A perversão da infância

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 10 meses 27 dias atrás.

A Globo está retransmitindo, em Vale a Pena Ver de Novo, a novela “Mulheres Apaixonadas”. Descobri por acaso: passando por um ambiente onde havia uma televisão ligada, fui atraído pela música – da qual gosto – de Tom Jobim, “pela luz dos olhos teus”. O atrativo musical, no entanto, provocou-me estupor quando eu vi o que estava sendo exibido na televisão: uma jovem no seu quarto, em roupas íntimas, escolhendo um vestido. Olhei para o relógio: era perto das três horas da tarde.

Três horas da tarde, e uma senhorita de calcinha e soutien na televisão! A novela, quando foi exibida pela primeira vez (em 2003, segundo a wikipedia), só ia ao ar às nove horas da noite. Particularmente, considero que este tipo de censura de horário apresenta uma deficiência intrínseca, porque o que é imoral e contra os bons constumes não é para ser exibido em horário algum. No entanto, na atual conjuntura, é um mal menor que esse tipo de lixo fique restrito às horas mais avançadas da noite. Oras, pelo visto, nem esse cuidado nós temos mais, porque aquilo que era considerado inapropriado para a exibição “mais cedo” em 2003 é, hoje, exibido no meio da tarde, quando as crianças estão assistindo televisão!

Digam o que disserem, mas para mim é extremamente óbvio que a exposição de crianças a este tipo de estímulos inadequados à idade delas provoca efeitos extremamente deletérios. Um exemplo extremamente claro disso pode ser encontrado neste excremento que pretende ser uma publicação sobre educação (Cuidado! Conteúdo inadequado!), onde é citado um caso ocorrido em uma sala de aula. A menina – de oito anos – pergunta à professora: Professora, por que a minha [censurado] pisca quando vejo um homem e uma mulher se beijando na televisão?

Estes depravados que pervertem a inocência infantil deveriam ser presos, ao invés de ganharem destaque no cenário educacional com teorias estúpidas sobre “educação” para a sexualidade. O problema, no entanto, não se resume à pornografia nas escolas, porque a exposição da criança à depravação televisiva já desperta nela um interesse extemporâneo pela sua sexualidade, como nos mostra a citada reportagem da revista “Nova Escola”. Há outras coisas que apontam para a mesma dedução. Por exemplo, o fato de que a primeira menstruação das meninas vem cada vez mais cedo (embora esta reportagem negue o efeito do meio depravado ao qual são submetidas as crianças), o que é atestado inclusive pelo site do Governo Federal. Evidentemente, as meninas também fazem sexo cada vez mais cedo. E, sem dúvidas, a exibição de imoralidades como “Mulheres Apaixonadas” às três horas da tarde – esta novela, inclusive, é aquela que tem um casal de lésbicas – contribui para isso. Que os pais vigiem; a televisão não é mais inócua nem mesmo no meio da tarde.

Pobres de nós! Uma sociedade que defende a aberração anti-natural do homossexualismo (defendendo portanto também a descaracterização do ato sexual, que perde completa e intrinsecamente a sua finalidade procriativa), que promove o controle de natalidade, que legitima o aborto (assassinato de crianças indefesas) e que expõe seus futuros cidadãos à perversão desde a mais tenra infância, evidentemente não pode esperar para si senão um futuro sombrio. Um futuro que ninguém em sã consciência quer para os seus filhos. Que Deus tenha misericórdia de nós todos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

18 thoughts on “A perversão da infância

  1. Wagner Moura

    Essa novela é uma em que tem duas jovens lésbicas que no final da trama dão um beijo na boca travestidas de Romeu e Julieta.

  2. sandra nunes

    Caro Jorge, aqui em casa, quando não concordamos com a programação exibida usamos o mais eficiente meio de “censura”
    o “controle remoto”
    Essa é a forma que todos os cidadãos têm para aprovar ou não uma programação, tendo em vista que vivem da audiência!
    Não ficamos estupefatos, e não nos levantamos aos brados.
    Simplesmente mudamos de canal.

    bjs

  3. Jorge Ferraz

    Caríssima Sandra,

    De facto, o controle remoto torna-se fundamental na atual conjuntura. O que é lamentável é termos a obrigação de deixarmos os “censores” perto do televisor…

    Abraços,
    em Cristo,
    Jorge Ferraz

  4. sandra nunes

    Querido Jorge,

    mas funciona, e muito!

    MUDANDO DE ASSUNTO…

    você é doador de órgãos?

    Gostaria muito q aderisse à campanha de doação, ( DOAR É VIDA )

    Por favor, faça uma pesquisa isenta e se achar que vai de acordo com suas convicções pessoais divulgue a Campanha.

    Pense assim, você ou qualquer um dos seus ente queridos, podem fazer parte dessa fila que mata.

    bjs no coração!

  5. sandra nunes

    Sabe Jorge, exceto os Testemunhas de Jeová, vc pergunta às pessoas se elas aceitariam, em caso de doença, se submeter à um transplante.
    A resposta sempre é : com certeza, é claro, aceito.
    Então você pergunta a ela: Você é doador?
    A resposta em 90% é: NÃO, não penso nisso, nunca me preocupei com esse assunto.
    Todos são receptores, mas poucos são doadores.
    Só que para receber um órgão tem que haver doador e a balança é terrivelmente desfavorável aos receptores.
    O normal é morrer na fila do transplante.
    Lutamos para conscientizar a população da importância de ser um doador.
    Aqui em casa somos doadores de sangue, de medula óssea e em caso de morte cerebral de órgão,tecidos e ossos.
    Tenho certeza que um Cristão como você, pensará com carinho, e será um futuro doador de sangue, de medula óssea e em caso extremo de vida a outras 8 ou 9 pessoas que sofrem nas filas de transplantes.
    bjs no coração

  6. Pingback: Pedro Cardoso e a pornografia na televisão brasileira « Deus lo vult!

  7. jener

    Que triste… é tão patético: a novela da 8 vem com um aviso de que não é lícito para pessoas de tal idade…. e a mema novela depois passa para o “vale a pena ver de novo” como “livre”….claro…. que país medíocre.

  8. Julie Maria

    Excelente post. Me impressiona sua capacidade de falar claro sobre temas tão complexos. Obrigada!

    Deus lhe pague!

    PAX

    JM

  9. cleomar

    Sandra Nunes de novo – ou sempre – estragando seu blog com sua tacanha cabeça. 1- “Basta o controle remoto… expressão típica de quem não consegue saber que a grande maioria que recebe sinal de tv aberta é pobre e inculta, nem percebe o mal que está na sua sala afetando seus filhos que não tem R$ pra esporte, etc… 2- “não levantamos aos brados…” próprio de egoístas incapazes de melhorar o mundo… 3-“simplesmente mudamos de canal…” ou seja, assistem tv aberta. e junto com os filhos, não tem como não verem uma cena ou mensagem imprópria! Que pena.

  10. sandra nunes

    cleomar

    que preconceito com os pobres.

    Meus pais não tiveram estudo e exerciam sim a CENSURA da televisão.

    Eles cuidaram de mim e do meu filho mais velho, para eu estudar e trabalhar.

    Eles ficavam atentos no que ele assistia na TV.

    POBREZA NÃO É SINÔNIMO DE BURRICE E IGNORÂNCIA.

    Os pais omissos, não estão na classe pobre, e sim na classe média, onde o filho tem televisão e computador no seu quarto, sem qualquer supervisão.

    A OBRIGAÇÃO DE CUIDAR DO FILHO É DOS PAIS, não venha querer delegar para a mídia.

    Sempre achei que a XUXA com seu consumimos, mais perniciosa para as crianças que muitos programas cujo o público alvo não era a criança.

  11. sandra nunes

    cleomar

    A TV cultura, aqui em São Paulo, SEMPRE teve uma ótima programação infantil.

    (mundo da lua, ra-tim-bum, castelo ra-tim-bum, passa e repassa, desenhos animados para faixas etárias específicas)

    Eu criei DOIS filhos, sem tv a cabo.

  12. Pingback: “Sexo seguro” salva? Não! Só a verdade salva. « Julie Maria

  13. Pingback: “Sexo seguro” salva? Não! Só a verdade salva. «

  14. Pingback: “Simples” propaganda ou abuso de crianças? « Julie Maria

  15. Pingback: Ser feminina: vocação de toda mulher. « Julie Maria

  16. Pingback: Novelas: oficinas do demônio « Julie Maria

  17. Pingback: Deus lo Vult! » Governo impõe pornografia infantil