Quanta coisa foi perdida…

“Primeiramente mando e encomendo a minha alma a Deus Nosso Senhor que a fez e remiu por seu precioso sangue”. Assim começavam os testamentos de antigamente, em uma época em que as pessoas tinham consciência de que a alma que se vai apresentar diante de Deus é mais importante do que os bens que ficam nesta terra. Alguém pode dizer que isso era a formalidade da época, e que os todos os testamentos tinham, por padrão, cláusulas similares a esta; bom, que seja. Se de fato for assim, não muda…

Read more