Rússia e o controle de natalidade

closeAtenção, este artigo foi publicado 9 anos 1 mês 6 dias atrás.

volo ergo juveniores nubere filios procreare matres familias esse [Epistula I ad Timotheum 5, 14]

Enquanto a importância do controle de natalidade é praticamente um dogma incontestável por estas bandas de cá, os países onde ele foi aplicado há mais tempo sofrem hoje as suas nefastas conseqüências.

Notícia fresquinha: Rússia cria feriado para incentivar o romance. Não se trata de “sentimentalismo” do Governo, mas de duas constatações importantes: (1) a taxa de natalidade decrescente faz mal para o país, e (2) viver em uma família estruturada é importante para o futuro cidadão. A reportagem é um oásis de bom senso, no meio das agressões ideológicas com as quais somos bombardeados pela mídia o tempo inteiro. Saiu no New York Times e saiu uma tradução no UOL (para assinantes).

O nome do feriado? Dia da Família, Amor e Fidelidade. O objetivo? “[C]ombater as taxas de crescimento populacional decrescentes do país”. A estratégia? Encorajar “os casais não apenas a terem filhos, mas também a proporcionarem às crianças vidas familiares estáveis, com pai e mãe presentes” – este grifo é meu.

Safina disse que crescer sem a figura paterna em casa faz mal para as crianças.  Uma mulher pode vir a escolher um marido como o seu pai, irresponsável ou ausente, e um garoto sem pai não tem um modelo para seguir, diz ela. “Ele não vai saber o que significa ser um homem”, diz.

Digam isso ao presidente Lula, e a todas as pessoas que defendem a adoção de crianças por “casais” homossexuais! Imprimam isso nas primeiras páginas dos jornais, nas capas das revistas! Publiquem outdoors, digam-no em programas de rádio e de televisão! Rápido, antes que esta afirmação seja considerada criminosa pela lei da mordaça gay, por contrariar – de maneira tão discriminatória! – os desejos da caricatura pervertida de família.

E, last but not least,

o feriado também tem a intenção de encorajar as pessoas a terem filhos mais cedo. Esperar até depois dos 30 anos para ter filhos pode ser ruim para a saúde da criança, disse [Alyona Safina, 21, que trabalha para o braço jovem do Partido Rússia Unida do primeiro-ministro].

O que dizer? Será que não vamos conseguir aprender com os erros alheios? Será que vamos continuar “andando na contramão” e aplicando aqui os mesmos modelos ideológicos internacionalmente fracassados? Precisamos mesmo passar pela difícil situação que hoje atravessam os países europeus?

Sugestão de leitura: Casti Connubii, de Pio IX:

Entre os benefícios do matrimônio ocupa, portanto, o primeiro lugar a prole. Em verdade, o próprio Criador do gênero humano, o qual, em sua bondade, quis servir-se do ministério dos homens para a propagação da vida, nos deu este ensino quando, no paraíso terrestre, instituindo o matrimônio, disse aos nossos primeiros pais e, neles, a todos os futuros esposos: “crescei a multiplicai-vos e enchei a terra”. (Gen 1, 28). Esta mesma verdade a deduz brilhantemente Santo Agostinho das palavras do Apóstolo S. Paulo a Timóteo (1 Tim 5, 14), dizendo: “que a procriação dos filhos seja a razão do matrimônio o Apóstolo o testemunha nestes termos: eu quero que as jovens se casem. E, como se lhe dissessem: mas por quê?, logo acrescenta: para procriarem filhos, para serem mães de família”. (S. Agost. De bono conj. cap. XXIV, n. 32). [CC 12]

Parabéns à Rússia!

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Rússia e o controle de natalidade

  1. Captare

    Olá, Jorge!
    Vi seu blog entre os citados pelo Márcio do “elesnaosabem.blogspot.com”. Litodos os post publicados desde Maio.

    Tenho que te parabenizar! Seus posts são muito inteligentes e bem fundamentados! É uma grande alegria encontrar a cada dia pessoas como você com tanto amor e zelo pela Santa Romana Igreja, que sofre constantes ataques todos os dias, infelizmente até de dentro dela mesmo!

    Em especial, parabéns pela defesa corajosa e lúcida que tem feito de Dom José Cardoso Sobrinho, esse paladino da fé tão atacado pela mídia de seu próprio estado!

    Quanto ao assunto deste post, o mais contraditório é pensarmos que o país JÁ tem problemas de previdência, e se arrisca em aventuras que com certeza vão agravar ainda mais o problema. E esse é só o pior argumento que se pode utilizar contra toda a promoção pública do homossexualismo como qualquer ataque do estado à família enquanto instituição.

    Rogo a Deus que te abençoe e a São Tomás que interceda por ti e teu apostolado particular!

  2. Jorge Ferraz

    Prezado Captare,

    Muito obrigado por tuas palavras gentis! Agradeço a Deus, por estar – apesar de minhas limitações – sendo útil àqueles que, comigo, compartilham indignamente a Fé Católica e Apostólica. Rogo à Virgem Santíssima que possa recompensar-te com abundância que sobrepuje o bem que me desejas.

    Em Cristo,
    Jorge Ferraz

  3. Pingback: Ainda o catastrofismo antinatalista « Deus lo vult!

  4. Pingback: Rússia cria [outro?] feriado para incentivar a natalidade « Deus lo vult!