Madre Joanna Angélica de Jesus, Mártir da Fé

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 4 meses 26 dias atrás.

Esta é uma das histórias que eu ouvi em Salvador. Madre Joana Angélica, morta ao tentar impedir que soldados profanassem o Convento da Lapa. Até o momento, considerada heroína da Independência; mas é também, e principalmente, mártir da Fé.

“Só passareis por cima do meu cadáver!”, disse aos soldados que tentavam invadir o convento, abrindo os braços e colocando-se defronte à porta. Foi então violentamente atacada a golpes de baioneta. Conforme nos contaram no convento, ainda conseguiu arrastar-se até a Capela e morreu diante do Santíssimo. As irmãs que estavam no convento conseguiram fugir pelos fundos. Soror Angélica de Jesus entregara a própria vida, mas protegera as suas religiosas. E todo mártir da Fé merece a honra dos altares.

As fotos abaixo foram tiradas por mim mesmo, quando visitei o Convento da Lapa. As reportagens transcritas a seguir foram publicadas no “Jornal do Clube Excelsior”, ano 13, nº 140, edição de fevereiro de 2011, às páginas 6 e 7. O jornal foi-me gentilmente cedido pela secretaria do convento, a quem agradeço.

* * *

* * *

JOANA ANGÉLICA, HEROÍNA OU MÁRTIR?

Por Zélia Vianna

De modo geral, os títulos de herói e de mártir são aplicados de maneira indiscriminada como se o significado fosse o mesmo. A palavra herói vem do latim “heros” e aponta para uma pessoa de coragem e determinação, dotada de ideais e sentimentos nobres como fraternidade, solidariedade e justiça. Para os gregos, que cultivavam os feitos épicos de seus heróis, como Ulisses e Aquiles, por exemplo, o herói era um semideus, isto é, alguém que ocupava uma posição entre o humano e o divino. A palavra martírio vem do grego e significa “testemunha”.

O Dicionário Aurélio estabelece uma diferença entre as duas palavras. Herói é o “homem extraordinário por seus feitos guerreiros, seu valor e sua magnanimidade”, e mártir é a pessoa que “sofreu tormentos, torturas ou a morte por sustentar a fé cristã”. Logo, embora haja valores coincidentes, não pode[m] ser enquadrado numa mesma definição aquele que, movido por ideais sociais, políticos e patrióticos, morre defendendo a autonomia e a liberdade de um segmento da população ou de seu país, e aquele que morre porque não aceita abrir mão de suas convicções religiosas.

Herói é o protagonista de um episódio dramático, alguém que, quando movido por um ideal, é capaz de transcender a sua condição humana e atingir um alto grau de coragem, força de vontade e determinação. Mártir é alguém que, através de palavras e ações, testemunha com sua vida aquilo que é e aquilo em que crê. Para a fé cristã, mártir é alguém que prefere morrer a renunciar à sua fé, que entrega a própria vida em defesa da verdade [em] que acredita e que deseja preservar.

Segundo os teólogos, três são as condições para que haja martírio:

[1.] Que se sofra verdadeiramente a morte corporal – Logo, aqueles que sofreram tormentos por amor a Deus e foram perseguidos por causa do Evangelho, mas não até à morte, não são considerados mártires no sentido exato da palavra [estes, são chamados confessores – J.F.].

[2.] Que a morte seja infligida por ódio à verdade cristã – A Igreja considera que houve martírio quando a morte tem como causa a profissão de fé no Deus de Jesus Cristo. Não é necessário, porém, que o perseguidor expresse o seu ódio. Basta que este seja seu verdadeiro motivo, mesmo que ele declare um outro, como fez Nero que, para matar os cristãos, acusou-os de haver incendiado a cidade de Roma. Para a Igreja, martírio não é apenas a morte em conseqüência da explícita profissão de Fé, mas também a morte advinda da prática dessas virtudes. Como exemplo lembramos São João Nepomuceno, que teve os ossos desconjuntados e os membros dilacerados por não ceder às pressões de Venceslau, rei da Boêmia, que queria obrigá-lo a contar o que a rainha lhe dizia em confissão, e São João Fisher, que foi decapitado por ordem do rei da Inglaterra.

[3.] Que a morte seja aceita voluntariamente – A Igreja só considera martírio a morte em que a entrega voluntária da própria vida supera a vontade e o gesto de conservá-la.

À luz dessas reflexões, uma pergunta paira no ar: Joana Angélica é uma heroína da Pátria ou uma mártir da fé?

Sóror Joana Angélica era uma freira da Congregação das Irmãs Concepcionistas. Em 1822, quando o brigadeiro Luís Madeira de Melo veio para Salvador comandar a Província, ela era abadessa do Convento da Lapa. A vinda do brigadeiro português revoltou os soldados brasileiros e a cidade virou um campo de batalha. Certo dia, soldados e marinheiros portugueses, embriagados de álcool e de ódio, a título de perseguir supostos revoltosos, invadiram o Convento da Lapa. A fim de preservar a integridade das monjas, Sóror Joana Angélica ordenou que elas fugissem pelo quintal. Os soldados enfurecidos derrubaram o portão de ferro e Joana Angélica colocou-se entre eles e o segundo portão que dá acesso à clausura onde o Santíssimo Sacramento está exposto. Na tentativa de impedir com seu corpo a entrada dos soldados, ela abriu os braços e exclamou: “Para trás, bandidos. Respeitem a casa de Deus. Recuai, só penetrareis nesta Casa por sobre o meu cadáver”. Foi então assassinada com golpes de baioneta e, ao pé do altar, esvaiu-se em sangue. Era o dia 20 de fevereiro de 1822.

Trinta anos separam as datas da morte de duas conhecidas figuras brasileiras: Tiradentes e Joana Angélica. Reverenciar Tiradentes como um herói da Pátria é motivo de orgulho e dever de todos os brasileiros. Mas, será que negar a Joana Angélica o título de mártir não é diminuir a grandeza da sua profissão de fé no Deus de Jesus Cristo?

* * *

INAUGURAÇÃO DO MAUSOLÉU DE JOANA ANGÉLICA:
UM ACONTECIMENTO DE FÉ

No próximo dia 18 de fevereiro [18 de fevereiro p.p. – J.F.], às 18h, na Igreja da Lapa, será inaugurado o mausoléu onde estão depositados os restos mortais de Madre Joana Angélica de Jesus e suas irmãs da Ordem da Imaculada Conceição, sepultadas no Convento da Lapa entre 1744 e 1912. O ato será marcado por uma celebração Eucarística presidida por Dom Geraldo Majella Agnelo, seguida da bênção do mausoléu, com transmissão ao vivo pela Rádio Excelsior da Bahia.

A construção do mausoléu foi motivada pelo desejo expresso em vida ao Padre Aderbal Galvão pela Irmã Terezinha do Menino Jesus, Abadessa do Mosteiro da Lapa no período de 1972 a 2000 (alternado), com a finalidade de resgatar a verdade histórica sobre a morte de Joana Angélica e honrar a sua memória como mártir da fé.

Os fatos históricos comprovam que nenhum brasileiro envolvido nas lutas de resistência pela consolidação da Independência do Brasil encontrava-se no interior do Convento da Lapa, fato alegado pelas tropas portuguesas para justificar a invasão ao Convento no dia 20 de fevereiro de 1822.

Foi, portanto, não em defesa de patriotas brasileiros, mas em defesa das monjas a ela confiadas e do Santíssimo Sacramento exposto na Clausura, ou seja, em nome da fé cristã, que Joana Angélica abriu os braços e tentou impedir com o próprio corpo a entrada na Clausura de soldados portugueses. Com o martírio, seu sangue juntou-se ao de muitos brasileiros que, em diversos locais do território baiano, entregaram suas vidas pela liberdade da nossa terra

Por uma questão de justiça, Joana Angélica merece não somente o título de heroína que lhe é dado pela sociedade civil, mas também de mártir da fé, por entregar a própria vida em defesa da doutrina e dos valores cristãos.

O projeto do mausoléu, previamente aprovado por Dom Geraldo Majella e pela Abadessa do Mosteiro da Lapa, Madre Lindinalva de Maria, é da autoria do artista plástico Márcio Azevedo e foi construído na parte central do segundo salão da nave da Igreja da Lapa. Era nesse local, conhecido no passado como “coro de baixo”, onde eram sepultadas as monjas falecidas no Convento. No início do século XX os restos mortais das monjas foram removidos para a câmara existente sob a escada de acesso ao Coro, de onde foram recentemente trasladados para o mausoléu.

Toda Família Excelsior Vida está convidada para a solenidade. Venha, divulgue, traga seus amigos para este acontecimento de nossa fé.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

8 thoughts on “Madre Joanna Angélica de Jesus, Mártir da Fé

  1. Dionisio Lisbôa

    Infelizmente, quando se folheam os livros de História, as pessoas se esquecem que a Independência do Brasil foi conquistada graças ao sangue de patriotas, e também de mártires… mártires da FÉ, como Soror Joanna Angélica, que impediu que soldados portugueses brutalizassem as irmãs que estavam aos seus cuidados…

    Muitos não se recordam que para o Grito do Ipiranga ter surtido efeito, muito sangue teve que ser derramado em terras baianas… mas ao alvorecer do dia 02 de Julho de 1823 o Senhor do Bonfim e Nossa Senhora da Conceição nos livraram em definitivo das tropas portuguesas que tinham se aquartelado há tempos nesta Cidade de São Salvador da Bahia…

    Ainda antes disto, quase dois séculos antes, em maio de 1625, os hereges holandeses eram varridos da Antiga Capital da Colônia, após uma permanência de quase um ano, de onde seriam repelidos em definitivo após sua última tentativa de invasão, em 1638. Nassau não logrou êxito em terras baianas…

    Agora, relembrando o sacrifício cruento de Soror Joanna Angélica em salvar a pureza daqueles que estavam sob sua guarda (durante as lutas travadas contra os portugueses entre 1822 e 1823?), passa pela minha cabeça se exemplos como estes poderiam ser encontrados em nossos tempos…

  2. Sandra Regina Inácio Marson

    Aos 08 de Setembro de 2.010 nasceu Joanna Anjélica Inácio Marson. Assim chamada em homenagem à Sóror Joanna de Angelis, Mártir e Heroína da História da Bahia e do Brasil. Fruto do Amor de José Hamilton Inácio Marson e Sandra Regina Inácio Marson haverá de continuar a contar aos seus o magnífico significado de seu honrado nome. Amém!
    Sandra Regina e José Hamilton

  3. admin Post author

    Amém! Que a homónima a faça santa, e culmine de graças a família! :)

  4. JM

    Na verdade. As palavras de Sorór Angélica foi, literalmente: Para trás. Antes de conseguirdes os vossos pérfidos desígnios passareis por sobre o meu cadáver.

  5. Mauricio Vasconcelos Vasconcelos

    Louvado sejas meu Deus! Neste dia em que se comemora Santa Clara, encontro em meus estudos Madre Joana Angélica! Na historia de Santa Clara,ela,enfrenta os sarracenos que iriam invadir o convento apenas portando um ostensório e,milagrosamente os poe a correr.
    Madre Joana Angélica portando o ostensório do próprio coração,é martirizada,porém salva suas irmãs do martírio, glorificando a Deus com sua alma heroína e com seu sangue, purificando a luta de independência do Brasil.

  6. Janailde

    Eu particularmente. acredito, que por uma vontade superior. só agora foi permitido, o traslado dos restos mortais, para dentro do próprio convento, e o mausoléu.Porque era lá que eles deveriam ficar mesmo. Como normalmente acontece com as enclausuradas. E particularmente Madre Joana Angélica já é uma santa. O que me questiono é. Será que Seria a vontade da Madre ir para os altares? ser canonizada e beatificada? será que alguém a frente dessas revelações da vida da Madre já parou. E com um franco dialogo com Deus perguntou? É esse o caminho senhor? Dai-me discernimento para o que seja a tua vontade. A santidade, e a fé da Madre isso é inquestionável. Já sabemos. Mas a vida de clausura que ela levava, a ordem a qual pertencia em termo de obediência ao que se vive dentro da ordem a qual ela fazia parte. Vive essa realidade, e vontade dos altares?