“How can I join you?” [Chesterton – O Homem que foi Quinta-Feira]

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 4 meses atrás.

[Faz muito tempo que eu li este “O homem que foi Quinta-Feira” de Chesterton; tanto tempo que eu nem me lembrava mais da qualidade de alguns dos diálogos do livro, como estes que vêm transcritos e representados abaixo.

Talvez os inimigos da Igreja nunca tenham entendido o porquê d’Ela ser intransigente nos princípios mas tolerante na prática. Contudo, esta é racionalmente a melhor atitude que pode ser tomada: a única que consegue salvaguardar, simultaneamente, o presente e o futuro. A única que consegue, simultaneamente, mover as pessoas em busca da virtude e conservá-las vivas a despeito dos seus vícios. A transigência nos princípios fecharia os horizontes à possibilidade de melhoras, enquanto que a intransigência nos atos levaria ao extermínio dos que ainda têm algo a melhorar. A Igreja, ao contrário, é sábia a ponto de saber que é preciso crer e amar. Por isso a Igreja tem em Si este dinamismo civilizador; por isso o Cristianismo foi capaz de construir o mundo em que vivemos: por saber que é preciso, ao mesmo tempo, conservar radicalmente o mundo que existe e apresentar com intransigência um ideal de mundo.]

Nós acreditamos em uma conspiração puramente intelectual, que logo ameaçaria a própria existência da civilização: que o mundo científico e o mundo artístico estão marcando secretamente uma cruzada contra a Família e o Estado. Nós formamos uma corporação especial de policiais, policiais que também são filósofos. É nossa função investigar as origens desta conspiração.

Os ladrões respeitam a propriedade. Só que desejam que a propriedade seja deles, para que eles a possam respeitar muito mais. Mas os filósofos detestam a propriedade como propriedade; eles desejam destruir a própria idéia de propriedade privada. Os bígamos respeitam o casamento, ou eles não iriam tolerar plenamente a árdua formalidade cerimonial da bigamia. Mas os filósofos desprezam o casamento como casamento. Assassinos respeitam a vida humana; eles só querem obter uma maior perfeição de vida humana em si mesmos pelo sacrifício daqueles que lhes parecem vidas inferiores. Mas os filósofos odeiam a vida em si. Tanto a sua própria quanto a dos outros.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

7 thoughts on ““How can I join you?” [Chesterton – O Homem que foi Quinta-Feira]

  1. Guga

    Os catolicos consideram que todos que discordam deles são seus inimigos. Além disso, fica claro que a Igreja Católica é contra a ciencia e as artes (de acordo com o que foi dito). Se pensam assim, deveriam se negar a usar qualquer tipo de medicamento ou de tecnologia para serem honestos e coerentes?
    Até vou mais longe, não seria melhor que todos os catolicos que pensam desse jeito fossem morar na amazonia de forma indigena e tentando curar pessoas doentes só com orações?

  2. Jorge Ferraz

    Esta alegação é tão gigantescamente estúpida que só pode ser creditada a uma enorme má-fé ou a uma ignorância patológica.

  3. Wilson_Ramiro

     Caro guga se você não gosta da Igreja Católica e deseja atacá-la, ataque-a, mas deixe de ser retardado tenha um mínimo de cultura. Mesmo que digam que Ad hominem é errado, não é possível debate sem que o oponente tenha cérebro.

  4. Guga

    “Nós acreditamos em uma conspiração puramente intelectual, que logo ameaçaria a própria existência da civilização: que o mundo científico e o mundo artístico estão marcando secretamente uma cruzada contra a Família e o Estado”.

    Eu me baseio no que está escrito aqui, onde os catolicos acham que o mundo cientifico e artistico conspira contra eles. Não são os inimigos que conspiram contra seus algozes? Não está sendo colocado que o mundo cientico e artistico são inimigos do Estado e da Familia?
    Se eu errei então me digam qual é o verdadeiro significado do paragrafo em questão.

  5. Jorge Ferraz

    Além disso, se houver uma conspiração do mundo artístico e do mundo científico contra o Estado e a Família, isto só prova que os artistas e cientistas resolveram conspirar contra o Estado e a Família. Não tem nada a ver com a Igreja ser “contra” (!) a arte e a ciência, e nem (muitíssimo menos!) com os católicos se enfiarem no mato para curar doenças na base de mandingas!

  6. Wilson_Ramiro

     Guga Leia o livro… se não puder ou não quiser ler este livro, leia outro livro, qualquer livro, leia ao menos um livro na vida.
     Você não entendeu nada…  é muito burrinho.