Cáritas e evento abortista

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 5 meses 14 dias atrás.

Só avisando quem não acompanhou pelo Twitter os sofrimentos desta sexta-feira: o escândalo continua, desta vez no site da Cáritas Brasileira. A CNBB retirou do seu site (aliás, até com louvável prontidão) a divulgação da Marcha Mundial das Mulheres; mas o pessoal da Cáritas, até agora, mantém em seu site a notícia segundo a qual mulheres do semiárido participam da 3ª Ação Internacional. O escândalo permanece: uma “rede da Igreja Católica de atuação social composta por 162 organizações presentes em 200 países e territórios, com sede em Roma” está divulgando uma marcha feminista e abortista!

E, infelizmente, isto não destoa do teor do site mantido pela referida associação. Citando – e fazendo meu – o desabafo do Murat [primeiro link acima]:

E este lixo esquerdista no site da Cáritas? É para isto que eles solicitam doações? Para dar voz a eventos de abortistas, como se eles ainda não tivessem espaço de sobra na grande mídia?

Domine, miserere nobis. Nesta primeira sexta-feira do mês, rezemos em desagravo ao Sagrado Coração de Jesus. Pelos escândalos provocados, pelos ultrajes e traições. Cor Iesu Sacratissimum, miserere nobis.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

19 thoughts on “Cáritas e evento abortista

  1. Daniel

    A sexta-feira de hoje parece mais o novo episódio de sexta-feira 13… um horror!

  2. Fernanda

    Acabei de enviar um email pra Cáritas:

    Venho comunicar que NUNCA MAIS doarei um centavo sequer a esta organização que apóia e divulga passeatas abortistas.

    Repassei a notícia a todos os meus contatos do email e pedi encarecidamente que eles também nunca mais ajudem esta instituição. Ligarei pra meus familiares e vou pedir o mesmo.

    A Cáritas se faz de surda aos apelos de nosso Papa, o Vigário de Cristo na terra e prefere seguir a Teologia da Libertação de Boff e este relativismo estéril que as ditas “mulheres pela liberdade feminina de assassinar os próprios filhos” dizem defender.

    Meu dinheiro, somente para obras daqueles que amam e obedecem os ensinamentos da Madre Igreja.

  3. Carlos

    Também mandei um email bem desaforado para a Cáritas.
    E agora eu entendi: no site eles dizem que são associados à CNBB. Então tá explicado. Tem que defender o aborto mesmo, senão a CNBB rompe a parceria.
    Carlos.

  4. Carlos

    Muito bem, Fernanda!
    Fiz o mesmo que você. Em vez de doarmos dinheiro para quem patrocina o aborto, vamos doá-lo a quem o combate. Por exemplo ao Pró-Vida de Anápolis, do Padre Lodi, ou a algum outro grupo Pró-vida reconhecidamente sério. O Pe. Lodi, eu conheço, convence as moças a não abortarem e, depois, muitas vezes, acaba tendo que dar alojamento, comida, roupa etc., para as mães para os bebês. É um herói esquecido e abandonado pelas cnbb’s e cáritas da vida.

  5. vanderley

    Entre as pragas para o Egito só faltou a TL.

    Isso tudo em plena QUARESMA !!!

    Misericórdia !!!!

  6. Thi

    essa caritas nao tem mais jeito…ouvi dizer que quem manda lá é o herege Betto…ele é abortista militante!!

  7. Antonio

    Outra coisa dolorosa é colecionar evidências de que a CNBB muitas vezes se auto-censuraria não pela reparação de um ato falho, mas maliciosamente porque uma notícia teria ganhado notoriedade a um nível que poria em risco ou prejudicaria a própria causa que quereriam propagar.

    É a velha estratégia dos modernistas de um século atrás. Afirmam, ensinam, etc. Se censurados forem ou se perderem o controle da situação, resignificam, desdizem enquanto aguardam a próxima oportunidade.

  8. Candido Rubim Rios

    Acabei de receber um e-mail da última profecia de Fátima, não sei se vocês conhecem na íntegra e também não sei se é verdadeiro, embora não fale diretamente de aborto(assassinato)mas fala do fim dos ímpios, de terremotos devastadores, maremotos, assassinato de um lider e bomba nuclear(Irã,Coréia do Norte, Est. Unidos)fala do não cumprimentos dos homens aos dez mandamentos(aborto?)da corrupção da igreja,(Um auxiliar do papa foi afastado por atividades homosexuais) e muito mais, quem quiser repasso no ato. Será que estamos chegando ao fim e consequentemente ao início de uma (agora sim) nova época e não nova era? Sabemos que os valores morais não estão indo, já foram. Que Jesus nos abençoe e fiquemos na sua paz.

  9. Willian

    Aproveito para anunciar meu novo blog, do qual vários seminaristas, do Brasil inteiro, contribuem com suas reflexões filosóficas e teológicas. Fizemos isso, movidos pelo pedido de nosso querido Pastor, Bento XVI que impulsiona a Evangelização pelos meios de comunicação. Agradeço as visitas. Também convido a todos anunciarem, a fim de que a Boa Nova de Jesus possa se expandir ainda mais pelos meios de comunicação.Aqui vai nosso blog: ecclesiammeam.blogspot.com
    ANUNCIEM!

  10. anginha

    Mas no catecismo fala que antes do fim dos tempos a Igreja passaria por algo que abalaria a fé de muitos ,atravez de uma impostura religiosa.ESSA IMPOSTURA SÃO DOS SACERDOTES SEGUIDORES DE JUDAS ATUAIS!PERMANEÇAMOS FIRMES NA FÉ CATÓLICA SEGUINDO JESUS E PEDRO(PAPA E MAGISTÉRIO OBEDIENTE Á ELE ).JUDAS SEMPRE EXISTIRAM, E AGORA ELES VÃO ENTREGAR JESUS (SUA IGREJA) DE NOVO Á MORTE.MAS SÓ QUE AGORA JESUS VAI VOLTAR GLORIOSO E ACABAR COM ESTES QUE COMETEM ESCÃNDALOS E FAZEM OS OUTROS PECAR.
    MAS EXISTEM OS SACERDOTES FIÉIS ,GRAÇAS A DEUS.EXEMPLO DISTO:
    Arcebispo de BH critica PNDH-3 por golpe à liberdade de expressão que também atinge a vida

    BELO HORIZONTE, 06 Mar. 10 / 12:30 am (ACI).- Em um recente artigo intitulado “Liberdade de expressão”, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, Arcebispo de Belo Horizonte (MG) critica o PNDH do governo Lula porque em sua formulação, “a liberdade de expressão, enquanto valor fundamental da cidadania e coluna de sustentação da democracia, está frontalmente golpeada” e que “esse golpe atinge também a vida”, “para merecer atenção especial e reação da sociedade, quanto à descriminalização e legalização do aborto”.

    “A liberdade de expressão, enquanto valor fundamental da cidadania e coluna de sustentação da democracia, está frontalmente golpeada na formulação do 3° Plano Nacional de Direitos Humanos, do Governo Federal. Esse golpe atinge também a vida, vale lembrar, para merecer atenção especial e reação da sociedade, quanto à descriminalização e legalização do aborto”, afirmava o arcebispo.

    “Não se pode cansar de dizer, para iluminar a consciência moral na sociedade, que o aborto é um abominável delito e se constitui numa desordem moral, particularmente grave. É uma gravidade que remete ao confronto com exigências éticas fundamentais, aquelas que, em última instância, têm a força de iluminar, regular e substituir as opções legislativas e políticas que são, incontestavelmente, contrárias a princípios e valores inegociáveis”, destacou.

    “É lamentável que entendimentos errôneos da laicidade estejam comprometendo o respeito a verdades resultantes do conhecimento e do direito natural. Esse equívoco tem sido justificado em razão da compreensão também inadequada quanto à busca sincera dessas verdades, dever de todos, enquanto contemporaneamente são ensinadas por uma religião específica. É um tremendo e nefasto engano abrir mão de verdades morais concernentes à sociedade, como o direito à vida, à liberdade, a justiça e outros direitos humanos, por esta confluência existente entre pregação religiosa e dever governamental e político de defesa e promoção integral da pessoa e do bem comum”, enfatizava o arcebispo da capital mineira.

    Dom Walmor alertava também que “quem rege sua consciência pelos valores cristãos tem o dever de avaliar apuradamente a escolha de instrumentos políticos, como a adesão a um partido e outras expressões de participação política, no compromisso de escolher o caminho que mais possa assegurar coerência na vivência de sua fé”. “Neste sentido –prossegue-, o Compêndio da Doutrina Social da Igreja n. 573, citando o Papa Paulo VI na sua Carta Apostólica Octogésima adveniens n. 46, afirma que “as instâncias da fé cristã dificilmente podem ser encontradas numa única posição política: pretender que um partido ou uma corrente política correspondam completamente às exigências da fé e da vida cristã gera equívocos perigosos. O cristão não pode encontrar um partido que corresponda plenamente às exigências éticas que nascem da fé e da pertença à Igreja: a sua adesão a uma corrente política não será jamais ideológica, mas sempre crítica, a fim de que o partido e o seu projeto político sejam estimulados a realizar formas sempre mais atentas a obter o verdadeiro bem comum, inclusive os fins espirituais do homem””.

    Mais adiante, Dom Walmor afirmou que “a escolha do partido, da corrente política e das pessoas a quem confiar a vida pública não se faz apenas individualmente e deixando de lado princípios éticos e morais e os valores da fé”, advertindo que “Essa indispensável iluminação é garantia também de um exercício arejado das responsabilidades e competências governamentais. Assim também serão evitadas as posturas, ideologicamente justificadas, que levam a exageros e polarizações comprometedoras e propensas a totalitarismos de toda ordem”.

    Referindo-se à imprensa e os meios de comunicação Dom Oliveira afirmava que “a imprensa deve ser sempre crítica, nunca caluniadora, e os cidadãos todos, sem exceção, especialmente os que exercem autoridade política por delegação popular, devem construir seus exercícios e desempenhar seus papéis com a lisura de quem respeita e promove o bem comum. Não devem existir razões para temores e precauções com controles e cerceamentos indevidos. Os meios de comunicação balizados nesses princípios que determinam o bem moral e a estruturação ordenada e a condução da vida social, precisam ter ampla liberdade, (…). A verdade, a justiça, o amor e a liberdade de expressão favorecem o autêntico desenvolvimento”, assinalou o bispo.

    Finalmente Dom Walmor afirmou a existência de “um legítimo respeito à liberdade de expressão, capítulo fundamental da cidadania, que estrutura a autonomia da mídia no seu serviço indispensável, remetendo a responsabilidades graves quanto ao que se diz ou não”.
    “Os servidores da área e os cidadãos todos, na sua competência de construir uma sociedade justa e solidária, são instados à conduta de portadores de uma lisura moral inquestionável. Esta é a verdadeira força que fecunda a esperança, a que vence o medo: o medo da liberdade de expressão”, concluiu.

    Para ler o artigo na íntegra, visite a página da Arquidiocese de BH em: http://www.arquidiocesebh.org.br/site/artigoArcebispo.php?id_artigoArcebispo=503

  11. Blog Mallmal

    Jorge, eu entendo (embora não concorde) as suas rusgas com os abortistas. Mas o que você tem contra as feministas?

  12. Alien

    E a Cáritas mantém firme o anúncio, não é? Eles chegaram a responder a alguma mensagem de vocês?

  13. Messias

    Eu também enviei uma mensagem e prometeram uma resposta. Até agora não chegou nada.

  14. Roberto

    “Paz a esta casa.” São Mateus 10, 12

    Lamentável o tipo de pessoas (padres, bispos e aspones) que são responsáveis por alguns organismos e representações de nossa Santa Igreja Católica. Miseráveis pecadores! Mal intencionados ou imprudentes? Não seguem o Mestre: “Sejam puros como pombas, mas prudentes como serpentes.”
    Hipócritas. Túmulos caiados!
    Este bando de mal-carater ou imprudentes não pesquisam as entidades e eventos que apoiam? Ou o fazem para tentar destruir a Esposa de Cristo?
    Tristeza.
    Pois é, e contribui na campanha do Haiti. Foi para lá o dinheiro?
    Bem, sou colaborador da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS). Recebo os boletins deles e vejo onde é aplicado a ajuda.
    Creio ser um organismo sério.
    Cáritas? No more!
    Rezemos, pois, a Cristo Jesus, o Filho de Deus, para que nos proteja da CNBB e outros “organismos”.

  15. Candido Rubim Rios

    Pois é Roberto, quando acusamos com provas e não levianamente, pretendemos com isso edificar a igreja de Jesus Cristo, sabemos que todos nós erramos, por isso mesmo é dever de todos os católicos apontarem os desvios de conduta moral, ética e aqueles que não respeitam o santo papa. Acontece que nem sempre somos aceitos, nos rotulam. Agora mesmo fiz acusações contra o bispo de Niterói, não que ele seja um monstro, e já estão quase me ofendendo por isso, reafirmei e provo o que disse em respeito a igreja que é do povo e não de certos padres e bispos. Aborto é crime seja como for e a igreja condena veementemente.