “confessamos e lamentamos diante de Cristo que luteranos e católicos tenham ferido a unidade visível da Igreja”.

    Quando foi que os católicos feriram a unidade visível da Igreja?

  3. Carlos G T Santana

    Rapaz, que absurdo! Vendo a história antes do CV 2 percebemos o quanto atitudes como essa estão longe do verdadeiro ecumenismo. Comemorar, celebrar em conjunto com quem rejeita a fé católica é um erro. Ecumenismo não é isso. Jesus quando ia em busca da ovelha perdida, perdoava o pecado e convertia o pecador. É éassim que um padre, bispo, papa deve imitar

  4. Jorge Ferraz (admin) Post author

    Zcla, por exemplo, quando foram excomungados e arrastaram atrás de si milhares de almas para a perdição — como é o caso de Lutero… :)

    Como eu disse, é uma forma polida de manter aberto o canal comunicativo — é regra de etiqueta e não sentença doutrinária. Muito pior são os «dons espirituais e teológicos recebidos através da Reforma», que um protestante lê pensando no Sola Scriptura e, um católico, na Contra-Reforma.

  5. zcla

    É, Jorge… É uma explicação meio forçada, acho, mas não se pode dizer que seja mentira. Obrigado!

  6. frandyarc

    “E alguns membros da chamada “linha média” católica dizem, enquanto Francisco destrói o que resta dos escombros causados pelo Vaticano II e vai à Suécia comemorar os 500 anos da revolução luterana: “Francisco é o bom pastor que vai atrás das almas extraviadas”.
    É o cúmulo da cegueira voluntária: Francisco não vai à Suécia dizer às ovelhas desgarradas que elas estão extraviadas e que portanto devem voltar ao redil da Igreja. Ele vai comemorar esse extravio, e até põe no Vaticano uma estátua do heresiarca que fundou o mesmo extravio.” (…)
    A cegueira voluntária é altamente culpável e imoral – Carlos Nougué

  7. Pingback: Hoje a Igreja celebra os protestantes que estão no Céu | Deus lo Vult!

  8. wilsonramwilson ramiro

    ” O bom pastor vai ao encontro da ovelha desgarrada!!!”

    A ovelha “perdida” quer ser encontrada?
    A ovelha “perdida” reconhece o bom pastor?

    Reunir protestantes e católicos para comemorar o cisma na igreja católica é significativamente igual a reunir nazistas e judeus para comemorar o holocausto.

  9. João Fernando

    Alguns católicos são (e muito) culpados pela divisão na Igreja: eu, com os meus pecados, sou culpado por cada divisão e cada queda dos outros católicos e pelos que permanecem no erro. Cada padre que vivia na imoralidade na época é culpado pela reforma; cada monge que preferia posses e prazeres; cada um que vendia falsas relíquias e indulgências. O pecado de cada um ajuda a afundar toda a humanidade na corrupção, assim como a santidade mais oculta de cada um eleva toda a humanidade. É um erro pensar que a parte do clero que chafurdava no prazer e na idolatria, ao invés de levar a boa doutrina ao povo e ensinar-lhes a se santificar não tenha nenhuma culpa pela reforma.