CNBB – Comunicado à Imprensa

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 10 meses 20 dias atrás.

[De novo, antes tarde do que nunca e, de novo, é melhor do que nada.

A propósito, não recebi resposta à carta enviada a Dom Dimas.

Fonte: CNBB.]

Comunicado à imprensa

em 01/10/2009 13:22:07

A Assessoria de Imprensa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) esclarece que, contrariamente ao que foi veiculado pela imprensa nesta quarta-feira, dia 30 de setembro, a CNBB não emitiu nenhuma nota em apoio à indicação de qualquer candidato ao cargo de Ministro do Supremo Tribunal Federal.

Esclarece, ainda, que a opinião do Secretário Geral da CNBB, Dom Dimas Lara Barbosa, divulgada pela imprensa, foi dada em uma entrevista, concedida após a indicação do Dr. Antônio Toffoli já ter sido oficialmente anunciada. Na ocasião, Dom Dimas expressava os votos de que o novo Ministro pudesse desempenhar suas funções segundo os valores éticos e cristãos, e que pudesse, assim, colaborar para que a justiça se cumpra sempre mais em nosso país. A resposta, portanto, deve ser lida neste contexto.

A CNBB reafirma seu respeito à autonomia das instituições democráticas do país e às autoridades constituídas, confiando que sempre se regerão pelos princípios da justiça, da ética e da verdade.

Brasília, 1º de outubro de 2009

Pe. Geraldo Martins Dias

Assessor de Imprensa da CNBB

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

15 thoughts on “CNBB – Comunicado à Imprensa

  1. William Murat

    É… A CNBB não emitiu nenhuma nota favorável. E nem contra… Preferiu nada dizer e deixar um abortista, fantasiado de “católico”, bem ao estilo petista, ser indicado, sabatinado e aprovado pelo Senado.

    E quando D. Dimas resolveu falar o que falou em entrevista, Toffoli ainda nem fora aprovado pelo Senado. Ou seja, era ministro coisa nenhuma. Cabia muito mais que a CNBB e D. Dimas o peitasse e o pusesse na parede frente à opinião pública: ou abortista ou católico.

    Muito bem, CNBB! Omite-se quando deveria falar, fala quando deveria ao menos não atrapalhar. E tudo isto recheado de bastante confusão.

    Ah, sim… E uma notinha à imprensa agora resolve tudo, né? Corram atrás agora para ver como Toffoli votará sobre o aborto de anencéfalos ou mesmo a liberação do aborto em geral.

    É brincadeira! Tanta assessoria de imprensa para que? Apenas para lançar estas notinhas pífias depois da confusão?

    Aliás, Pe. Geraldo Martins, que assina a nota, é o mesmo que pulou com mil pedras nas mãos, para defender D. Casaldáliga contra o Prof. Felipe Aquino, quando o professor muito acertadamente contestou um artigo horroroso do bispo — “A verdade, Pilatos, é…”.

    Realmente, esperar que daí venha algo contestador ao PT e ao governo é querer demais mesmo. E os não-nascidos querem apenas viver. Devem estar querendo muito.

    []’s

  2. Lisardo

    “confiando que sempre se regerão pelos princípios da justiça, da ética e da verdade.”

    TRADUZINDO: A CNBB confia cegamente no PT!

    Meu comentário:
    1- Quando os pastores confiam cegamente nos lobos é sinal de que as ovelhas estão ferradas!

    2- Quando Pedro não destitui estes mesmos pastores de seus cargos é sinal de que Pedro já deu o que tinha que dar!

    Apocalipse now!

  3. Expedito de Melo

    Nota da CNBB = politica da pior qualidade, politicalha = política + canalhice.

  4. Dionisio Lisbôa

    Jorge

    Ficarei surpreso se V. S.ª não moderar meu post, mas, lá vai!

    A máscara da CNBB já caiu faz tempo, ela é regida por um bispado modernista afinado com o PT e com as “católicas pelo direito de decidir”… Só não vê quem não quer!

    E quando eu critico a colegialidade do Concílio Vaticano II, sempre surgem os defensores incontestáveis, para quem este concílio meramente pastoral é um SUPERDOGMA!

    É difícil…

    PAX

  5. Jorge Ferraz Post author

    Dionísio,

    Realmente, caríssimo, é difícil… o modernismo infiltrado na Igreja, a má-formação do clero, a irreverência litúrgica, os ataques da mídia ao Papa, a depravação moral da sociedade, o aborto e a eutanásia, as católicas pelo direito de decidir e a “Nós Somos a Igreja”, o episcopado austríaco, a Teologia da Libertação, o CIMI e o CNBB, o Katrina, o atentado ao World Trade Center, o aquecimento global, a crise financeira mundial, a gripe aviária e a suína, a eliminação precoce do glorioso Sport da Libertadores da América, TUDO é por culpa do Vaticano II.

    Há os que acham o Vaticano II um superdogma, e estão errados. Mas há também – e em demasia! – aqueles para os quais o Concílio é uma SUPER-HERESIA, mais do que isso até, é uma espécie de hipóstase herética sacramental, a união indissociável entre a anti-ortodoxia e o texto escrito e que, ex opere operato, realiza eficazmente aquilo que significa e provoca todas as desgraças dos últimos quarenta anos!

    É difícil, caríssimo! Mas vamos continuar rezando e lutando, e lutando e rezando, ad Gloriam Dei. Semper.

    Abraços,
    Jorge

  6. Rodrigo

    Jorge,
    “a eliminação precoce do glorioso Sport da Libertadores da América”
    Acrescentaria o possível rebaixamento à segunda divisão rs…
    Quanto a questão do Concílio Vaticano II, quem coloca todas as culpas nele é porque pensa de forma simplista demais, coincidentemente eu mesmo estava refletindo sobre isso agora há pouco e vejo que há exageros de alguns tradicionalistas nesse ponto. Eu disse alguns, porque outros tem consciência de que o problema vai muito além do Concílio Vaticano II e talvez o Concílio nem tenha tanto peso assim.
    Quando as pessoas estão a fim de defender algum tipo de maldade, seja um pecado, seja uma heresia, elas estão dispostas a distorcer qualquer coisa, o pseudo-frei Beto citou até São Tomás de Aquino para defender o aborto.

    []’s

  7. Marcelo

    É triste ter um bispo que não sabe se comunicar com o rebanho. Ou ele é petista: não disse o que disse, ou vice-versa. Só faltou dizer que ele não sabia de nada.
    Sds.,
    de Marcelo.

  8. Magna

    Ao R.B.Canônico

    Não querer ver que esta nota ainda piorou a situação da CNBB, justificando o absurdo que declarou Dom Dimas, é ingenuidade demais!

    Observe a afirmação “Dom Dimas expressava os votos de que o novo Ministro pudesse desempenhar suas funções segundo os valores éticos e cristãos, e que pudesse, assim, colaborar para que a justiça se cumpra sempre mais em nosso país. ”

    Que “valores éticos e cristãos” tem Toffoli, que é um pró-aborto, pró-gay, militante petista e ainda se diz católico?

    Como bem disse o Expedito de Melo:

    “Nota da CNBB = politica da pior qualidade, politicalha = política + canalhice.”

  9. Bruno

    Caros.
    De fato, a nota de explicação da CNBB é melhor que nada.
    No entanto, ela não resolve o problema.
    Primeiro porque os valores morais que o Dr Toffoli declaradamente expressa são toalmente contrário à Lei Natural e, portanto, ao Magistério da Igreja.
    Em segundo lugar, justificar o efusivo apoio ao Dr. Toffoli, porque ele já havia sido indicado, não me parece razoavel.
    Ele apenas havia sido indicado, os Senadores poderiam vetar o seu ingresso no STF.
    Sem dúvida a nota de apoio ao Dr Toffoli pode ter contribuido para que alguns senadores não se opusessem ao seu nome.
    Se a CNBB tivesse se manifestado em outro sentido, quem sabe o a indicação do Dr Toffoli seria derrubada no Senado.

  10. Everth Queiroz Oliveira

    Resumindo: a CNBB manteve a mesma posição de sempre: calar-se diante da verdade. Dessa vez ainda foi pior porque D. Dimas acabou dizendo o que não dizia.

    Notas melhoram a situação, mas não resolvem o problema… O que adianta?

  11. Pingback: CNBB é inocente (reloaded!) « O Possível e O Extraordinário

  12. mara

    E se o bispo for do PT? A maioria deles é. E se eles aprovam o gayzismo? (não vou falar em estatísticas neste caso). Os que são cem por cento corretos são um mínimo. Nos EUA o comprometimento da igreja é de 90 a 98 por cento. Aqui, ainda estamos bem, o comprometimento da igreja com coisas erradas ainda não chega a 50 por cento. Parabens por vcs existirem e insistirem.