Saudades dos pais de outrora

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 15 dias atrás.

Especial do Diário de Pernambuco: O novo pai. Cinco histórias diferentes: “Pai até debaixo d’água”, “De malas prontas para ser pai”, “Pais com orgulho e sem preconceito”, “Nove meses de espera” e “Os seus, os meus, os nossos filhos”. Só a primeira é que pode ser classificada como um bom exemplo; as demais, são anti-exemplos. Um pai separado na segunda história, duas duplas de homossexuais na terceira e na quarta, um adultério na quinta.

Famílias separadas, famílias misturadas, “famílias” que nem são famílias: é isto que a sociedade atual louva como sendo sinal de progresso e de modernidade! É bonito o sr. João Guilherme mudar-se para São Paulo para ficar perto da filha? Sem dúvidas, é louvável; mas por qual motivo ele abandonou a esposa e a filha? Lembro-me de Gustavo Corção, em seu livro Claro Escuro, falar sobre o divórcio e os filhos nos seguintes termos, duros, mas sinceros (cito de memória e não ipsis litteris): “dizem que um casal que se divorcia está disposto a qualquer coisa para o bem dos filhos. É mentira. Eles estão dispostos a tudo, menos a ficar juntos pelo bem dos filhos”.

O bem dos filhos, jogado às favas nesta avidez de novidades! É bonito ver o amor da jovem Mara pelo sr. Arruda, atual companheiro de sua mãe? Sim, é. Mas vejam o que diz a menina: “Meu pai biológico viaja muito e ele [Arruda] meio que ocupa este espaço e faz a saudade diminuir”. O que passa pela cabeça de um pai, para deixar o seu espaço no seio familiar ser ocupado por um estranho? Com quais valores crescem estas crianças?

No entanto, se tudo isso já é ruim, as histórias dos “pais” homossexuais são péssimas. “Há sete anos, o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) concedeu pela primeira vez a um homem solteiro o direito de adotar uma criança”, diz a terceira história. Este homem “solteiro” vivia – e vive até hoje – com outro homem. E o que diz a criança, hoje com sete anos de idade? “Amo meu pai. Ele é a minha paixão. Ele é carinhoso, brinca comigo, joga bola de gude. Ele me ama, e meu outro pai também me ama”.

Não há nomes nos “pais” da quarta história. Só os fatos: “Juntos há cinco anos e casados há dois (?!), eles sempre sonharam em ter um filho”. Conseguiram, numa “adoção à brasileira” (as aspas são da matéria), uma menina. E ela já fala: “A primeira vez que ela falou ‘papai’, há um mês, foi emocionante. Um é pai outro é papai”…

Caricaturas de famílias: é onde muitas crianças estão crescendo e sendo educadas, como se isso fosse a coisa mais natural do mundo. Utilizadas como cobaias de experimentos sociais contrários à Lei Natural. E aplaudidos pela cupidez de coisas novas da sociedade que se esqueceu de Deus. Saudades dos homens viris, dos chefes de família, cabeças do lar. Saudades dos pais de antigamente, dos pais que eram – de fato e de direito – pais. Que Deus tenha piedade de nós. E que olhe com particular cuidado por estas crianças, que não têm culpa de serem cobaias das experiências loucas de um mundo sem Deus.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

One thought on “Saudades dos pais de outrora

  1. Sport

    por falar em Arruda… e as lombrigas coloridas??? vão ficar na 4ª divisão!!! Hahahahahahahaha!!!!
    tenho pena da Sarna Cruz