“Rainha da Guerra”

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 11 meses 11 dias atrás.

[Comentava hoje, com uns amigos, sobre esta poesia da sra. Ivone Fedeli, que eu já conhecia há alguns anos e que sempre achei belíssima.

Rainha da Guerra! É um título audaz para ser dado à Virgem Santíssima, que – salvo grande engano – não existe na tradição católica. Há a “Auxilium Christianorum” de Lepanto, há Nossa Senhora da Vitória, e há a Virgem “terribilis ut castrorum acies ordinata”. Não há a “Rainha da Guerra”. Mas o título não deixa de ser bonito.

Que a Virgem Santíssima nos auxilie sempre. Ajude-nos em nossas batalhas. Inflame-nos sempre de um santo zelo pelas coisas sagradas. Faça-nos cruzados, como Deus quer e o mundo precisa.

Fonte: Legado Montfort]

RONDÓ DA GUERRA

Minha Mãe, não me deis paz,
Não me deis paz nesta terra.
Neste mundo que vos faz
Constante e terrível guerra,
Dai-me a guerra e não a paz.

Dai-me sempre o gesto audaz
E a palavra que aterra
Pela verdade que traz.
Dai-me coragem na guerra
E não me deis jamais paz.

A mentira que compraz
E que desculpa quem erra,
O golpe que volta atrás
E que teme entrar na guerra,
Não me deis nunca tal paz.

Nem o repouso fugaz
Que todo recuo encerra
Essa mansidão falaz
Não me deis, mas dai-me a guerra,
Porque me mata essa paz.

Oh Vós, Rainha da Guerra,
Que só na liça dais paz
A paz que não é da terra –
Não me deis morte na paz,
Mas dai-me a vida na guerra.

E Vós, Príncipe da Paz,
Que viestes trazer a guerra
Que toda verdade traz,
Dai-me a vitória na guerra
E, na luta, a vossa paz.

São Paulo, (não sei a data).
Maria Ivone Pereira de Miranda Fedeli

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

67 thoughts on ““Rainha da Guerra”

  1. Alexandre Magno

    Lúcio, você publica seus artigos em algum lugar específico?

  2. Lúcio Clayton

    Alexandre,não tenho lugar específico não.

    apenas escrevo e mando por e-mail para amigos ou um site ou outro.

    só isso.

  3. Fran

    Lendo o brilhante texto do Lúcio, lembrei de algo que pensei hoje: passando numa rua de minha cidade observei no outdoor a frase “Faça o curso ‘x’ para você ‘subir’ na vida”, daí parafraseando logo pensei: pôxa, pois o que mais desejo é “subir na morte” (ou após a morte)…

    Nosso maior desejo deve ser sempre ir para o Céu…

  4. Maria das Mercedes

    Teresa,

    Fique no seu “samba do crioulo doido” e seja feliz. Interprete tudo ao seu modo. Trate a Santa Igreja como um supermercado, à sua disposição, onde você acolhe aquilo que está de acordo com “sua livre interpretação da Tradição” e rejeite o que vai contra. Continue transformando tudo em uma salada. Não é diferente mesmo do que todos costumam fazer, é por isso que as pessoas andam tão confusas nos tempos hodiernos.

    Esse povo é uma comédia.

    É isso. :-)

  5. Alexandre Magno

    Mas eu penso que a receita não é tão simples como “agora morrermos para tudo aqui na terra para então, depois, vivermos no Céu”. Pois assim aumenta o risco de acabarmos por abordar o porteiro com algo do tipo “comprei a minha senha, agora deixe-me entrar”. Hummm… as coisas não funcionam assim!