O juiz protestante e os crucifixos das repartições públicas

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 4 dias atrás.

Excelente o texto do William Douglas, “juiz federal, professor, escritor, mestre em Direito – UGF, Especialista em Políticas Públicas e Governo – EPPG/UFRJ”, publicado pelo Consultor Jurídico: Ação contra crucifixos mostra intolerância. Registre-se, aliás, logo de começo, que ele próprio não é católico. Este texto é um excelente exemplo de que é possível, mesmo sem ser católico, fugir à leviana interpretação da realidade – tão freqüente nos nossos dias! – segundo a qual o Estado não pode defender nada que a Igreja defenda, porque Ele é laico.

O juiz critica esta concepção de mundo nonsense muito melhor do que eu, ao dizer que “a laicidade não se expressa na eliminação dos símbolos religiosos, e sim na tolerância aos mesmos”. E devolve com maestria: “o pensamento deletério e a ser combatido é a intolerância religiosa, que se expressa quando alguém desrespeita ou se incomoda com a opção e o sentimento religioso alheios, o que inclui querer eliminar os símbolos religiosos”. Isto, sim, é uma lufada de bom senso no meio jurídico brasileiro, um lampejo de esperança no meio da fúria laicista.

Registre-se mais uma vez: ele não é católico e, ao contrário, é protestante iconoclasta. Pois chega ao ponto de dizer que o crucifixo, segundo a sua linha religiosa, é… um ídolo! Um ídolo, numa imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo! O absurdo da posição só confere mais valor ao seu parecer. Ele obviamente não está advogando em causa própria (acusação leviana amiúde lançada aos católicos), porque o crucifixo é, para a religião dele, muito mais abominável do que para os anti-clericais. Ofende-lhe muito mais do que aos laicistas mimados. No entanto, ele consegue enxergar com clareza a intolerância dos sem-religião.

E vai mais além, porque vai ao cerne do problema ao identificar o ateísmo com uma crença (como, aliás, já cansei de falar aqui): “A recusa à existência de Deus, a qualquer religião ou forma de culto a uma divindade não é uma opção neutra, mas transformou-se numa nova modalidade religiosa. […] A eliminação dos símbolos religiosos atende aos desejos de uma vertente religiosa perfeitamente identificada, e o Estado não pode optar por uma religião em detrimento de outras”. A clareza da posição me alegra sobremaneira: não é mais um católico fundamentalista que está falando isso para meia dúzia de leitores de seu blog, e sim um juiz federal protestante no Consultor Jurídico.

“Excluir símbolos é fazer o Estado optar por quem não crê. A laicidade aceita todas as religiões ao invés de persegui-las ou tentar reduzi-las a espaços privados, como se o espaço público fosse privilégio ou propriedade de quem se incomoda com a fé alheia”. Oxalá este entendimento estivesse mais disseminado no meio jurídico brasileiro! É lamentável que pensamentos como o do dr. William Douglas sejam minoritários. Enquanto isso, teremos que suportar as aberrações do Estado anti-teísta. Até quando…?

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

79 thoughts on “O juiz protestante e os crucifixos das repartições públicas

  1. Jorge Ferraz Post author

    Sr. herege cego,

    Acredito que uma pessoa que escreve “extreçados” deveria primeiro aprender português antes de ter a petulância de curar a suposta cegueira alheia.

    Mas vamos lá. O senhor disse que, em 197, o Papa Zeferino começou “um movimento herético contra a divindade de Cristo”. Traga o decreto papal que instaura este tal movimento.

    Adianto que, antes de provar as besteiras que está cuspindo aqui, irão para o lixo os seus demais comentários que não tenham a ver com a prova de que a Igreja Católica adotou doutrinas anti-bíblicas a partir de 196.

  2. Sidnei

    Embora alguns com todo direito não coseguiram ler o que este suposto “Curador de Cegos” enho vomitar aqui e o Jorge o bloqueou, mesmo assim quero respeonde a este Senhor as bobagens que ele poistou, como ficaria muito grande descrevendo as suas ingações e em seguida suas respostas, vou colocar apenas as resposntas seguidas pelas numerações de suas indagações, vamo lá:

    1 – Sim, e nisto taxas JESUS de mentiroso porque ELE mentiu quando disse que as portas do inferno nunca prevaleceriam contra sai Igreja e taxas o ESPÍRITO SANTO de incompetente já que JESUS disse que O enviaria para ensinar toda a verdade porém esta verdade só foi ensinada pela metade.

    2- CRISTO e a Igreja são a mesma e única realidade, quem está na Igreja está em JESUS, pois JESUS é a cabeça da Igreja e nós os seu membros, portanto, só se salvará quem está unido a CRISTO na sua verdadeira Igreja que é seu corpo e sua esposa muita amada.

    3- Então se o magistério que foi iniciado pelos Santos Apóstolos não tem a função de pastorear o povo de DEUS, dando a genuína interpretação da Palavra de DEUS, então para que foi constituída? E quanto a Sagrada Tradição, da onde vem por exemplo a palavra SANTÍSSIMA TRINDADE, da onde vê a guarda do Domingo em vez do Sábado, da onde vem a lista dos livros Sagrados, da onde vem a guarda de festas como o Sábado e o Domingo de Páscoa?.

    4 – Resposta dada no item 2

    5- Novamente a mesma lenga, lenga , de que DEUS proibiu a confecção de estátua e a sua não adoração, DEUS proibiu a confecção e adoração de falsos deuses, e não a confecção e o respeito, honra e reverência para com os Anjos, Santos a Maria e suas Imagens, ta difícil entrar na cabeça deste protestante esta diferença crucial, porém real, o fato de não existir na cabeça do fiel a distinção entre adoração e veneração trata-se da ignorância deste fiel tanto quanto da ignorância dos infiéis de não aceitar que exista tal diferença, e quanto a figura de JESUS seus aspectos físicos não estarem descritos na Bíblia, e daí?, tais aspectos venho também pela Sagrada Tradição e podemos supor que JESUS usava cabelos compridos por ser uma pessoa consagrada a DEUS, um nazireu, como foi Samuel, Sanção, São João Batias, etc, e elém do mais, porque não se criticam os evangélicos que em suas tiras e até representações teatrais colocam JESUS como sempre foi descrito?, se eles assim o colocam é porque tem algum fundamento bíblico para chegar a conclusão que JESUS sempre foi descrito daquela maneira.

    6- O ESPÍRITO SANTO não é substituo de ninguém e muito menos o Papa, mesmo que o ESPIRITO SANTO, seja nosso consolador, guia e professor pois foi enviado para ensinar toda a verdade, sobre tudo, ao colégio apostólico, tendo o Papa a frente deste colégio, ELE é invisível , e se JESUS deixou o colégio apostólico, foi porque ELE queria pessoas de carne e osso, portanto, visíveis, para guiar e governar, sob orientação do ESPIRITO SANTO sua Igreja.

    7- Com relação a Inquisição com seus altos e baixos, como sendo um tribunal civil e eclesiástico, serviu a seu tempo, assim como houve inquisição protestante, e além do mais, os números elevancados pelos inimigos da Igreja são bem superiores ao que se sabe e que se é documentado, a celebração da Missa em Latim se deve a universalização do culto cristão, tanto que quem soubesse latim, se morasse na França e fosse para o Japão saberia o que se passasse no altar porque entenderia perfeitamente o que o padre, sendo japonês estaria dizendo e orando, quanto a proibição da leitura da Bíblia, se proibiu por um certo tempo o qual muitos hereges estavam deturpando as Sagradas Escrituras, e estavam proibidas leituras d Bíblias não autorizadas pela Igreja e que continham erros de tradução ou manipulação das mesmas, porém isto foi em um certo período e hoje a Igreja incentiva a leitura diária da Bíblia tanto que eu mesmo leio-a todos os dias, com relação a venda de indulgências houve abusos com isto mas a Igreja a rigor combateu todas elas juntamente com a simonia, a união entre Igreja e Estado foi também pertencente há um período da história em que trouxe mais dor de cabeça a Igreja do que alegrias, sobre tudo as constantes interferências do Estados nos assuntos da Igreja, com relação a Infabilidade do Papa e a conseqüência lógica da ação de JESUS e do ESPÍRITO SANTO na Igreja em que reveste o Papa de erro quando este declara em caráter dogmático aquilo que está ligado a fé e a moral, e quanto as aparições de Fátima todo católico está livre em acreditar ou não acreditar nelas, está no campo do livre uso da fé, a Igreja recomenda se tal devoção leva o cristão a conversão a CRISTO e sua conseqüente salvação esta aprovado, se não, é melhor não segui-la.

    8- Existem várias evidências Bíblicas sobre a existência do purgatório, só não enxerga quem é cego: (Mateus 5,25s; Mateus 12,32 Lucas 12,48 1Coríntios 3,13-15), e depois CRISTO morreu pelos nossos pecados, mas as conseqüências delas, a pena temporal, aquilo que devemos reparar pelo mal que o pecado fez, isto devemos fazer neste mundo e se não for feito neste mundo DEUS nos fará fazer em um estado que a Igreja chama de Purgatório, a natureza e o proceder de DEUS neste estado é discutível, mas a não existência dela esta fora de cogitação, pois DEUS é misericordioso mas é justo, ninguém que faça o mal e venha a se arrepender DEUS por JESUS CRISTO perdoa o pecador, mas este deve reparar os estragos que causou pelo seu pecado, está aí fundamentado a fé na existência do purgatório.

    9- Não foi acrescentado nada, tanto que o católico Guttemberg quando inventou a imprensa e isto quase 100 anos antes de 1546 o primeiro livro que ele imprimiu foi a Bíblia lá estavam os livros deuterocanonicos que a Igreja sempre teve como inspirado, foi Lutero e Cia que tiveram os desrespeito de os retirar do Canon da Bíblia Sagrada, e quanto livros nunca citados pelo SEHOR JESUS e nem pelos apóstolos, e daí?, Ester, Cântico dos Cânticos, Juízes e Crônicas não foram citados pelo SENHOR JESUS e nem pelos apóstolos e nem por isto ficaram e fora do Canon das Sagradas Escrituras, porém, há citações, se não de maneiras explicitas mas implícitas dos livros deuterocanonicos no NOvo Testamoscomo por exemplo Hb. 11,35 com 2º Mc 7,1-40.

    10- A Igreja nunca disse que Maria é nossa redentora, mas co-redentora, isto é, que mais do que ninguém foi ela que colaborou para nossa salvação aceitando ser mãe do Messias e sabendo através das Sagradas Escrituras, sobre tudo pelo profeta Isaias, o quanto ela iria sofrer ao ver seu filho sendo mal tratado, esfolado e morto numa cruz como uma ovelha muda indo para o matadouro, que ela intercede por nós?, sim, se ela está no céu com seu FILHO e unida a nós pelo seu FILHO assim como nas bodas de Cana ela sempre irá interceder por nós, e quanto aos irmãos de JESUS, me responda esta, em Gálatas 1,19 São Paulo diz: “Dos outros apóstolos não vi mais nenhum, a não ser Tiago, irmão do Senhor”, sabemos que entre os apóstolos de JESUS havia dois tiagos um maior filho de Zebedeu e ou menor filho de Alfeu, na cruz estavam de pé Maria Madalena e Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos filhos de Zebedeu. (Mt. 27,56) em João se descreve que esta Maria era esposa de Cleofas , seguindo a lógica Alfeu e Cleofas viriam a ser a mesma pessoa, e portanto, pai de Tiago um dos doze apóstolos e o mesmo apóstolo citado por São Paulo em Gálatas 1,19, mas como São Paulo diz ser Tiago Apóstolo irmão do SENHOR, se este mesmo Tiago é filho de Maria e Cleofas/Alfeu, simples, porque este Tiago não era irmão do SENHOR de sangue mas de parentesco, ou seja, este Tiago o menor era primo do SENHOR e vemos nas Sagradas Escrituras inúmeros exemplo de parentes próximos se chamando de irmãos: (Gn 13,8; Gn 31,23 1Cr 23,21-23; 1Cr 15,5; 2Cr 36,10; 2Rs 10,13; Jz 9,3; 1Sm 20,39), portanto os ditos irmãos de MT. 12, 46-50 não são nada mais e nada menos que parentes de JESUS e além do mais vemos em Lc. 12, 41-52 JESUS viajando a Jerusalém por ocasião da festa da páscoa apenas com os pais e aonde estavam os irmãos dele?, em João 19,25-27 JESUS confia ao Apóstolo São João os cuidados de sua mãe, coisa que não faria se houvessem outros irmãos e quando se fala da filiação de JESUS com José e Maria sempre é dito O filho de Maria (Mc. 6,3) o filho de José e não um dos filhos de Maria ou de José, ou o filho primogênito de Maria ou de José, se é dito que ELE é O filho, indica que ELE é o único filho, portanto há mais provas a favor da virgindade perpetua de Maria do que provas contra, e se Maria não fora imaculada então ela nascera com o pecador original, então está mais fácil acreditar que JESUS o SANTO DE DEUS, venha de um corpo maculado pelo pecado original do que acreditar que ELE tenha vindo de um corpo preservado por DEUS desde a concepção do pecado original em razão do méritos futuros que seu FILHO iria alcançar para toda a humanidade mas a sua mãe de forma antecipada.

    11- Os milagres que foram sendo realizados aos longos dos anos pela intercessão de Maria sob o título de Nossa Senhora Aparecida, nunca foram atribuídos a ela mas a DEUS, Maria como sempre vem ao nossos socorro orando e intercedendo por nós.

    12- Embora o Padre Cícero não goze da aprovação de culto público (beatificação e canonização) por parte da Igreja, no entanto, se ele é amado (e não adorado) pelo povo nordestino e se ele teve tal visão, qual é o problema de JESUS ter pedido a ele para cuidar de seu povo?, JESUS não pediu a Pedro para apascentar seus cordeiros (João 21, 15-16) São Pedro também dirá: “Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado. Tende cuidado dele, não constrangidos, mas espontaneamente; não por amor de interesse sórdido, mas com dedicação) (1º Ped. 5, 2).

    13- A resposta a este item já foi dado no item 11, a Igreja nunca ensinou que é Maria ou algum Anjo ou Santo que faz milagres mas é sempre DEUS por meio de JESUS CRITO NOSSO SENHOR, a Maria, aos Anjos e aos Santos cabem apenas o papel de interceder por nós, aplicando o gesto de caridade que segundo São Paulo já mais passará (1º Cor 13)

    14- Mas ninguém manda rezar missas, ou oram, para salvar alguém do inferno, quem já traçou seu destino seja para o céu ou inferno já está traçado, ninguém poderá mudar isto e nem DEUS, pois a pessoa já fez sua escolha de viver eternamente longe de DEUS, acontece que oramos aos mortos que estão no purgatório, e só vão para o purgatório quem morreu na graça de DEUS e já esta destinado ao céu, mas que não reparando os estragos pelo pecado neste mundo ou que morrera em pecado venial impossibilitando sua entrada no céu ficará por algum tempo, ou até talvez por uma fração de segundo, em um estado chamado purgatório, a oração que fizemos aqui na terra em favor de alguém que está neste estado é de aliviar a alam da pena imposta ou até sua retirada de lá porém só DEUS sabe o quanto a alma deverá ficar ou a pena que irá ter que cumprir para passar por este estado, mas DEUS não irá desperdiçar nossas preces a favor de quem oramos, quer seja o momento propício ELE irá aplicar em favor do falecido para aliviar sua pena quer sege PR algum tempo quer sege no momento do juízo quanto alguns teólogos acreditam que na visão de CRISTO frente a frete ELE irá penetrar com seu olhar no íntimo de nossas almas e queimará o qual fará sentir dores nas almas, todo e qualquer resquício de apego ao pecado o qual nos faz impedir de entrar imediatamente no céu.

    15- Exato, mas este apelo não é da Igreja, mas de JESUS CRISTO, que pediu que houvesse um só pastor e um só rebanho.

    16- O movimento da RCC embora tenha sido visto com bons olhos por uma parte do clero e do povo católico não é totalmente aceito por todos os católicos, justamente por infiltrar elementos estranhos a fé católica, tornando um pouco protestante, não precisamos disto, o ESPÍRITO SANTO sempre teve seu lugar na Igreja pois sendo DEUS com o PAI e o FILHO sempre foi adorado e amado, seus frutos sempre enriqueceram a Igreja com tantos Santos e Santas, e com tantas santas missões e ordens religiosas que fizeram sempre a Igreja crescer e se expandir pelo mundo, portanto, não há necessidade de infiltrar elementos protestantes como curas, falas em línguas, repouso no ESPÍRITO SANTO, exorcismos a torto e a direito e cânticos protestante que estamos bem servido pelo ESPIRITO SANTO que nestes 2010 anos de existência da Igreja sempre acompanhou e ensinado toda a Verdade tal como CRISTO no prometeu.

    17- Com relação ao batismo das crianças vai encher os saco dos Luternaos, Presbiterianos, Metodistas e Anglicanos que também são protestantes e também batizam as crianças, não esqueça que nascemos todos com o pecado original (Gênese 3,1-24 Gênese 11,1-9 Romanos 5,12-21 1Coríntios 15,21s; Romanos 3,23), e se as crianças não nascem com pecados próprios nascem com tal pecado, e aí, vamos deixar estas crianças morrerem e viverem em estado de pecado original?, JESUS não disse para deixar vir a ELE as crianças porque delas era o reino dos céus? Não batizavam os apóstolos famílias inteiras (At 16,33; At 16,14-15; 1Cor 1,16) o qual provavelmente teriam adultos e crianças?, quanto ao pagamento de promessas, a Bíblia nos mostra inúmeras promessas sendo cumpridas por quem prometeu (Gen. 28,20; Num. 15,3b, Ato 18,18), portanto não é nenhum ato de irreligião prometer algo a DEUS e depois cumprir pois o que está se cumprindo muitas vezes não é para DEUS nos perdoar de nossos pecados pois este já foram perdoados na cruz mediante ao sacrifício de JESUS CRISTO, porém estas promessas são cumpridas em detrimento aos pedidos que fizemos a DEUS e DEUS nos atende, seria exercitar no coração o amor a DEUS e não forçar a sua vontade, seria um gesto de gratidão pelo bem que ELE o aprouve, quanto ao culto a Maria aos Anjos e aos Santos este já esta por mais explicado, quanto o uso de água benta sendo um sacramental, é apenas um símbolo de pureza interior, e é estranho criticar a Igreja Católica pelo uso da água benta quando vemos que cada vez mais e mais igrejas evangélicas se utilizarem de sacramentais como óleos, fogo santo e até fabricação de réplicas da arca da aliança, com relação a substituição do pão pela hóstia, pelo que eu sei a hóstia é pão ázimo, sem fermento, se a Igreja estabeleceu que o pão eucarístico fosse daquela forma fora por questões de acomodidade, e assim se explica com relação a distribuição de vinho que por razões de praticidade só se distribui quando é uma missa que há poucos fieis ou quando o sacerdote prover que pode haver a distribuição do vinho que é o sangue do SENHOR sem haver o risco de profanações como o derramamento do Sangue do SENHOR no chão ou algo perecido, quanto a proibição de casamento pelo padre, não há proibição alguma, isto é uma questão pastoral, a Igreja recruta entre aqueles que se fizeram eunucos pelo amor ao reino dos céus (Mt. 19,12) para serem seus presbíteros, ademais seguindo o exemplo do SENHOR e de São Paulo que era celibatário o presbítero estará mais livre para trabalhar para CRISTO e sua Igreja se não tiver família, tudo é uma questão pastoral que não tem nada haver com proibição pois o homem que quer ser presbítero que quer servir a CRISTO e usa Igreja já sabe que não poderá se casar e se abraça o presbiterato ele abraça por livre e expontânia vontade, e quanto ao Rosário, que é uma maneira de oferecer a Maria uma coroa de rosas espirituais recitando o credo, saudando a Maria conforme o Anjo Gabriel e Santa Izabel os a saudaram, rezando o Pai Nosso e meditando a vida de CRISTO e de Maria não há nenhum mal nisto, não constitui vãs repetições como os citados por JESUS em Mt. 6,7 ao menos que alguém ache que orar o Pai Nosso por 7 vezes seja vão então que preces devo fazer, aquelas barulhentas feitas pelos crentes e carismáticos católicos como DEUS fosse surdo?, JESUS mesmo em sua agonia venho a repetir as mesmas preces (Mc. 14,39), sem contar alguns Salmos que repetem algumas frases como o Salmos 136, 148 e 150.

  3. André Luiz Araújo Magalhães

    1 – PORQUE A IGREJA ROMANA SE AUTO-DENOMINA COMO A IGREJA FUNDADA POR JESUS CRISTO, LEGÍTIMA SUCESSORA APOSTÓLICA DA IGREJA PRIMITIVA E “ENRIQUECIDA DE TODA A VERDADE REVELADA POR DEUS E DE TODOS OS INSTRUMENTOS DE GRAÇA” CONFORME DECLARAÇÃO DE SEU CONCÍLIO VATICANO II (1962/65). DE FATO, ATÉ O ANO 196, A IGREJA CATÓLICA NÃO ACEITAVA NENHUMA DOUTRINA ANTI-BÍBLICA, PORÉM A PARTIR DESTA DATA FOI INCORPORANDO TRADIÇÕES E COSTUMES INCOERENTES COM A PALAVRA DE DEUS. A IGREJA CATÓLICA QUE CONHECEMOS HOJE NÃO É NEM SOMBRA DO QUE FOI NO INÍCIO. DISSE JESUS AOS FARISEUS: “JEITOSAMENTE REJEITAIS O MANDAMENTO DE DEUS PARA GUARDARDES A VOSSA PRÓPRIA TRADIÇÃO” (MC 7:9).

    SUPRACITADO PELO VULGO “CURADOR DE CEGOS”, ALIÁS, FURADOR DE OLHOS!

    Resposta ao senhor (furador de olhos)que gosta de datas:

    No primeiro século Sob Claudius I (41-54) – Nero (1ªperseguição aos Cristãos) – Vespasiano (69-79) e Domiciano (2ª perseguição 81-96)

    No segundo século: Sob Trajano (3ª perseguição aos Cristãos 98-117, Adriano (117-138), Antonino (138-161), Marcus Aurelius (4ªperseguição: 161-180).

    III e IV séculos sob Septio Severo (5ª perseguição aos Cristãos: 193-211, Alexandre Severo (222-235), Maximino I (6ª PERSEGUIÇÃO: 235 – 238), DÉCIO (7ªPERSEGUIÇÃO:249-251), VALERIANUS (8ª PERSEGUIÇÃO: 253-260). Aureliano (9ª perseguição: 270-275) – Diocleciano e Maximiliano (10ª perseguiçõa: 284-305), Licinio e Maximino II (307-324).

    IV SÉCULO. CONSTANTINO (303-337, VITORIOSO DE mAXÊNCIO, GRAÇAS AO LÁBARO, CONVERTEU-SE AO CATOLICISMO, e foi instrumento do qual Deus se serviu para permitir à Igreja de esmagar definitivamente o PAGANISMO.

    São SilvestreI (314-336) e São Marcos I, a partir de 336; ambos trabalharam na organização da Igreja. Logo porém a perseguição recomeçou e o calendário registra novos mártires.

    Sob Juliano o Apóstata (355-363) aparecem os mártires São Gordio, Santos João e Paulo, Santa Bibiana e São Donato.

    Sob Valentiniano I (364-375)E vALENTE (364-378):
    SÃO FÉLIX ii, Papa (355-366)-

    PARA FICAR EM PAZ, EM TEMPOS TÃO PERTURBADOS, AVULTADO NÚMERO DE CRISTÃOS REFUGIA-SE NA SOLIDÃO DE THEBAIDA. sANTOS PAULO O EREMITA E SANTO ANTÃO ABADE, etc..

    Quinto século: 3º Concílio em Éfeso condenou a Pelágio que negou a necessidade da GRAÇA e defendeu contra NESTÓRIO a unidade da Pessoa no Cristo e amaternidade Divina de Maria que daí procede.

    Conversão dos Bárbaros cujas hordas invadiram a Europa. Cerca do ano 454 Santa Ursula (cum toto tuo comitatu) foram assassinadas em nome da Fé.

    Sexto século – Grande Bretanha foi evangelizada a ponto de chamar-se a Ilha dos Santos.

    VII Seculo – tempo do glorioso São Gregório.
    No PANTHEON DE AGRIPA, rOMA REUNIRA TODOS OS DEUSES DO PAGANISMO; ESSE TEMPLO (Ímpio) naturalmente, desembaraçado de seus ídolos, é dedicado a 13 de Maio de 610, pelo Papa Bonifácio IV, À MÃE DE JESUS CRISTO NOSSO SENHOR E AOS QUE TESTEMUNHARAM FIDEDIGNAMENTE a palavra de Deus, o que marca definitivamente o triunfo de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre as falsas divindades que caíram por terra. Em 628, mais um Cristão, Santo Anastácio, para defender a Fé é morto por ordem do malvado rei Chosroes.

    VIII século S Bonifácio (+754), de Raça Anglo saxônica, sagrou Rei Pepino e converteu a Alemanha.

    IX seculo – Carlos Magno, Imperador, defensor dos Cristãos espalhou por toda parte a liturgia Romana e o Canto Gregoriano, maiores riquezas da Santa Igreja.

    Santo Estevão de Hungariae, Rei apostólico, por seu zelo ao cristianismo.

    São Canuto, o grande, (+1086) rei da Dinamarca, destruidor, entre seu povo, dos´últimos vestígios da idolatria, e surge também a piedosa Santa Margarida Rainha da Escócia, fieL seguidora de Jesus, e não de pompas reais.

    Nesta Época, no fianl deste mesmo século, precisamente a Igreja atravessa uma crise violenta. No Oriente, as forças Islâmicas são sempre mais ameaçadoras, no Ocidente, a luta do poder espiritual e temporal travou-se com grande aspereza. A simonia e o relaxamento se introduzem por filhos que desertaram das fileiras sagradas, mas, Deus em seu poder, para a Igreja suscita homens de sua Dextra santa, Hildebrando de Cluny, filho de São Bento, eleito Papa que restabeleceu a lei do celibato, aboliu toda e qualquer investidura e se opoz tenazmente às usurpações imperiais, excomungando o perverso Henrique IV imperador da Alemanha.

    XIII Século – Os cristãos que estavam cativos foram resgatados. Opera de misericórdia corporal.

    Contudo pelo ano 1200, mais de um milhão de cativos ,à escravidão dos Muçulmanos.

    Mas, de outro lado, a fim de se opor às desordens dos ALBINGENSES que invadiam o Sul da França, a providência Divina envia São Domingos, fundador dos irmãos pregadores.

    GRANDES CRISTÃOS:

    São Celestino V
    ISABEL DE HUNGARIAE
    HEDWIGES DE POLONIA
    SÃO LUIZ IX
    JULIANA DE MONTE CORNILLON
    URBANO IV

    Concílio de Latrão
    Concílio de lion

    xiv século

    O Sagrado Coração de Jesus manifesta-se.

    xv século – Joana D’ARC

    a TOMADA DE CONSTANTINOPLA – por Mahomet II, EM 1453, PRODUZIU A QUEDA DO IMPÉRIO DO oRIENTE, QUE DURAVA DESDE CONSTANTINO, justo castigo de sua falta e submissão a Igreja de Cristo.

    Cristovão Colombo descobre então o novo mundo e Vasco da Gama as Indias Orientais que indenizarão a Igreja (de Cristo) das perdas vai sofrer no século XVI, NA EUROPA.

    SÉCULO xvi – UMA ÉPOCA DOLOROSA. PAGANISMO RENASCENTE, O PROTESTANTISMO DIABÓLICO de padre Lutero, desertou das fileiras sagradas.

    O JANSENISMO NO INTERIOR, NO EXTERIOR O ISLAMISMO.

    MORREM OS MÁRTIRES DE GORCUM.

    CONTUDO para combater a barbária dos tempos modernos, no meio de uma plêiade de santos, nasce Inácio de Loyola, primeiro geral da Companhia de Jesus, esta nova cavalheria de Cristo, e seus gloriosos soldados.

    Eis que um glorioso filho de São Domingos sobe pela graça de Deus ao trono Pontifical: São Pio V PARA DESBARATAR, CONFUNDIR OS INIMIGOS DA IGREJA.

    Todos estes dados são Históricos, IDADE ABSOLUTA, vulgo “curador de cegos”; compilados por Dom Lefebvre, Gaspar; no Missal Quotidiano e Vesperal.1940. desclée de Brower e cie, Bélgica.

    DEPOIS DE TANTOS SOFRIMENTOS A IGREJA CONTINUA VIVA, sua paróquias e capelas superlotadas, Senhor, tantos santos e homens de sua dextra para regê-la, governá-la em santa paz.

    Alegam Maioria protestante? não assuta. Muitos serão chamados, poucos os escolhidos, como diz as Escrituras, Na verdadeira vocação.

    _______________________________________________________

    A porta larga da falsa teologia da prosperidade parece mais conveniente a alguns… Ai dos seus sequazes. Eis que no inferno baterá o relógio não tic-tac, todavia, nunca-nunca… Eis que os sofrimentos serão eternos, nunca terão fim.
    _______________________________________________________
    “Deixai-os. São cegos e guias de cegos. Ora, se um cego conduz a outro, tombarão ambos na mesma vala” (Mt XV, 14).

    lEMBROU SABIAMENTE O SENHOR JORGE FERRAZ.

  4. candido rubim rios

    Creio no sol,mesmo quando ele não brilha.
    creio no amor, mesmo quando não o sinto
    creio em Deus,mesmo quando Ele se cala…
    (escrita encontrada num refúgio cristão.)

  5. Sidnei

    Cândido, devo estar louco mesmo, porém faço isto mais é para exercitar a minha fé, até que é bom aparecer alguém aqui de vez em quanto como esse cara aí para expormos o que cremos, como disse São Pedro: “Portanto, não temais as suas ameaças e não vos turbeis. Antes santificai em vossos corações Cristo, o Senhor. Estai sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão de vossa esperança, mas fazei-o com suavidade e respeito.” (1º Pedro 3,15)

  6. candido rubim rios

    E exercer a paciência. Viu o texto bom do André depois do seu, duvido que ele volte. Boa noite a todos porque agora vou ver um filme de comédia, TÁ RINDO DO QUE. paz para todos porque hoje crescemos um pouco após a batalha.

  7. André Luiz Araújo Magalhães

    – Sec. I-II/Ano 33-196: Nesse período da História, a Igreja não aceitou ne­nhuma doutrina anti-bíblica.
    – Sec. II/Ano 197: Zeferino, bispo de Roma, começa um movimento herético contra a divindade de Cristo.

    Nota do Furador de olhos, perdão, “curador de cegos”.
    _________________________________________________________
    Preste atenção, quem começou um movimento herético contra a divindade de Cristo e apostatou foi Ario, não São Zeferino.

    No ano de 325, para apagar o incêndio provocado pelos hereges e conservar a paz e a ordem pública, Constantino convocou para a cidade de Nicéia o primeiro concílio de toda a catolicidade. No Concílio, a heresia foi condenada com horror pelos representantes do Papa Silvestre e por uns 300 bispos, menos dois. A fé na divindade de Cristo, sempre crida, foi novamente proclamada: Nosso Senhor Jesus Cristo é Deus igual e consubstancial ao Pai, ou seja, é Deus tendo a mesma substância divina que o Pai (Dz. 125). Ario e os seus cúmplices repeliram o Símbolo da Fé redigido no Concílio. Constantino desterrou-os.

    Já em tempos antigos, muito ANTES de tornar-se oficial o prólogo do Evangelho de São João ao final da Santa Missa (Dito último Evangelho – Missal de São Pio V) OS SACERDOTES POR DEVOÇÃO já rezavam este Prólogo ao caminharem para a sacristia. Prova irrefutável que a Santa Mãe Igreja sempre solícita, pregou uma só doutrina, uma só Fé!

    Nós genuflectamos às palavras ET VERBUM CARO FACTUM EST.

    Eo Verbo se fez Carne. et habitavit in nobis, e habitou entre nós.

    Contra esta heresia de Ario que naturalmente apostatou, vem á lume o Santo Concílio de Nicéia.
    ________________________________________________________
    Como a Igreja prega outra doutrina se Ela, por sua Solicitude derrota seus adversários, ou seja, os inimigos da Fé, com a pregação da Palavra de Deus.

    Em relação à folhetos, pelo que eu saiba, os vulgo “crentes”, porque nada tem de crentes e sim de protestantes e esta é a denominação legítima sujam as nossas cidades com publicações distorcidas delapidadas da Escritura truncada. Coluna truncada não é base de Fé.
    Na Igreja Romana existe o Missal, que custa caro á muitos fiéis, portanto paróquias assumem o ônus de publicações bíblico-litúrgicas para acompanhamento celebrativo de rito ordinário, e do ordo Missae, excerto do Missal de Pio V para os fiéis que não podem comprar o Missal Romano quotidiano, da forma extraordinária de culto à Deus.

    VocÊ foi persuadido por alguém porque São Zeferino, Coluna da FÉ, DEFENDEU O DOGMA DA UNIDADE DE DEUS E DA TRINDADE DAS PESSOAS, contra os sabellianos.

    Tanto que seu sangue foi derramado. E o sangue de Lutero foi derramado por acaso? Pelo contrário, morreu ignominiosamente.

    Para ti, furador de olhos, vai a mensagem do pergaminho do Anjo do púlpito esquerdo da Igreja de Candelária no Rio de Janeiro:

    Audite, audite, e vivet anima vestra.

  8. O CURADOR DE CEGOS

    [LIXO]

    [Não se faça de doido. O sr. está me devendo a bula papal do ano 197 que nega a divindade de Cristo. Enquanto não a trouxer, não vai despejar mais lixo aqui. – J.F.]

  9. O CURADOR DE CEGOS

    O CURADOR DE CEGOS . :

    O que vcs estão respondendo???
    Vcs não tiveram a coragem de publicar o que escrevi!!
    Como as demais pessoas que lê o seu artigo vão saber o que escrevi é lixo???.Ou vcs querem dizer que se não interessa a vcs não interessa a mais ninguem????É isso???

  10. Jorge Ferraz Post author

    Sr. herege cego,

    Este último comentário do senhor foi extraordinariamente liberado só para que eu lhe explique, pela última vez, como as coisas funcionam aqui.

    Quer comentar? Comente. Mas aqui as pessoas são responsáveis pelas coisas que comentam. Não podem ficar despejando lixo a torto e a direito.

    O senhor fez um monte de afirmações inverídicas nos comentários que postou aqui. Antes de postar outras coisas, vai precisar provar cada uma delas (ou se retratar).

    A primeira afirmação inverídica do senhor foi a seguinte:

    “Sec. II/Ano 197: Zeferino, bispo de Roma, começa um movimento herético contra a divindade de Cristo”.

    Portanto, prove que o Papa Zeferino começou “um movimento herético contra a divindade de Cristo”. Cadê a bula papal que estabelece este movimento herético? Cadê o livro do Papa onde ele expõe esta tese inusitada?

    Antes de provar isto, tu não vais escrever mais porcaria nenhuma aqui. E, quanto a “[c]omo as demais pessoas que lê (sic) o seu artigo vão saber o que escrevi é lixo”, a resposta é muito simples: basta que elas leiam o que tu escreveste até agora, e a tua recusa sistemática em provar as afirmações que faz.

    Agora, pare de choramingar e aja como homem.

    – Jorge

  11. Sidnei

    – Sec. II/Ano 197: Zeferino, bispo de Roma, começa um movimento herético contra a divindade de Cristo.

    Tem algo que não consigo entender deste pretenso “curador de cegos”, da onde ele foi buscar que o Papa São Zeferino já era Papa em 197, o qual consultei em mais de uma lista papal e todas elas indicaram que o Papa São Zeferino só venho a ser Papa em 199, então como o Papa São Zeferino começou um movimento herético em 197 contra a divindade de CRISTO se nem Papa ele era ainda?

  12. Carlos

    Caro Sidnei,
    Eu já disse, o problema desse cara não é nem a cegueira. É a burrice mesmo.

  13. André Luiz Araújo Magalhães

    Ou vcs querem dizer que se não interessa a vcs não interessa a mais ninguem????É isso???

    Vulgo curador de cegos, furador dos próprios olhos.

    ________________________________________________________

    Aqui interessa-nos a verdade e tão somente ela liberta. O erro que pretende disseminar por aqui é lixo, bem como lixo é tudo quanto prega. Deus lo vult não é lugar para lixo. Lixo é para ser publicado na espelunca onde frequentas. Deve se retratar, porque o que afirma é mentira, não tem provas, pois estas não existem naturalmente. E, historicamente falando, a sua acusação não procede. Há infidelidade até em relação à data. Todos aqui cansaram em dizer-te que em 197, Zeferino não havia sido eleito & coroado Papa. São Zeferino combateu as heresias dos Sabellianos.

    São Zeferino, rogai pela sua alienação.

  14. César

    Caros irmãos,

    Fiz meus comentários deste post, que no início tinha como assunto o uso de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos. Bem, noto que o assunto se desvirtuou. É uma pena, pois tudo isso comprova o que meus 45 anos de vida vêm me ensinando. AS RELIGIÕES SÓ SERVEM PARA SEPARAR. O que deveria ser um caminho para a libertação somente consegue cegar e jogar uns contra os outros.
    Meus irmãos, espero que com o decorrer de suas vidas e com a experiência que deverão adquirir, entendam que as religiões só servem para que os líderes das mesmas, que por vaidade ou por idolatria ao lucro se valem das mesmas,obtenham seus propósitos com a ajuda de homens bem intencionados, porém iludidos.
    Não espero que nenhum de vós concordem comigo neste momento, pois vejo que todos vcs possuem a VERDADE ABSOLUTA dentro de suas religiões, interpretando tudo da maneira como convém aos seus líderes.
    Mas um dia espero que o que Jesus tentou nos ensinar, abrindo nossos olhos, realmente faça sentido em suas vidas. Então, religiões não farão mais diferença.
    Gostaria apenas de pedir que cada um de vcs deixasse por um segundo suas convicções religiosas e se perguntasse: Jesus despreza aos que crêem nele mas não são da minha religião?
    Me despeço, encerrando minha participação neste post, desejando a todos um vida cheia de iluminação, dentro da DOUTRINA de nosso mestre Jesus.

    Fiquem com Deus!

  15. Abrão Iuskow

    Caríssimos. Eu também cheguei a este blog a partir da questão primeira dos símbolos. Quanto à longa discussão católicos versus protestantes, apesar de apaixonante (de ambos os lados) penso mesmo que não podemos esquecer da caridade cristã. Posto aqui meu artigo para o Jornal Missão Jovem, sobre os símbolos. O estilo segue o formato do jornal.

    A QUESTÃO DOS SÍMBOLOS
    Motivado pela festa da Santa Cruz, me atrevo a dar minha opinião sobre um debate que tem como objeto a CRUZ.

    Quem vive sem símbolos? Nenhum ser humano. A própria história da humanidade é ligada aos símbolos. Cada civilização poderia ser representada numa única imagem que carrega em si os anseios, as buscas e as apostas das pessoas daquela época. Também cada grupo, das nações às tribos urbanas, se colocam por detrás de um símbolo como um soldado se coloca atrás de seu escudo. O símbolo ao mesmo tempo nos identifica e nos protege.

    Os cristãos também, desde a origem do cristianismo, escolheram a CRUZ, o símbolo que marcou a vida e a morte do Mestre que eles apresentavam como o Salvador do mundo. Assim se expressava São Paulo: Nós pregamos um Messias crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos I Cor 1,23).

    Cristianismo sem cruz?
    Há grupos de cristãos que quer nos apresentar um cristianismo sem cruz. No entanto, não basta dizer “Pare de sofrer” para que isso seja possível. A cruz, abraçada por Cristo, e que identifica o mundo cristão, aponta exatamente para a realidade do sofrimento, dizendo claramente que vale a pena insistir no amor e no perdão mesmo quando não há mais garantia humana.

    Uma data para a Cruz?
    A tradição católica tanto se apegou a esse símbolo que reservou o dia 14 de setembro como o dia da Exaltação da Santa Cruz. Atualmente, este é um tema que está causando polêmica. Vejamos as notícias:

    O CASO ITALIANO
    A Corte Européia de Direitos Humanos, no dia 3 de novembro 2009, proibiu que as escolas italianas mantivessem os crucifixos nas salas de aula. Justificativa: a cruz poderia perturbar as crianças não cristãs. A proibição causou indignação na Itália, onde este símbolo religioso faz parte da tradição e cultura nacional.
    “Essa é uma decisão abominável”, disse Rocco Buttiglione, ex-ministro da Cultura. “Tem de ser rejeitada com firmeza. A Itália tem sua cultura, suas tradições e história. Aqueles que vierem morar entre nós têm de compreender e aceitar esta nossa cultura e esta história”, disse ele.
    Franco Frattini, ministro de Relações Exteriores, falou em “golpe mortal em uma Europa de valores e direitos” Os crucifixos nas paredes de dezenas de milhares de salas de aula “não significam adesão ao catolicismo”.
    Zenat, menina muçulmana, de origem egípcia, declarou: “Se o crucifixo está lá, eu, como muçulmana, vou continuar a respeitar a minha religião. Jesus na sala de aula não me incomoda”.

    E NO BRASIL?
    Por causa desta proposição, apresentada por uma associação de ateus e agnósticos junto ao Ministério Público Federal (MPF), continua aceso o debate a respeito da presença ou não de símbolos cristãos, sobretudo do crucifixo, em repartições públicas brasileiras. Há quem justifique dizendo que o Brasil é um “Estado laico” e que, portanto, seria ilegal continuar permitindo tal praxe.
    Sobre isso, o jornalista Gilberto de Mello Kujawski, membro do Instituto Brasileiro de Filosofia, argumenta que o “país” Brasil que é, em sua maioria, católico. Quem é laico é o “Estado” brasileiro. Portanto, a laicidade deste Estado não se estende por lei a toda a nossa sociedade. “Se assim acontecer, cairíamos no pior totalitarismo”.
    Nesse argumento, ele concorda com a juíza federal em São Paulo Maria Lúcia L. Ursaia, que delimitou a questão, afirmando que “a presença de símbolos religiosos em prédios públicos não ofende os princípios constitucionais da laicidade do Estado”.
    E complementa: “O Estado laico foi a primeira organização política que garantiu a liberdade religiosa. Assim sendo, a laicidade não pode se expressar na eliminação dos símbolos religiosos, mas na tolerância aos mesmos”.

    A Terra de Santa Cruz questiona!
    Há também aqueles que afirmam não ser conveniente que um crucifixo esteja em certos ambientes onde se manifestam atitudes de incredulidade, de irreverência ou mesmo a injustiça e a corrupção. Os crucifixos deveriam ser retirados destes ambientes, defendem eles.
    Ao nosso ver, mesmo que assumisse esta suposição como verdadeira, a própria Igreja teria muitas dificuldades de retirar os crucifixos destes ambientes públicos, pelo fato de que os crucifixos, sendo os símbolos máximos da fé católica, pertencem à tradição do povo brasileiro. Curiosamente, também neste caso, seria tarefa do Estado laico garantir esse direito de manifestação religiosa.
    O que há de positivo nisso?
    Encarada positivamente, esta discussão sobre o comportamento do Estado e da sociedade em relação aos símbolos nos oportuniza uma maior conscientização a respeito do valor dos símbolos na vida de nossa sociedade.

    A cidadã italiana de origem finlandesa, que entrou com uma ação solicitando a retirada dos crucifixos nas escolas italianas, possibilitou aos italianos e aos europeus uma interessante discussão sobre o significado da cruz de Cristo e a necessidade de uma tomada de posição frente à questão levantada. Já são 20 países europeus que se juntaram à Italia para defender que “está em conformidade com o bem comum o fato de que Cristo esteja presente e seja honrado na sociedade”. Podemos perceber, por esta polêmica, a real importância de um símbolo? Leia mais em http://www.missaojovem.com.br
    Da mesma forma Daniel, cidadão de São Paulo, forçou-nos a refletir mais profundamente sobre o valor de nossas raízes cristãs e católicas. Há males que vem para o bem, diz o provérbio.

  16. Ricardo

    Para a juíza, o Estado laico não deve ser entendido como uma instituição anti-religiosa ou anti-clerical. “O Estado laico foi a primeira organização política que garantiu a liberdade religiosa. A liberdade de crença, de culto e a tolerância religiosa foram aceitas graças ao Estado laico e não como oposição a ele. Assim sendo, a laicidade não pode se expressar na eliminação dos símbolos religiosos, mas na tolerância aos mesmos”,

  17. Santos

    A cruz é um símbolo do evangelho relatado pela Bíblia. Todos os religiosos afirmam crer na Bíblia… Professo a minha fé Cristã, ”Eu tenho um crucifixos, não sou inimigo da cruz. Sou católico apostólico, só não sou romano. Jesus disse que a salvação veio dos Judeus, ( Bíblia católica – em João. 4. 22. “…porque a salvação vem dos judeus”. mas não preciso ser judeu para ser salvo e muito menos romano.

    Não há nada de errado ter uma foto de alguém que amamos o errado se passar a fazer orações a essa pessoa. A bíblia Católica em Timoteo. 2.4-5 diz: o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem… Essa é a verdade que deveria está acima das tradições dos homens.

    O catolicismo romano vai surgir no século III da era Cristã, em Roma introduzida por Constantino, nesse período muitos cristãos sinceros foram expulsos da convivência (perderam o direito nominalmente ser cristão) por não aceitarem união entre a Igreja e o Estado Roma, uns foram para o deserto, outros se tornaram de “esquerda”, e outros “marginalizados”. E quem prevaleceu? Os que aceitaram a união com o estado – é claro… Poder dado pelo próprio estado… marginalizaram os que foram expulso, porque era assim no inicio da era Cristã, desde Jesus Cristo, que foi preso e condenado pelos príncipes judeus e governantes romanos, até os apóstolos no século I e II, sofreram com os governantes Romanos. Isso é algo que ninguém vai apagar da historia.

    Até o que sabemos dos relatos dos escritos da Bíblia de versão católica, os verdadeiros Cristão sempre foram hostilizado pelo Estado Roma. Roma na gestão de Constantino tentando perpetuar seu império viu no cristianismo seu plano ambicioso. Mas como sempre na história nem todos são de acordo, e é daí que surge o estereotipo “os de esquerda” ou os marginalizados que são os “fracos”.