As coisas que não mudam [2006]

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 5 meses 26 dias atrás.

[Publicação original: 01 de fevereiro de 2006]

As coisas que não mudam

“Porque eu sou o Senhor e não mudo”. (Ml 3,6a)

É fato facilmente verificável por qualquer um – embora, muitas vezes, possa passar despercebido por muitos – que o mundo moderno idolatra o “Progresso”. Essa idéia de que a História caminha numa “evolução”, sempre para um estado cada vez melhor; essa idéia de que as coisas estão em contínuo melhoramento; essa idéia de que mudanças são sempre necessárias, pois as coisas que não mudam levam o mundo à estagnação e à morte; essa idéia de que as coisas precisam ser constantemente “atualizadas”, porque as coisas “antigas” estão sempre “ultrapassadas” e “não servem mais”; enfim, essas idéias todas conseguem penetrar nas pessoas quase que por osmose, quase que pela força, num bombardeio diuturno feito pelos mais diversos meios. E o homem moderno, sufocado que está por todas essas idéias que lhe são atiradas por todos os lados, muitas vezes é condicionado a tomá-las para si, sem nem perceber que o está fazendo. É condicionado a “pensar” assim, sem nem se perguntar por que o faz.

E essas idéias todas são inimigas da Religião. Existem coisas que não mudam, e essas coisas são exatamente o que há de importante neste mundo, o que o homem deve conseguir, aquilo de que o homem precisa. Deus não muda. E, quando um católico adota – às vezes sem o perceber – essas idéias das quais estamos falando, ele se coloca numa posição difícil e estranha.

Deus não muda. E existe, dentro do homem, uma sede de Deus: nos conhecidos dizeres de Santo Agostinho, Deus criou-nos para Ele, e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousa n’Ele. Deus é o fim último do homem, é aquilo que ele deseja com todas as suas forças, é aquilo a que ele deve aspirar. Mas Deus não muda. E o que acontece quando o homem, que deveria aspirar às coisas que não mudam, é ensinado a pensar que as coisas precisam sempre mudar, e está absolutamente convencido (sim, essa contradição é possível e empiricamente verificável) disso?

Acontece que o homem perde o rumo. Desvia-se da sua meta, às vezes por não a reconhecer como tal (os que rejeitam manifestamente a Religião), às vezes por “inventar” outros caminhos – novos caminhos – para chegar até ela (uma estranha espécie de católico).

Cito um exemplo para ilustrar esse segundo caso. Durante séculos, o homem foi ensinado a passar das coisas sensíveis às realidades invisíveis, a subir do visível ao inefável. Esse é, aliás, um dos objetivos da Liturgia: conduzir, por meio dos sentidos, o homem às realidades superiores, que escapam à percepção humana. Deus não muda, mas os homens, na sua realidade temporal, mudam. Cumpre “contradizer”, de alguma forma, isso que os homens percebem ao investigar o mundo.

Há uma música bonita de Suely Façanha que expressa bem isso:

A cada passo descobrir
Que o tempo esconde o que é Eterno.
E que tu és o sentido,

Ó meu Senhor,
De tudo!

Essa frase – o tempo esconde o que é Eterno – resume o que estou dizendo. O homem aspira ao Eterno, mas o tempo O esconde. O que é preciso fazer? Evidenciar, de alguma forma, esse Eterno. Chamar a atenção para as coisas que não mudam.

E chamar a atenção para as coisas que não mudam é exatamente um dos propósitos da Liturgia, em particular da Santa Missa. Essa deve exprimir, de maneira tão perfeita quanto possível, a Realidade que o homem precisa conhecer, a Realidade Imutável.

Só se pode amar aquilo que se conhece. Como os homens podem amar as coisas que não mudam, se são doutrinados a pensar que todas as coisas precisam mudar? Como os homens podem conhecer o que é Eterno, se este se esconde por trás do Tempo, e se as coisas que deveriam conduzir o espírito ao Eterno estão, também, impregnadas desse pensamento de que “tudo precisa mudar”?

Como o homem pode aprender a amar as coisas que não mudam, se ele é ensinado a odiá-las? Na Santa Missa, expressão máxima da Fé Cristã, que devia – insisto – conduzir a alma humana à contemplação do Imutável, o que aprendem os católicos? Que as missas são “monótonas” se forem sempre iguais. Que é necessário, num dia, dar uma bênção às carteiras de trabalho; n’outro, vestir-se de vermelho; n’outro, vestir-se de verde-e-amarelo e subir ao Altar cantando o Hino Nacional; n’outro, levar garrafas d’água para serem abençoadas e aspergir a casa; n’outro, abençoar as chaves de casa, do carro, et cetera, et cetera, et cetera. Num dia é necessário cantar tais e tais músicas, n’outro dia essas músicas estão ultrapassadas e é necessário cantar tais e tais outras, no outro dia ninguém agüenta mais essas músicas e o padre deveria deixar que cantássemos os últimos sucessos dos Ministérios de Música que existem! Como os católicos podem ser levados a amar as coisas que não mudam, se são condicionados, no mundo e – lamentavelmente – nas igrejas a idolatrarem o Progresso?

Deus não muda – como diz a epígrafe desse texto. E somos levados a esquecer essa verdade. Até quando…? Hoje em dia, especialmente, é difícil manter os olhos fitos no Eterno, porque mudam as coisas que deveriam nos levar a amar o que não muda. Que Maria Santíssima, inimiga de todas as heresias, possa nos livrar desse erro tão pernicioso e tão disseminado ao nosso redor, nesses tempos de Trevas. E que a Luz não tarde a resplandecer.

“Minha alma está muito perturbada; vós, porém, Senhor, até quando?…”(Sl 6,4)

A paz e as bênçãos de Deus.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

6 thoughts on “As coisas que não mudam [2006]

  1. wagnermoura

    Muito legal! Ouvir Suely costuma fazer bem… Ainda há pouco descobri que essa frase “o tempo esconde o que é Eterno” é bíblica. Bonito.

  2. Julie Maria

    “Como o homem pode aprender a amar as coisas que não mudam, se ele é ensinado a odiá-las?”

    Perfeita frase, belo post!

    JM

  3. Pingback: Virtude da Modéstia « Moda e Modéstia

  4. Pingback: Deus lo Vult! » A “missa pré-balada” – RELOADED

  5. Pingback: E o número de fiéis católicos continua caindo... o que fazer? | Deus lo Vult!