“Questão de saúde pública”

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 10 meses 29 dias atrás.

“Uma parte da população não tem acesso a este serviço [ao aborto]”.

-Dilma Roussef

A frase foi dita em uma entrevista à ISTOÉ (via pe. Lodi). Vejam o que esta senhora acha do aborto: “O aborto é uma agressão… ao corpo… né? Além de ser uma agressão, dói… né? Além de doer, imagino que a pessoa saia de lá muito baqueada”.

Notem as preocupações da sra. Rousseff! O aborto é uma agressão ao corpo [da mulher]. Sobre a agressão à criança, nem uma palavra. O aborto dói. Sobre que o aborto mata a criança, nada. O aborto faz com que a pessoa saia de lá baqueada. Sobre a criança que fica lá, morta, e tem por destino o lixo hospitalar, nem a mais remota alusão.

Uma pessoa que seja capaz de dizer tais barbaridades obviamente não tem condições morais de governar nem a própria vida – quanto mais o Brasil. Para que não digam que eu estou mentindo ou inventando, eis o vídeo onde a Dilma Rousseff diz exatamente isso (e muito mais) sobre o aborto:

Uma pergunta simples: se trechos deste vídeo fossem divulgados na televisão, durante o horário político, qual a porcentagem das intenções de voto que vocês acham que esta senhora teria? É possível, então, falar em “soberania popular” na escolha do presidente, quando há uma tão cretina e explícita ocultação de informações importantes?

E a grande farsa segue a passos largos. Dia 03 de outubro se aproxima. Que Nossa Senhora Aparecida livre o Brasil do flagelo do comunismo.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

12 thoughts on ““Questão de saúde pública”

  1. Sérgio

    Pô Jorge, vc tem o direito de não votar na Dilma.
    Mas mude os argumentos por favor, pois esse negócio de aborto já cansou.
    A vida não é só aborto, meu Deus. Reduzir a disputa a uma questão moral é muito desmoralizante.

    Eu também quero ver o Serra lá no alto, mas prefiro argumentar e combater os argumentos dela. E creio que a Igreja está indo no mesmo caminho torto que diversos membros da TL tiveram nos anos 80 e 90 ao forçar a barra e exigir que votassemos no PT. Vergonha a vista.

  2. Jorge Ferraz Post author

    Sérgio, o que está em questão não é o meu “direito” de não votar na Dilma, e sim o meu dever de esclarecer as pessoas sobre a ocultação sistemática das posições da sra. Rousseff nestes tempos de propaganda eleitoral.

    E eu sei que a vida não é só aborto. Mas a questão do aborto é a mais importante, sem a qual não podemos discutir mais nada, porque não temos garantido nem mesmo os direitos mais basilares.

    Outrossim, não creio que a Igreja esteja fazendo nada nem parecido com “exigir” que se vote em quem quer que seja.

    Abraços,
    Jorge

  3. Karina

    Como já dizia Madre Teresa, se uma mulher pode matar o próprio filho, o que nos impede de fazermos mal uns aos outros???

    A questão do aborto é, sim, prioridade. O direito à vida é fundamental. Não pode ser tratado como “segundo plano”, até porque quem quer colocá-lo numa discussão de segundo plano é porque está muiiiito interessado em que se torne uma prática “comum”.

  4. Leandro

    Jorge

    Eu concordo com o Sérgio.

    Vamos começar a falar da proibição do uso de imagens em repartições públicas, da regularização do casamento gay, da ideologia marxista, participação em grupos terroristas, o namoro com as decisões ditatoriais, corrupção, … O PNDH3 tem material farto para discutirmos.

  5. Alex A.B.

    Para quem queria um assunto diferente, veja isto:

    “Após a inauguração de um comité em Minas, Dilma é entrevistada por um jornalista local, conforme abaixo:

    – Repórter: – ” Como a senhora vê o crescimento da sua candidatura nas pesquisas?

    – Dilma: “O povo brasileiro sabe escolher, é a continuidade do governo Lula, e após as eleições nós vamos dessarmar o palanque e estender os braços aos nossos adversários, o candidato Serra está convidado a participar do meu governo, porque nesta eleição nem mesmo Cristo querendo, me tira essa vitória, as pesquisas comprovam o que eu estou dizendo, vou ganhar no primeiro turno.”

    Poucos minutos após a entrevista dada ao repórter, suas palavras já tinham caido na internet, twitter….. A cadidata do PT disse ter sido mal interpretada e que a frase não havia sido bem essa.”

    http://www.cantodapaz.com.br/blog/2010/09/20/dilma-jesus-cristo/

  6. Alex A.B.

    Caro Jorge, muito obrigado pelo esclarecimento! Você poderia comentar o que me disse aqui no seu blog?!

    O que você me disse sobre essa notícia ser um hoax (uma invenção?) faz todo o sentido. Lamento imensamente que haja gente que faça esse tipo de coisa!

  7. Jorge Ferraz Post author

    Alex,

    É como falei. A notícia não tem fonte. Embora não seja de todo impossível, carece de embasamento.

    Há muitos motivos sérios e incontestáveis para não votar na Dilma; não há razão para argumentar sobre coisas dúbias.

    Abraços,
    Jorge

  8. Alex A.B.

    Vejam este artigo do site Rainha Maria:

    Uma análise profética sobre a moral nos tempos atuais por Padre Gerald Kelly, já na década de 1940
    Com isso termina o argumento de razão. Ele confirma o que vimos ser a doutrina da Igreja e da Revelação Divina. Mostra-nos a Lei Natural, que obriga a todos em qualquer circunstância. Provê ao mínimo necessário para o bem-estar do gênero humano, e não admite exceções nem condescende com “casos extremos”. Sempre que os homens foram tão tolos que acreditaram (ou julgaram acreditar) que certas exceções são possíveis, o resultado foi o caos moral. Vemos isto hoje com o divórcio; começou o movimento com “casos extremos”. Vemo-lo na eliminação artificial da concepção: esta também como uma súplica a favor de “casos extremos”. E, em outro setor, no assassínio de inocentes.
    Primeiramente os advogados da “compaixão” pediam um aborto ocasional “para salvar a vida da mãe”, agora querem-no para salvar-lhe a reputação, para livrá-la de trabalhos, e mesmo para satisfazer-lhe caprichos. Eles já querem matar os doentes para “livrá-los do sofrimentos”, mais tarde, com muita probabilidade (como já se estava fazendo em alguns países ao se escrever este livro), quererão matar os velhos e doentes para impedir que eles sejam “um peso para o Estado”. Agora esterilizam os “inaptos”, mas já se ouve falar vagamente de uma campanha para incluir esses inocentes na categoria dos que deveriam ser eliminados “por compaixão”.
    Uma vez que os seres humanos procuram uma exceção à lei da natureza, começam a descer por um precipício que termina geralmente com a ruína moral. Não podemos sustentar a dignidade de um matrimônio casto sem defender ao mesmo tempo a necessidade absoluta e a elevada dignidade da castidade fora do matrimônio.
    Gerald Kelly, Juventude, moral e sexo; capítulo nono, conclusão, Editora AGIR (s/d).

    OU SEJA, UM PADRE JESUÍTA NORTE-AMERICANO JÁ NA DÉCADA DE 1940 CONSEGUIA PREVER O QUE ESTÁ EM CURSO NOS NOSSOS DIAS, ATRAVÉS DE CONCLUSÕES LÓGICAS EM QUESTÕES DE MORAL.

    O ARTIGO TODO ESTÁ EM

    http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/9404/Uma-analise-profetica-sobre-a-moral-nos-tempos-atuais-por-Padre-Gerald-Kelly-ja-na-decada-de-1940

  9. Karina

    1940… pra você ver como podemos facilmente esperar, daqui um tempo, a liberação do infanticídio, da pedofilia…

    Aliás, no México a primeira já ganhou adeptos, e a segunda tem um movimento organizado nos EUA e Europa (os BoyLovers).

    No Brasil, o PNDH-3 não vê problema no infanticídio indígena nem nas práticas de magia negra, pois são questões culturais.

    E viva o “pogresço”!

  10. Alex A.B.

    Por falar em jesuítas, já que citei o Pe. Gerald Kelly, os jesuítas foram os maiores responsáveis pelo progresso da ciência no século XVIII e não os iluministas ou racionalistas.

    Esse é um exemplo que o Olavo de Carvalho deu em seu artigo “Maquiadores do crime”:

    “A técnica foi experimentada pela primeira vez no século XVIII. Foi tão pesada a carga de invencionices, chacotas, lendas urbanas e arremedos de pesquisa histórico-filológica que se jogou sobre a Igreja Católica, que os padres e teólogos acabaram achando que não valia a pena defender uma instituição venerável contra alegações tão baixas e maliciosas. Resultado: perderam a briga. O contraste entre a virulência, a baixeza, a ubiqüidade da propaganda anticatólica e a míngua, a timidez dos discursos de defesa ou contra-ataque, marcou a imagem da época, até hoje, com a fisionomia triunfante dos iluministas e revolucionários. Pior ainda: recobriu-os com a aura de uma superioridade intelectual que, no fim das contas, não possuíam de maneira alguma. A Igreja continuou ensinando, curando as almas, amparando os pobres, socorrendo os doentes, produzindo santos e mártires, mas foi como se nada disso tivesse acontecido. Para vocês fazerem uma idéia do poder entorpecente da “espiral do silêncio”, basta notar que, durante aquele período, uma só organização católica, a Companhia de Jesus, fez mais contribuições à ciência do que todos os seus detratores materialistas somados, mas foram estes que entraram para a História – e lá estão até hoje – como paladinos da razão científica em luta contra o obscurantismo. (Se esta minha afirmação lhe parece estranha e – como se diz no Brasil – “polêmica”, é porque você continua acreditando em professores semi-analfabetos e jornalistas semi-alfabetizados. Em vez disso, deveria tirar a dúvida lendo John W. O’Malley, org., The Jesuits: Cultures, Sciences, and The Arts, 1540-1773, 2 vols., University of Toronto Press, 1999, e Mordecai Feingold, org., Jesuit Science and the Republic of Letters, MIT Press, 2003).”

    http://www.olavodecarvalho.org/semana/100920dc.html

  11. Alex A.B.

    Vejam que ato heróico e belíssimo!

    Marido sacrifica sua vida para salvar sua esposa grávida

    Brian Wood e sua esposa Erin
    WASHINGTON DC, 23 Set. 10 / 03:58 pm (ACI).- Brian Wood se converteu em um herói para seus amigos e familiares. Em uma valente manobra automobilística que causou a sua morte, ele salvou a sua esposa Erin e seu filho não-nascido do mesmo final.

    Brian tinha 33 anos de idade e trabalhava como desenvolvedor de vídeo-jogos. Em 3 de setembro ele se dirigia com sua esposa –que dará à luz em novembro ao seu primeiro filho- e dois amigos ao seu lar em Washington State, quando uma caminhonete conduzida por um sujeito sob o efeito das drogas, invadiu a pista no sentido contrário da auto-estrada e se dirigiu diretamente a eles.

    Ante a iminente colisão frontal, Brian freou com uma manobra que permitiu girar seu automóvel para receber o impacto do seu próprio lado. Ele morreu no ato. Sua esposa só recebeu um golpe no olho e a criança não sofreu dano algum. Segundo a polícia, com esta manobra usou seu corpo como escudo para sua esposa e o bebê.

    Erin declarou ao programa Today Show da NBC que Brian atuou a tempo para salvá-los. “Se ocorria o choque frontal, os dois teríamos morrido imediatamente, junto com nosso bebê. Definitivamente Brian nos salvou. Ele fez essa escolha, e estou agradecida por isso”, afirmou

    Erin destacou que o sacrifício de seu marido –com quem estava casada há cinco anos- não foi uma surpresa. “Ele estava muito emocionado pelo bebê, sempre me tratou com amor e me colocava em primeiro lugar”.

    Seu último ato de amor, “quebra o meu coração, e também me enche de gratidão”, indicou.

    Nestes momentos de dor, afirma, “só estou buscando tirar muitas forças por saber que ele tomou a opção de me salvar e salvar o bebê. Não posso desperdiçar este presente. Só estou buscando em me concentrar no que tenho que fazer e de cumprir meu trabalho como mãe”.

    Apesar da tragédia, Erin aguarda “a alegria que vamos ter quando este bebê nasça”.

    “Ele era um homem maravilhoso. Estava muito emocionado por ser pai e fez o único que pôde para salvar o bebê. Estava disposto a sacrificar-se para nos salvar. Essa é a verdadeira medida de um marido e um pai. Ele amava a vida e estava muito agradecido por ela”, acrescentou Erin.

    http://www.acidigital.com/noticia.php?id=20156

  12. Pingback: Deus lo Vult! » Dilma Rousseff, além de abortista, é mentirosa