Reconhecimento Pontifício da Canção Nova

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 9 meses 19 dias atrás.

A Renovação Carismática é um fenômeno, no mínimo, curioso. Não compartilho de nenhuma das duas posições extremadas sobre o assunto (grosso modo, que podem ser encaixadas entre “é coisa de Satanás” ou “é a última coca-cola do deserto”) e acho que, via de regra, não se faz sobre ele uma análise crítica com a seriedade que o assunto merece.

A Canção Nova obteve ontem o Reconhecimento Pontifício. Não é pouca monta, forçoso reconhecer. Contudo, tampouco é aprovação irrestrita de todas as coisas que são realizadas pela comunidade. Vejo, antes, como um chamado à responsabilidade, como uma tentativa de se “colocar nos eixos” o movimento, integrando-o explicitamente à realidade eclesial contemporânea. Agora, a Canção Nova não é mais simplesmente um grupo de católicos; é uma Nova Comunidade reconhecida pela Igreja e, portanto, tem mais responsabilidades do que possuía antes.

Nem tudo é da mais perfeita ortodoxia na RCC em geral e na Canção Nova em particular. Por exemplo, é claramente errado ensinar a “rezar em línguas”. Por outro lado, nem tudo é erro: a Toca de Assis, a Escola da Fé do professor Felipe Aquino e as palestras do padre Paulo Ricardo são iniciativas de inestimável valor para a (tão necessária!) formação doutrinária dos católicos dos nossos dias. No entanto (e infelizmente), muitas vezes a imagem que se tem da Renovação Carismática, quer pelos que lhe são favoráveis, quer pelos que lhe censuram, é precisamente a imagem daquilo que, para dizer o mínimo, precisa ser melhor entendido e mais corretamente explicado.

Qual a primeira coisa que se pensa quando se ouve falar em “RCC”? Missas animadas? Músicas sentimentais? Dons extraordinários do Espírito Santo? É provável que sim. No entanto, nada disto é o essencial da RCC nos moldes que Roma a entende. Por exemplo, nesta mensagem de João Paulo II aos participantes do Encontro Mundial da Renovação Carismática Católica, em 2000, não há menção aos chamados “dons carismáticos”. Este discurso do Papa João Paulo II aos participantes do Congresso Mundial dos Movimentos Eclesiais fala sobre carismas, mas sem o otimismo que se encontra nos grupos de oração que encontramos amiúde no Brasil: Hoje, diante de vós, abre-se uma etapa nova, a da maturidade eclesial. Isto não quer dizer que todos os problemas tenham sido resolvidos. É, antes, um desafio. Uma via a percorrer. A Igreja espera de vós frutos «maduros» de comunhão e de empenho.

Ao contrário, elogia-se a oração comunitária, a freqüência aos sacramentos, a consciência da vocação batismal, a devoção ao Espírito Santo, a meditação das Sagradas Escrituras… coisas – estas, sim! – que são verdadeira e indiscutivelmente católicas, e que são a grande contribuição que a Renovação Carismática tem a oferecer ao mundo moderno. No entanto, poucas vezes essas coisas são vistas como o essencial do movimento… porque as pessoas, não raro, têm muita sede do extraordinário – justamente do aspecto mais injustificável do carismatismo! Isto é muito de se lamentar.

Queira Deus que este reconhecimento pontifício possa trazer bons frutos – frutos verdadeiramente bons! – para os católicos. Não permita a Virgem Santíssima que os homens, com prurido de novidades, dêem mais atenção ao que é sensível do que ao que é invisível. E que o Espírito Santo abençoe a Canção Nova, e a conduza sempre à fidelidade à Igreja, Única Esposa de Cristo, fora da qual só há erros e confusão.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

49 thoughts on “Reconhecimento Pontifício da Canção Nova

  1. Emanuelle Carvalho Moura

    Não sou do movimento RCC, sou católica e sei que o pessoal da RCC é católico, isso para mim é suficiente para confiar mais no pessoal da RCC do que no pessoal da IURD.

    Só me espantei com a colocação sobre Olavo de Carvalho porque, de tudo o que li desse autor, nada há de catolicismo, a não ser uma mistura de muçulmanismo, judaismo e muitos posicionamentos protestantes.

    Se ele é filósofo, acho que pode até ser tanto quanto existem milhões nos departamentos de filosofia das universidades, mas colocá-lo no nível daqules que possuem OBRAS FILOSÓFICAS (que ele não tem) como Bergson, Aristóteles, Platão e tantos outros, é muita falta de discernimento. E, até onde sei, seus argumentos se reduzem a xingar todo mundo que pensa o contrário dele. Acho que OdC não tem exemplo algum para dar a católicos e esse tipo de propaganda é muito perigoso para gente inexperiente e ingênua que pode até pensar que OdC é alguém sério. Além do mais, ele é astrólogo. Alguém, no século XXI, que estudou no século XX astrologia, fruto do paganismo, como pode honrar o primeiro mandamento integralmente? Aliás, não só estudou como cultiva esse tipo de esoterismo. E pior, elogia a maçonaria. Vai entender… Mas se v. que conhece até Santo Tomás de Aquino (sic) e não sabe disso, quem sou eu? quem sou eu?

    O mundo é grande, e se pode conhecer várias coisas “fora da RCC”, nesse sentido, v. poderia até falar da aula de biologia sobre angiospermas.

    Que Deus lhe ilumine,

  2. sandra nunes

    Emanuelle, tem mais um que sequer é católico e que é “ídolo” do pessoal aqui.

    Outro, que prega contra Maria, e eles acham “o máximo”

    Não decorei o nome do cara, porque quero não tenho interesse nessa gente.

  3. Sergio

    Emmanuele,

    Pax!

    Sou da RCC, sei que ela é católica.

    Entendo suas preocupações quanto ao Olavo. Elas são justas. É preciso lê-lo com discernimento. Quanto a ele ter uma obra filosófica ou não é um assunto a ser discutido, e, se começarmos, haverá uma enorme discussão, pois as opiniões serão divergentes até o último fio de cabelo. E creio que aqui não é o espaço indicado para isso.

    Acho mesmo o Olavo perigosíssimo em termos religiosos. Assino embaixo que não deve se seguir o que ele diz em nestes termos. Mas quando o citei, não o incluí entre os que eu definia como católicos, embora tenha discutido com vc, afirmando que ele tem algo a ver com catolicismo, mesmo não sendo católico (opinião que reafirmo). Mas, se fosse por isso, não poderia citar nem Platão, nem Aristóteles e muito menos Bérgson (que os espíritas amam!).

    Deste ponto de vista, seria perigoso citar Voegelin, Mario Ferreira dos Santos e outros…

    Mas Olavo tem muitos pontos positivos, dos quais só um vou citar aqui: antes de conhecê-lo eu era esquerdista e, mesmo na RCC, votei em candidatos que me dão medo e vergonha de aqui citá-los, pois compactuam com o comunismo materialista, ateu, perseguidor de cristãos e tudo o mais que manda a agenda vermelha…

    Encerrando o assunto, devo dizer que é realmente necessário citar com mais cuidado o nome de Olavo de Carvalho (embora eu ache este blog um ambiente maduro o bastante para fazê-lo…). Obrigado pela sua oportuna intervenção.

    Um grande abraço.

  4. Antonio

    Caro Jorge,

    Vc alegou que o discastério romano aprovaria a RCC tendo mais (ou unicamente) como parâmetro suas práticas e costumes supostamente ortodoxos na Europa. Mas o que dizer, agora, da Canção Nova, que professa e pratica o oba-oba carismático da RCC no Brasil? Ela, a Canção Nova, teve seus estatutos aprovados sem ressalvas aparentes! Estaria tudo certo com ela, segundo Dom Rylko, prefeito da Congregação para os Leigos. Ora, então está “tudo certo” também com a RCC no Brasil, movimento do qual se originou a Canção Nova. Não dá para colocar panos quentes nessa situação. O que o dicastério não discrimina/ressalva como errado ou duvidoso nesses movimentos, acaba por ser reforçado no bojo de sua praxe.

    Temos, sim, um baita modernista a frente desse discastério. O resto é balela. Dom Rylko, provavelmente suportado pela pressão e número de almas que representa ir contra a todo um conjunto de movimentos laico-carismáticos e seus bispos apoiadores, mede forças com o papa e as congregações dos sacramentos e da defesa da doutrina e da fé. Para ilustrar o que digo, lembro-lhe do recente desenrolar da aprovação dos estatutos do Neo-catecumenato. O papa saiu vencido daquele processo, junto com o cardeal Arinze, mons. Ranjith e tantos outros que pediram e ponderaram correções litúrgicas ao movimento mundo afora. Tiveram de engolir as pressões de boatos frequentemente espalhados pelo superior do movimento (aquele mesmo que recebeu de braços cruzados a comunhão das mãos do papa) a respeito de uma sempre tão iminente aprovação dos estatutos, interpretações relativistas dos ditames disciplinares desses, e toda sorte de táticas do tipo “joão-sem-braço” e “não é comigo”. No final, prevaleceu quase integralmente a vontade do Neo-catecumenato, exceto, é claro, a “enorme” diferença reverencial de que agora eles recebem a hóstia sagrada em pé, ao invés de sentados. De resto, é tudo igual, como já havia me adiantado pessoalmente um importante padre do movimento um ano e meio ANTES da aprovação dos estatutos. Ora, quem um ano e meio antes dos estatutos já afirmava com grande confiança que o que pedia um papa e um cardeal seria depois considerado letra morta (ou fruto de um work-in-progress, como eles se referem a aqueles documentos), só pode fazer parte de um grupo bem escudado no jogo de poder que permeia a atuação desse dicastério. Hoje, temos, portanto, três ritos na Igreja latina: o gregoriano, o paulino-bugniniano, e o inventado por Kiko Arguello.

    Finalmente, serem essenciais ou periféricas as práticas impuras dos carismáticos não deveria ser critério relevante para se considerar toleráveis ou não, e sim a gravidade dessas mesmas peculiaridades. Elas maculam algumas das coisas mais sagradas que a Igreja dá a seus fiéis: a doutrina e os sacramentos. Todavia, o carismatismo protestante da RCC e a doutrina impura e herética registrada nas catequeses transcritas de Kiko e Carmen não são nada periféricas, sendo bem percebíveis/praticadas na maioria dos cultos e reuniões desses grupos e pessoas.

    Abraço,

    Antonio

  5. Jorge Ferraz

    Antonio,

    Eu não disse que o Dicastério responsável pelo reconhecimento pontifício da Canção Nova olhou somente para os pontos ortodoxos existentes na RCC européia. Até porque eu não sei se a RCC européia é 100% ortodoxa, coisa da qual, aliás, eu duvido.

    Na minha opinião, a RCC em qualquer lugar tem pontos positivos e pontos negativos (a Canção Nova inclusive); já citei exemplos de ambos. E qualquer aprovação pontifícia, para qualquer coisa ligada à RCC, tem em vista os pontos positivos.

    Quanto aos Estatutos da Canção Nova que foram aprovados, eles não são públicos, mas eu duvido que eles contenham embasamento para alguns disparates que são praticados no Brasil. O Igreja Una comentou que a missa de ação de graças pelo Reconhecimento Pontifício da Canção Nova destoava profundamente das missas da Canção Nova que se vêem amiúde por aqui; portanto, julgo razoável supôr que foi aprovada uma coisa que não é a prática corriqueira da comunidade carismática tupiniquim. O que não significa que a Canção Nova não pratique nenhum dos pontos que foram aprovados em seus estatutos; é logico que pratica.

    Acredito que a aprovação pontifícia é, justamente, um “puxão de orelhas” no sentido de procurar conduzir o movimento àquilo que ele tem de bom e que já foi por diversas vezes aprovado pela Santa Sé, afastando-o do resto. Acredito ainda que o mesmo vale para os estatutos do Neo Catecumenato (que, a propósito, não são ad experimentum?).

    Abraços,
    Jorge

  6. Demerval Jr.

    De minha parte, concordo contigo, Jorge, pois isso que você diz sobre a CN é exatamente o que eu penso sobre a situação dos Arautos do Evangelho e Monsenhor Clá: uma espécie de “vem-pra-cá-que-a-parada-agora-é-comigo”, como se, agora debaixo de suas vistas, o papa quisesse dominar o domínio e o dominador sem o subterfúgio do Direito diocesano sempre tão provinciano, uma verdadeira tacada de mestre para evitar escândalos e promover o que realmente é bom (e sempre tem coisas boas nisso tudo, não é mesmo?).

    Em relação à legitimidade dos dicastérios, Antonio, bolas para o dito. Um papa pode até ser doido, mas nunca é bobo. Dicastério é assessoria e decisões à revelia do papa sempre serão inválidas. O papa não é o Lula, meu irmão… Ah, mas não é mesmo!…

    O papa pode não saber tudo, mas sabe muito das coisas.

  7. Antonio

    Caro Jorge,

    Nada sei sobre a RCC na Europa. O que conheço da RCC vem de relatos pessoais de vários amigos meus ex-“carismáticos” e a partir do que a própria RCC no Brasil torna público despudoradamente sobre si. Entendi a partir de suas palavras que vc havia sugerido que a RCC na Europa pudesse contrastar com aquela no Brasil suficientemente ao ponto de ser a primeira, e só essa, o objeto de aprovação de Roma.

    Bom, antes de tudo, lembremos que um estatuto é uma carta-missão, e sua aprovação diz respeito mais expressamente a essa missão, e não propriamente à execução pretérita ou presente desta. Entretanto, ante a omissão de apontar correções de matéria e de forma ao longo de tantos anos/décadas de aplicação precária, e de não exigir sua correção ANTES de um reconhecimento público e formal, tal aprovação estatutária não deixa de funcionar como um reforço tácito à praxe ruim do movimento. (Os neo-catecúmenos que o digam. Hoje, pois, não são poucos os que afirmam que a partir de agora devem se calar TODAS as críticas ao movimento, já que foram “definitivamente APROVADOS pela Igreja”.) E ninguém corrige o próximo apontando-lhe só as virtudes. Por vezes, é bom que se as reforce, e tal reforço acaba por servir de consolo para a continuidade de nossos esforços, na graça, em combater os erros. Mas o que dizer de vícios e erros que não são eventuais nem periféricos, e, o que é pior, são públicos e ensinados? A autoridade esperar correção, quando ela falta precisamente em apontar aos cegos e surdos suas deficiências nucleares, é presunçosamente esperar uma freqüência ordinária a um evento extraordinário e milagroso.

    Todavia, nem assim foi com o neo-catecumenato. Aprovou-se a versão final de seu estatuto contendo diretrizes litúrgicas estranhas (e piores) ao estatuto experimental de anos atrás, ratificando tudo à exceção de algumas bem poucas, superficiais e singelas mudanças que não sanam a irrevência externa com que seus membros recebem a comunhão e participam da Eucaristia, nem as inflexões doutrinárias próprias sobre as quais eles recebem instrução. Faz também menção ao diretório catequético de Kiko e Carmen sem torná-lo público. Tem-se conhecimento, por indiscrição de alguns padres e ex-membros desse movimento, de parte dessas catequeses, cujo conteúdo é, para dizer pouco, bem protestante. Portanto, baseando-se nisso, eu não duvido que o estatuto da Canção Nova não tenha nada que desafie frontalmente sua heterodoxia, ou mesmo que até elogie/prescreva expressamente suas práticas impuras. Ou então, como insinua o blog Igreja Una, os carismáticos fazem-se parecer uma coisa diante da autoridade romana (lá, alguns são enganados, outros deixam-se enganar) para conseguir-lhes agradar e não serem reprovados, até que, quando voltam para o além-mar… Isso não seria um expediente modernista inédito nos domínios da Igreja, tendo sido, por exemplo, aplicado em matérias bem importantes durante e após o último concílio.

    Aos que afirmam que o papa pessoalmente sabe de (quase) todos os alegados erros E os estaria aprovando livre e gratuitamente (ignorando a pressão da colegialidade modernista contra a qual ele próprio ainda tem de lutar), cabe lembrar que essa afirmação implica ou acusar o papa de parceiro direto desses erros, ou não entender como herético muito do que está bem compilado e explicado nos seguintes links:

    http://advhaereses.blogspot.com/search/label/Renova%C3%A7%C3%A3o%20carism%C3%A1tica
    http://igrejauna.blogspot.com/search/label/RCC
    http://intribulationepatientes.wordpress.com/category/rcc/
    http://tradicaoviva.blogspot.com/2007/09/carismticos-engano-pidedade.html

    Abraços,

    Antonio

  8. Jorge Ferraz

    Antonio,

    Eu não conheço praticamente nada sobre o Neo-Catecumenato (nem estatutos, nem membros do movimento, nem o seu “carisma”, nem nada). No entanto, acredito que também para ele (como para a RCC) valha a minha hipótese sobre as aprovações: pôr “rédeas curtas” e permitir que o movimento se desenvolva “catolicamente”, sendo purificado das coisas espúrias que porventura ainda possua.

    No entanto, é importante – como você disse – que tenhamos sempre bem claro que a aprovação pontifícia não significa apoio total e irrestrito a todas as coisas praticadas pelo movimento aprovado.

    E, obviamente, não podemos considerar que o Papa é conivente com os erros dos movimentos. Todavia, eu vou um pouco mais além, e considero temerário inclusive supôr que os dicastérios romanos o sejam.

    Abraços,
    Jorge

  9. Demerval Jr.

    Antonio,

    Quem disse que o Papa erra, em seus juízos ou na omissão desses, foi você.

    Eu disse que o Papa NÃO erra ao PERMITIR emissões de documentos pelos dicastérios.

    Eis aí a extensão da infalibilidade papal. Isso, até que se prove em contrário, é dogma de Fé. Essa extensão significa que ele sabe muito bem de tudo aquilo que é tornado público.

    E, de mais a mais, se houve argumentos contrários à sua (do Papa) primeira impressão em determinados assuntos e que prevaleceram, é sinal de que ele humildemente os acatou como balizados, como no caso da questão do Concílio de Jerusalém narrado no livro dos Atos.

  10. Jorge Ferraz

    Demerval,

    A infalibilidade papal não se estende à emissão de documentos dos dicastérios. Portanto, não nega um dogma de Fé quem questiona um documento de, p.ex., aprovação de movimentos ou comunidades.

    O que é necessário, no entanto, é manter o respeito e a reverência devidos às autoridades eclesiásticas.

    Abraços,
    Jorge

  11. Demerval Jr.

    Jorge,

    Não me expressei bem. Fique claro, portanto, que, no assunto tratado, o que é dogma de Fé é a infalibilidade papal.

    No mais, concordo plenamente contigo.

  12. JÚLIO CÉSAR CANDELA

    QUEM RENEGA A CRISTO RENEGA A SI PROPRIO. VIVA A PADROEIRA DE ILHA COMPRIDA SP BRASIL (NOSSA SENHORA IMACULADA CONCEIÇÃO APARECIDA) QUEM PENSA QUE ESTA SOFRENDO OBSERVE A CRUS E JESUS CRISTO CRUCIFICADO, E PENSE ANTES DE RECLAMAR.

  13. júlio césar candela

    DEUS ENVIOU SEU FILHO JÉSUS CRISTO,PARA ENSINAR O AMOR E FAZER O BEM, MAIS NOS SERES HUMANOS OS CONDENOU A MORTE, SOMOS TODOS INGRATOS, A VIDA NÃO ALTEROU MUITO O EXEMPLO DE DEUS, HOJE TEMOS AINDA GUERRAS,FOME,DESTRUIÇÃO DA NATUREZA,CALAMIDADES, A NATUREZA ESTA SE VOLTANDO CONTRA NOS, CULPA SOMENTE DE NOS MESMOS, EGOISTAS, DEVEMOS EM PENSAR NO FUTURO POIS TEMOS FILHOS, O SER HUMANO AINDA DUVIDA DE DEUS, E SEU FILHO JESUS CRISTO, HOJE O SER HUMANO PEGA UMA ARMA MATA ROBA E SE SENTE O HEROI,O TODO PODEROSO,( VERDADEIRO COVARDE) FRACO MUITO FRACO,QUANDO ENTRA NO HOSPITAL TEM MEDO, CHORA, GRITA DE DOR, TUDO O QUE FAZEMOS NA TERRA PAGAREMOS NA TERRA, SE PRATICAR-MOS O BEM O BEM RECEBEREMOS DE DEUS, CADA SER HUMANA TEM AQUILO QUE MERECE, MAIS PARA ISSO DEVEMOS SEMPRE TER UMA CERTEZA DEUS,JESUS CRISTO ESTA VIVO, DE AMOR PARA O SER HUMANO INGRATO COM ELE. AINDA DA TEMPO RESE E PEDE PERDÃO A CRISTO, SE SEU CORAÇÃO ESTIVER FALANDO A VERDADE ELE O PERDOARA.

    VIVA JESUS CRISTO
    VIVA A MÃE DE CRISTO NOSSA SENHORA IMACULADA CONCEIÇAO APARECIDA, PADROEIRA DO BRASIL,PADROEIRA DE ILHA COMPRIDA SP BRASIL.

    PRIMEIRO ATLETA A CONQUISTAR O MAIOR NUMERO DE MEDALHAS PARA UMA CIDADE.

    JULIO CÉSAR CANDELA (MARATONISTA E FUNDISTA)

  14. JÚLIO CÉSAR CANDELA

    LETRA DE MUSICA (PADROEIRA E PROTETORA DE ILHA COMPRIDA)
    AUTOR (JÚLIO CÉSAR CANDELA) ATLETA MARATONISTA E FUNDISTA
    RECORDISTA DO BRASIL.

    VIVA,VIVA,VIVA,
    A PADROEIRA E PROTETORA,
    DE ILHA COMPRIDA,
    A NOSSA SENHORA IMACULADA
    CONCEIÇÃO APARECIDA,
    VIVA,VIVA,VIVA,
    A NOSSA RAINHA,
    COM SEU MANTO, AZUL
    ELA PROTEGE 74 KM DE PRAIAS,
    DA NOSSA ILHA,
    VIVA,VIVA,VIVA,
    NOSSA SENHORA IMACULADA,
    CONCEIÇÃO APARECIDA,
    SEU FILHO, JESUS CRISTO,
    É NOSSO PAI,
    VIVA,VIVA,VIVA,
    A PADROEIRA E PROTETORA,
    DE ILHA COMPRIDA,
    NOSSA SENHORA IMACULADA
    CONCEIÇÃO APARECIDA,
    VIVA,VIVA,VIVA,
    NOSSA RAINHA.

    AUTOR DESTA LETRA DE MUSICA (JÚLIO CÉSAR CANDELA)

  15. JÚLIO CÉSAR CANDELA

    POESIA (DEUS)

    O HOMEM MAIS FORTE DO MUNDO DEUS,
    O CORAÇÃO DE DEUS É O MAR BATENDO,
    O SOL SÃO SEUS OLHOS AQUECENDO A HUMANIDADE,
    AS ARVÓRES SÃO SEUS BRAÇOS, E SUAS PERNAS,SEU CORPO,
    AS CHUVAS SÃO SUAS LAGRIMAS,
    DE ALEGRIA OU TRISTESA,
    OS RAIOS QUE CAI SOBRE A TERRA,
    OS TROVÓES, AS TEMPESTADES,
    O FOGO,SÃO SUAS FORÇAS,
    A LUA, O CÉU E AS ESTRELAS SÃO O PARAISO,
    SUA MORADA.

    AUTOR DESTA POESIA (JÚLIO CÉSAR CANDELA) MARATONISTA E
    FUNDISTA (RECORDISTA DO BRASIL)

  16. júlio césar candela

    chuvas intensas,terremotos,devastação do meio ambiente,atualmente só temos noticias lamentáveis,crimes,roubos, sera um aviso de (DEUS), a humanidade o ser (HUMANO) so lembra dele nos momentos de dificuldades, estamos salvos porque na terra ainda tem gente que trabalha para o bem, a solidariedade, que a mãe de jesus cristo nossa senhora imaculada conceição aparecida, interceda por nós, e tenha dó de nós humanos

    júlio césar candela (atleta)

  17. júlio césar candela

    momento especial no dia 03.de junho de 2010, a imagem pelegrina a padroeira e protetora de ilha comprida sp brasil (nossa senhora imaculada conceição aparecida) chegou a ilha ás 09:30 hs,e permaneceu conosco o dia todo, teve carreata de carros na sua chegada a qual passou por todas as ruas principais de ilha comprida, ás 16:00 hs teve procissão com ela pelas ruas ao redor da igreja estrela do mar, ao chegar teve missa, e ás 19:00 hs a imagem retornou para iguape, em carreata de carros, toda a comunidade de ilha comprida sp brasil, festejou e agredeceu a padroeira e protetora de ilha comprida sp brasil, que numa data tão especial dia de corpos cristi,permaneceu o dia todo na ilha, foi lida a letra da musica padroeira e protetora de ilha comprida pelo autor (JÚLIO CÉSAR CANDELA) bem ao lado da imagem de nossa padroeira NOSSA SENHORA IMACULADA CONCEIÇÃO APARECIDA, ILHA COMPRIDA SP BRASIL, recebeu sua rainha como ela merece.

  18. JÚLIO CÉSAR CANDELA

    atleta recordista do brasil (júlio césar candela) (maratonista e fundista) pelo (4) quarto ano (2007) (2008) (2009) (2010), ás 07:00 hs da manhã consecutivo abre as comemorações da padroeira e protetora de ilha comprida sp brasil, neste dia 09 de outubro de 2010, percorre o trajeto de 18 km com a imagem de nossa senhora imaculada conceição aparecida, saindo de ilha comprida e indo até o cristo redentor em iguape e retorna para a ilha comprida, viva nossa padroeira e protetora de ilha comprida sp brasil. as festividades na capela de nossa senhora aparecida, dias, 09,10,11,e 12, de outubro.

    nossa senhora imaculada conceição aparecida.

  19. júlio césar candela

    autoridades na terra, ( a verdadeira autoridade é deus)ninquem tem mais autoridade do que ele.