Vendendo esperanças

Há quase um ano, escrevi aqui o seguinte sobre um menino de nove anos de idade, doente, e que, por ocasião do julgamento sobre as pesquisas com células-tronco embrionárias pelo STF, acompanhava tudo com bastante ansiedade: Ele tem nove anos, e já pergunta quando vão sair os remédios. Quem é que vai se preocupar em dizer ao menino, dia após dia, mês após mês, ano após ano, que ele espere a panacéia universal que vai ser descoberta “logo amanhã”? Ontem, no entanto, saiu na Folha de São Paulo uma reportagem…

Read more