Imposição gayzista nas escolas

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 4 meses 23 dias atrás.

Recebi por email do Julio Severo “o artigo ‘Diversidade sexual na sala de aula’, publicada na revista Presença Pedagógica” (v. 15, n. 85, jan./fev. 2009). Ele pode ser baixado aqui.

Trata o artigo, em resumo, sobre a sexualidade de crianças e adolescentes nas escolas públicas e, em particular, sobre o Projeto Educação sem Homofobia, um curso “com carga horária de 80 horas – 60 horas presenciais e 20 vivenciais” (dado o tema do curso, tenho até medo de imaginar o que isso signifique…), do qual participaram “240 professores e professoras” de abril a dezembro do ano passado. O curso serve para ensinar aos professores a “analisarem a própria escola e detectarem tanto a diversidade sexual ali presente (mas que não aparece e deve ser reconhecida) quanto situações de homofobia e sexismo, que devem ser combatidas”. Detalhe importante: “o projeto é financiado pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educadação (Secad/MEC)”. Como “homofobia” é uma palavra inexistente e inventada pelo Movimento Gay para designar qualquer coisa que ele queira combater e destruir (e, de modo particularíssimo, é bem sabido que isto inclui o Cristianismo e a Igreja Católica), o que nós estamos vendo é o Governo financiar, com o dinheiro dos impostos dos cidadãos em sua maioria cristãos, o combate ao próprio cristianismo.

Acham que exagero? São palavras do coordenador-executivo do Educação sem Homofobia, Marco Antonio Torres: “[a] comunidade escolar ainda não consegue ser totalmente laica, trabalhar suas questões internas isenta dos valores pessoais de alguns grupos religiosos. Enquanto a escola não conseguir trabalhar os ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, sua missão em relação à diversidade sexual estará seriamente comprometida”. Considerando que os pais são obrigados a colocar os filhos nas escolas e, nelas, ensinam-se essas porcarias, estamos diante de uma verdadeira imposição estatal de valores anti-cristãos.

E o assunto não é novidade, pois “[a] discussão sobre sexualidade aparece nos Parâmetros Curriculares Nacionais, os PCNs, desde 1997, nos Temas Transversais. O documento sugere que a ‘Orientação Sexual na escola deve ser entendida como um processo de intervenção pedagógica que tem como objetivo transmitir informações e problematizar questões relacionadas à sexualidade, incluindo posturas, crenças, tabus e valores a ela associados'”. Leiam o que está escrito: escola precisa intervir pedagogicamente nas crenças dos alunos que não sejam compatíveis com o gay-way-of-life! Se isso não for uma declaração de guerra à educação católica e uma tentativa de se destruir os valores morais cristãos, é o quê?

Ainda acham que eu exagero? Vejam este livreto disponível em um site da UFRJ, indicado pelo mesmo artigo da revista! A página 18 carrega justamente o título de “Religião e Escola Pública”. Lá, é dito que “os valores religiosos (…) falam sobre valores que muitas vezes se pretendem universais” (a recursividade é por conta do autor do livreto). E também que “cada povo, cada grupo, cada ser humano, tem uma percepção e um entendimento diferente sobre a religião”. Como não poderia faltar, a calúnia histórica: “[n]ações indígenas tiveram sua cultura destruída em nome de uma salvação religiosa, cientistas foram perseguidos e mortos, mulheres queimadas em fogueiras, se fizeram e ainda se fazem centenas de guerras em nome da fé”. Após a primeira dose de relativismo e a segunda de calúnia, a sentença absoluta e intransigente: “a escola pública é laica e (…), portanto, não pode impor nenhuma religião, nem como crença, nem como prática, aos seus alunos”. Entenderam? Nem como prática. Ou seja, a moralidade vai para as cucuias. E o Estado, mais uma vez, impõe o estilo gay de se viver aos alunos.

Na verdade, a lógica do Governo Brasileiro é a seguinte: religião não pode ser “imposta”, mas o gayzismo não só pode como deve. E a religião não tem direito de falar, pois “o estado é laico” e, caso ela falasse, seria “homofobia”. A perseguição aos valores cristãos é manifesta. As coisas estão cada vez piores. Que Deus tenha misericórdia de nós todos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

22 thoughts on “Imposição gayzista nas escolas

  1. Silva

    O que vale hoje em dia é só ofender os católicos

    ‘Chef da TV’ servirá salmão e cordeiro a líderes do G20

    Jamie Oliver vai preparar jantar na residência do premiê britânico.
    Refeição não terá carne suína para não ofender muçulmanos.

    http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL1067864-9356,00-CHEF+DA+TV+SERVIRA+SALMAO+E+CORDEIRO+A+LIDERES+DO+G.html

  2. Alexandre Magno

    “O documento sugere que a ‘Orientação Sexual na escola deve ser entendida como um processo de intervenção pedagógica que tem como objetivo transmitir informações e problematizar questões relacionadas à sexualidade, incluindo posturas, crenças, tabus e valores a ela associados’. Leiam o que está escrito: escola precisa intervir pedagogicamente nas crenças dos alunos que não sejam compatíveis com o gay-way-of-life! Se isso não for uma declaração de guerra à educação católica e uma tentativa de se destruir os valores morais cristãos, é o quê?”

    Fico sem entender porque as pessoas não percebem, sejam elas crentes ou não-crentes, que “o homem acredita” – tem crenças – seja em verdade seja em mentiras.

    Os que conhecem uma verdade (elemento da Verdade, que um conjunto) acreditam nela. Só que pessoas ingênuas lutam “contra qualquer tipo de crença”. Elas não percebem que fazem isso porque “acreditam” que devem fazer isso.

    Eu acredito que não existe homem que não seja “dogmático”, mas tem aqueles que não se dão conta disso.

  3. Julie Maria

    Jorge, no projeto de prevenção nas escolas deste governo tem um “guia de formação” (leia-se deformação) que diz isso aí e muito mais.

    Estamos sim financiando a ditadura gaysista e a ida para o exterior do Julio Severo não me dá muita esperança… o que será de nós.. calar eu não vou!

    Que decadência. Vi um vídeo hoje no site do Julio sobre esta ditadura que é de se assustar a baixaria que eles chegam.

    Amanhã tento colocar o video no blog…

    PAX

    JM

  4. Frederico Moreira

    Caro Jorge,

    Será que o Brasil não vai acordar?
    O pior é que as perspectivas não são nada animadoras, haja vista a credibilidade que esse governo tem.
    Pobre país.

  5. Luiz Henrique

    Ensinar religião e defender seus valores não pode porque o Estado é laico.

    Ensinar gayzismo e defender seus “valores” pode.

    Pergunto: o Estado é gay?

    “Mas os gays são uma minoria que merecem serem ouvidos”.

    E os católicos que, hoje, também são minoria; esses não merecem serem ouvidos?

    Por que os católicos são proibidos de defender seus valores e os gays não? Qual o critério?

    Só não enxerga a gravidade da situação quem não quer…

    []’s

    Luiz Henrique
    http://www.fides.blogspot.com

  6. Julie Maria

    Jorge, o site com o ~guia de deformação” sobre a prevenção, que da nojo de ler de tão baixo e vulgar e mentiroso está aqui

    http://www.aids.gov.br/data/Pages/LUMIS10347757PTBRIE.htm

    do lado direito é o primeiro.

    Vale a pena divulgar.

    O que acontece é que este programa deixa “liberdade” para as escolas decidirem como “aplicar” o que está ali, e por isso foi possível entrar na sala o “kit pornográfico” onde aquele pai entrou na Justiç, etc.

    Isso contradiz a Constituição e o ECA (apesar de não ser lá estas coisas) ali está dito que devem preservar os valores e as crenças.

    Ora, se está dito que se deve preservar, como explica a total aniquilação dos valores cristãos nas escolas?

    Olha, a coisa tá brava mesmo.

    Que São Miguel nos ajude.

    PAX

    JM

  7. Alexandre Magno

    Julie Maria: “Jorge, o site com o ‘guia de deformação’ sobre a prevenção, que da nojo de ler de tão baixo e vulgar e mentiroso está aqui (…)”

    O links mais diretos:

    http://www.aids.gov.br/data/Pages/LUMISD7A746EAPTBRIE.htm
    http://www.aids.gov.br/data/Pages/LUMIS5F9787FCPTBRIE.htm

    Julie, que essas “orientações” são mentirosas eu concordo. Mas talvez eu não tenha visto o que você chamou de “vulgar” e que lhe deu nojo. Poderia ser mais específica. Porque, por exemplo, apesar de eu não concordar com “a proposta”, como você, tenho a primeira página referenciada por mim – aquela “Como usar camisinha masculina” – como um manual técnico. A proposta é vulgar, mas a “página de manual”, não.

    Julie Maria: “(…) e por isso foi possível entrar na sala o “kit pornográfico” onde aquele pai entrou na Justiça, etc”

    Que kit é esse?

  8. Lucas

    Então quer dizer que se um aluno chamar outro de viado o professor não deve tomar nenhuma atitude?
    E a palavra homobobia não existe?
    A propósito, a palavra gayzista existe ou é uma palavra criada pera agredir um grupo expecífico?

  9. Carlos

    Senhor Luiz Henrique,

    Suas palavras dão o que pensar:

    “Ensinar religião e defender seus valores não pode porque o Estado é laico.
    Ensinar gayzismo e defender seus “valores” pode.
    Pergunto: o Estado é gay?”

    Acho que o senhor tem razão. De Estado católico, o Brasil virou Estado laico. Agora, parece que está virando Estado gay!

    Libera nos Domine!

    Carlos.

  10. Demerval Jr.

    É…

    Acho que o (des)Governo quer que a gente acredite que o Estado é gayco…

    Será que nossa fé é tãããão grande assim?

  11. Danilo Badaró

    Pessoal, vamos ficar só resmungando aqui, no Orkut, em casa, etc? Gostaria de saber se conhecem alguma ong ou coisa parecida que defenda os católicos, assim como existe a Liga Anti-difamação Judaica. Será que existe alguma Liga Anti-Difamação Católica? Conheço e colaboro com o site Observatório da Perseguição. Mas sinto que falta de nós um pouco mais de organização para fazermos com que os direitos civis dos católicos sejam respeitados. Concordam?

  12. HTaiji

    Mãe Santissima :O e eu que tão ingenuamente pensava que o ideal Cristão era “amai todas as criaturas deste mundo como vos amais a vos proprios pois esses são os vossos irmãos e irmãs”
    afinal parece que me esqueci de ler a clausula de excepção aos gays… alguem me pode dizer em que parte da Biblia isso está???
    e se vão dizer coisas sobre o Antigo Testamento pensem 10 vezes antes de o fazer… a Igreja defende que nos devemos guiar pela palavra de Jesus, o intermediario de Deus na terra, os seja, o Novo Testamento, e se repararem, nem Jesus abandonou os “pagãos” daquele tempo, aqueles que tinham crenças diferentes, portanto vocês a fazer coisas destas é que estão a ir contra o ideal Cristão…
    e a frase Biblica que vocês querem me jogar a cara quando acabarem de ler isto (homem não se deve deitar com varão pois é abominação) está um pouco distorcida, por isso, e para evitar que se enganem aqui vai a tradução do original Hebraico:
    “Não te deitarás na cama de uma mulher com um homem.” (do original: V’et zachar lo tishkav mishk’vey eeshah toeyvah hee.)
    ou seja, não te deves deitar com um homem se mantens uma relação com uma mulher… naquele tempo (Antigo Testamento) ter mais de uma mulher (ou amante) era normal… o que não era correcto era andar a trair a mulher com um homem… se gostava de mulheres, arranjava mulher, se gostava era de homens, arranjasse um homem… ao fim e ao cabo esta frase é apenas “decide-te se queres ficar com um homem, ou se preferes mulheres” so isto, nada de pecados ou fogos infernais ou algo do genero.
    e para evitar a historia de Sodoma e Gomorra ser usada como argumento… Sodoma e Gomorra foram destruidas por causa da devassidão total da cidade: prostituição, comercio, folia, entre outras coisas… certo que os homossexuais dessa cidade tambem exageravam um pouco, mas não foi so por causa deles que a cidade foi destruida, porque se fosse so por causa dos homossexuais, que razão teria a mulher de Lot para ficar indecisa? a pura mulher de Lot foi transformada em sal porque não se queria separar das suas riquezas e luxos!
    enfim, linha final, os homossexuais não estão atacando o Cristianismo… estamos nos defendendo dele… eu sou Cristão Católico, e também sou gay assumido… mas não vou ficar a ver a religião a ser corrompida e a se transformar de uma religião de Amor Para Todos para uma de “Ama-te e os Outros que se Lixem!”
    e tenho dito!!!

    Com os meus votos de uma prospera vida:
    um Cristão Homossexual

  13. Jorge Ferraz

    Senhor “Cristão Homossexual”,

    É exatamente porque Deus mandou que amássemos a todos – e, não, não há “cláusula de exclusão” para os homossexuais nesta ordenança – que nós temos a obrigação de dizer que os atos homossexuais são intrinsecamente maus e não podem, de maneira alguma, ser aceitados.

    “Amar”, meu prezado, não significa passar a mão na cabeça e achar que está tudo muito lindo e muito certo. Amar significa principalmente querer o bem para a pessoa amada; e, se somos chamados a amar – e sem dúvidas o somos – os homossexuais, devemos querer-lhes o bem, e o bem é que não se entreguem às suas más inclinações mas, ao contrário, façam violência contra si próprios para fazer a vontade de Deus.

    Ninguém disse que seria fácil. Ninguém nunca disse que seria cômodo. Mas a religião cristã é precisamente a religião de um Deus Crucificado. Quem espera encontrar apenas comodidade, prazer, tranqüilidade ou coisa que o valha deveria seguir Baco, Eros ou Afrodite. Os que querem seguir Jesus Cristo devem estar dispostos a encontrar cruzes. Nosso Senhor nunca iludiu ninguém quanto a isso. Ao contrário, deixou bem claro que, quem O quisesse seguir, deveria renunciar a si próprio e tomar a sua cruz para segui-lO.

    A Igreja está disposta a fazer de tudo para ajudar as pessoas homossexuais a realizarem a vontade de Deus nas suas vidas: não duvide disso. A Igreja oferece a Sã Doutrina, oferece o consolo dos sacramentos, oferece as Suas orações, a amizade dos anjos e dos santos, a – fundamental! – intercessão maternal de Maria Santíssima, Virgem Castíssima, oferece tudo. O que Ela não pode fazer é chamar o bom de mau, e o mau de bom, e admitir como “normais” os atos homossexuais. Isso não pode ser feito.

    Abraços, em Cristo,
    Jorge Ferraz

  14. carlos

    Caros,
    Só nos faltava essa. Um gayzinho metido a exegeta! E tentando fundamentar o seu vício diabólico na própria
    Bíblia! Um verdadeiro teologay!
    Cruz credo!

  15. Sandy Sportello

    Meu Deus do céu, onde voces estão vivendo? Numa selva? Onde está a sua educação Sr. Carlos?
    Senti muita arrogância e pouco amor para com seu próximo!
    Aliás vejo muita arrogância e muito pouco amor na maioria aqui. Ja estamos cansados de ver, reliogiosos arrogantes e insanos por aqui! Aprendam a conversar e a respeitar as diferenças, conversem com delicadeza, sejam sutis, pois desta maneira nao vao ajudar a nossa igreja!
    Desconjuro!
    Feliz Natal e prospero ano novo!

  16. Carlos

    Caro Sandy Sportello,
    Não considero que um militante gay seja meu próximo. Considero-o um adversário. Posso rezar por ele para que se converta, mas tratá-lo com amor, respeito à diferença, delicadeza e sutileza, isso não!
    Trato-os com dureza, falando claramente e chamando as coisas pelo seu nome.
    A propósito, você não foi nem um pouco sutil para comigo, perguntando-me se vivo numa selva e onde está minha educação e dizendo que sou arrogante, insano e que não tenho amor ao próximo.
    Parece que sua sutileza ficou reservada só para os gays.
    Mas de minha parte já está perdoado
    Um abraço e um Santo Natal.
    Carlos.