OFF – All the lonely people

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 8 meses 25 dias atrás.

Registre-se para perpétua memória: eu estive no show de Paul McCartney do Morumbi. Em um impulso de prodigalidade, mandei-me às pressas para São Paulo. Fui. Vi. Voltei. Escrevo já em Recife, com apenas ligeiras horas de sono durante o vôo, mas ainda com as músicas da noite nos ouvidos. Valeu cada centavo, cada hora de sono perdida, cada músculo do corpo dolorido.

Entrei no Morumbi (pista) quase às nove e meia, pouco antes do show começar. Ao meu redor, todas as arquibancadas lotadas. À minha frente, todo o campo do estádio tomado de gente. Arrisquei-me ir até quase o meio do campo; mais para frente, estava complicado de passar. Os telões e o (excelente) sistema de som encarregaram-se de garantir a qualidade do show. A enorme lua cheia, perfeitamente redonda, enfeitava a noite dando-lhe um clima festivo. E eu, no meio do Morumbi junto com mais algumas dezenas de milhares de pessoas, esperávamos o Paul entrar.

Ele não nos deixou esperar quase nada: a pontualidade inglesa venceu o tradicional atraso brasileiro. Sorridente, blazer azul, sotaque britânico: durante as quase três horas do show, Paul McCartney teve o Morumbi inteiro nas mãos.

Porque um Beatle é um Beatle é um Beatle: é impressionante. Bastava a introdução de uma música conhecida para fazer o estádio reverberar. Qualquer sorriso, aceno ou piscadela do Paul arrancava aplausos da enorme platéia. Bastava-lhe um gesto para um lado do estádio e, de repente, toda a arquibancada daquele lado levantava-se em braços erguidos. Bastava-lhe cantar um “yeah, yeah” no microfone que, no instante seguinte, todo o Morumbi cantava com ele.

Cantar “Let it Be” com o isqueiro aceso no alto; admirar os fogos de artifício sincronizados com a música; repetir incontáveis vezes o “na-na-na-nanana-ná” de “Hey Jude”; dançar e pular quando, após ensaiar uma despedida, Paul voltou com uma grande bandeira do Brasil e tocou “Day Tripper”; cantar “All my Loving” a plenos pulmões! A noite foi espetacular. Difícil até de descrever, para quem não estava. A lua subia rápido no céu, mais rápido do que o costume. As horas passavam depressa, e queríamos que não passassem. O espetáculo foi primoroso.

O homem tem quase setenta anos e, mesmo assim, fez um show memorável. Não interrompeu o espetáculo em nenhum momento; apenas duas rápidas tradicionais saídas, para voltar em seguida levando ao delírio a multidão que gritava o seu nome. Corria pelo palco, arriscava dançar, passava do violão para o piano e, deste, para o bandolim e o violão novamente. Fez todo mundo cantar e dançar a noite inteira! E eu, lonely person no meio da multidão, concedia-me o inefável prazer de cantar alta e desafinadamente as músicas das quais gosto, com o meu péssimo inglês, dançando do meu jeito desengonçado. Viera de Recife, não podia perder esta chance. Thank you, Paul!

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

378 thoughts on “OFF – All the lonely people

  1. Ricardo

    Jorge está incluso, Carlota, ou voce é medrosa demais para confirmar?

    Devo te chamar de covardona?

  2. Sandra

    Afinal, qual conclusão chegamos?

    Que o show do Sir Paul foi MA-RA-VI-LHO-SO.

    Que depois de meio século os Beatles ainda causam polemica e discussões acaroladas!

    Que eu iria novamente amanhã se houvesse outro show.

    Quem não gosta…paciencia

  3. Carlos

    E aí, Ricardona!
    Sabia que você era bichona desde o início. E aí, vai assumir, ou é medrosa demais para confirmar?
    Já escolheu o ratinho para fazer seu filho?
    Bicha louca!

  4. Leniéverson Azeredo Gomes

    Sandra, eu tbm acho que é possivel ser mulher, mãe e trabalhadora ao mesmo tempo.Porem, a mulher tem de ser coluna na Igreja.Não pode usar o trabalho para justificar o fato de não querer ter muitos filhos ou defender heresias diversas.

  5. Renato Lima

    Pedro, concordo com você.

    Comecei a desconfiar do neo-conservadorzinho Jorge Ferraz quando ele começou a querer ser democrático liberal (maçonaria).

    É claro que é cristão ensinar aqueles que estão no erro. Mas isso também se dá quando os que estão no erro estão dispostos a aprender, e aceitar que estão no erro.

    Sandra Nuenes, Ricardo, profeta do profano e outros que aqui deixam os seus comentários claramente anti-católicos, não estão nenhum pouquinho dispostos a se arrependerem de seus erros aberrates e esquizofrenicos.

    Por que continuar dando espaço para eles comentarem?

    Será que o neo-modernista do Jorginho não percebe que muitos católicos fracos na fé que aqui entrarem ficaram confusos e futuramente poderam se perder nesses pensamentos cretinos dessas pessoas?!

    Qauntos comentaristas passaram por aqui, e continuam passando, escrevendo comentários debochados e idiotas, e o neo-conservador Jorge Ferraz não toma nenhuma atitude em relação a essa baderna?!

    O Carlos, a quem muito admiro, que agora perde tempo debatendo com o moderninho idiota Ricardo, também me criticou (e creio que o Carlos fez isso com a mais boa das intenções) quando eu mostrei como o neo-consrvadorzinho do Jorge Ferraz estava tento esta estranha atitude democratica liberal!

    O mais engraçado é que esse neo-conservador do Jorge Ferraz adora colocar artigos defendendo gnósticos como o Julio Severo e psicologas protestantes como aquela tal Dra. Rosângela com seus abaixos-assinados que não valem nada, mais ele se esquece que lá no blog dessa gente, católicos que escrevem para os blogs dessas pessoas são impedidos de comentar, principalmete se é para responder artigos nojentos anti-católicos escritos por esses protestantes.

    Bem Jorginho modernista, você poderia copiar nesse sentido os seus “irmãozinhos separados” e parar de colocar comentários de idiotas no seu blog modernista.

    Seja homem rapazinho!

  6. Ricardo

    É só um exercício de imaginação, claro, mas gostaria de fazer uma pergunta ao Jorge:

    -Se lhe fosse dado saber antecipadamente de toda essa grita contra sua ida ao show de um ex-beatle, que lhe iam atirar todas essas pedras (ainda não sei por qual milagre não começaram a fazer uma campanha para retirar o “Selo Dom José de Ortodoxia Católica”), de tudo quanto lhe chamaram, voce ainda faria um post igual?

  7. Priscila

    Todo esse bla´blá blá me cansou. Nossa!
    Tanto tempo desperdiçado….Jorge, por favor, encerre este tópico, pois dá pena de ver tantos se dizendo católicos, desejando a benção de Deus em meio a tanto confronto por nada.
    Não vejo nada de diferente dos fariseus tão contestados no último domingo por S. Joao Batista..É preciso converter o coração e nao apenas ser batizado…mas é claro que todos aqui devem ter participado do preceito dominical e escutado atentamente à homilia – espero que tenham as mesmas Graças que recebo ao participar de excelentes formações numa Arquidiocese que só cresce e da qual me orgulho de pertencer.
    Enfim, não consigo entender..tanta decepção com o autor do blog e por que então continuar aqui? por que continuar a atacar o dono do blog? Desmascarar o q? Criem um blog, exponham suas opiniões e encontrarão seguidores…espero de verdade que encontrem equilíbrio…
    E q se lembrem de algumas cositas fundamentais e lembradas em diversos discursos de Sua Santidade: Deus é misericórdia e somos chamados à Verdade.
    Falar de seu lazer..é saudavel, Jorge. Não vi nenhum problema..se ninguem tivesse comentado..ninguem teria dado tanto enfase, nem feito tanto estardalhaço em cima de um off-topic como outros já feitos aqui – o que acho natural – pois embora o blog seja voltado para falar de formação católica..é um blog e como tal reflete um pouco da pessoalidade de seu autor. Se o Jorge quisesse apenas passar textos formativos criaria um portal..ou algo do genero.
    Se todo mundo que acessa esse topico estiver em busca da santidade…não perderá tanto tempo tentando tirar a trave do olho do irmao.
    Vamos falar do advento, do natal, da paz…e parar de se preocupar com o lazer do Jorge….(ah! ainda bem que vc trabalha né, Jorge, e nao importa quanto e com o que gasta seu dinheiro…Ficaram tao preocupados com o valor do show…a quem importa?)
    Estou ansiosa p/ ler mais sobre esse tempo liturgico em que estamos…vamos lá!

  8. Carlos

    Caro Renato Lima, Salve Maria!
    Sinceramente, não me lembro de jamais tê-lo criticado. E se eu o fiz, peço perdão e retiro tudo o que disse. Se aconteceu, foi fogo amigo… Me perdoe…
    Carlos.

  9. Carlos

    E, então, Ricardona vai assumir ou vai continuar embromando? Não adianta disfarçar, filha, já te desmascarei! Bicha nojenta!

  10. Leniéverson Azeredo Gomes

    ***********************************************************
    Olá, Priscila, este tópico não pode ser encerrado, pois uma discussão como essa não se esgota em si e por si.
    **********************************************************
    Gente, eu torno a dizer, não é pelo fato de sermos católicos praticantes que nos é vedado gostar de música secular.Nem todas elas são ruins e tem letras depravadas\depravantes.Quanto ao Paul eu insisto, ele, de fato tem um histórico de vida anticristão sim, mas muitas de suas letras são bonitas sim – e é essa particularidade que confunde naturalmente as pessoas, pois nos perguntamos, nós devemos escutar letras de um cantor que teve a trajetória de vida errada, mesmo se elas, as letras são bonitas?Complicado, não?
    *********************************************************
    Renato lima, vc diz assim:

    Sandra Nuenes, Ricardo, profeta do profano e outros que aqui deixam os seus comentários claramente anti-católicos, não estão nenhum pouquinho dispostos a se arrependerem de seus erros aberrates e esquizofrenicos.

    Eu concordo com vc, e vou muito mais além, não é só estes que tem problemas quanto a defesa da doutrina católica, a Lia, a Bibi, o Roberto Quintas, o Blog Malmau e a outra Sandra, tbm demonstram essa característica medonha.Quanto esta última, a outra Sandra, lembram-se quando ela, ao comentar sobre a missa pré-balada, fez uma defesa quase que histriônica ou histérica sobre as missas afro.Ora, quanto a isso, minha gente afirmo que eu, Leniéverson, mesmo sendo um afro descendente NUNCA vou defender a missa com tambores, atabaques, agogôs e outros instrumentos musicais de origem africana(dos meus antepassados).Como negro, gosto muito da cultura Zumbi dos Palmares e todos os valores politico-históricos-culturais desse continente negro, mas isso não significa que isso tenha e possa que ser usado na igreja.
    ******************************************************
    Pedro vc diz:

    A grande questão é que o anti-catolicismo tem trânsito livre nos comentários desse site. Não se trata mais de questões contingênciais e ainda sem solução definitiva na Igreja podendo haver debate entre católicos. Não… pessoas anti-católicas postam livremente posições já condenadas pela Igreja e tem seus comentários aprovados livremente.

    Em primeiro lugar, é compreensível sua preocupação com os comentários,em tese, tbm comungo do seu pensamento.Porque em tese?Porque mesmo pensando assim, na prática temos que concordar tbm que vivemos num regime democrático, diferente do passado, na época da ditadura, onde tinhamos um regime de execeção imposto pelo AI-5.A liberdade de expressão foi uma conquista (que espero a Dona Dilma não acabar com isso).Em segundo lugar, não é só o anticatolicismo que desfilam em comentários de blogs católicos, mas também heresias proferidas por pessoas, que pasmem, em sua maioria afirmam ser agentes de pastorais.Mas raciocionem comigo, se estes comentários existem é porque também desfilam dentro das igrejas no mundo real.
    ********************************************************
    Gente, vejamos, pelo menos, três heresias “modernas”, segundo uma interpretação intimista.
    1º – Católico que acha que só assistir a missa basta: Há muitos que se acham que para ser um bom católico só a missa lhe é suficiente sem precisar se envolver em pastorais.O que me choca é que isso, em algumas comunidades tem desfilado tranquilamente sem intervenção do pároco ou bispo.Tanto a bíblica, como o catecismo da igreja católica; os documentos da igreja, quanto as enciclicas e cartas sinodais não endossam essa postura.
    2º- Católico que rezar em casa tá bom, ninguem precisa ir a igreja: Nos Atos do Apostolos, capítulo 2, versículos 42 a 47, falam da virtude dos primeiros cristãos que unidos, juntos, iam a casa do Pai, viviam, dentre outras coisas, na fração do pão e na doutrina dos apóstolos.Afinal, quanta alegria quando nos disseram vamos para a Casa do Senhor que nos espera.
    3º Católicos que se dizem praticantes, mas nao quer formação pastoral: São os chamados “sabem-tudo”, os entendidos.Sócrates, um famoso filosofo dizia,”só sei que nada sei”.Sócrates queria dizer que somos como um diamante bruto que eternamente precisa lapidado.

  11. Sandra

    Leniéverson Azeredo Gomes

    Só tive dois filhos, por vontade Divina.
    Nós queríamos uns 5 ou 6, mas não vieram.
    O Gabriel quase perdi, mas Nossa Senhora protegeu a vida dela, ainda dentro do meu útero!
    Ajudei a criar dois sobrinhos e uma sobrinha e NUNCA deixei de exercer minha profissão, de ser mãe e de ser a mulher do meu marido!

  12. Carlos

    Que ótima notícia pra você, heim Ricardona! Já vejo você como futuro capitão gay do Exército Americano.

  13. Alex

    Famosidades, Atualizado: 20/12/2010 11:30

    Paul McCartney diz que show em São Paulo foi um dos melhores da carreira

    Divulgação
    FAMOSIDADES

    Por FAMOSIDADES

    RIO DE JANEIRO – O ex-Beatle Paul McCartney disse, em entrevista ao seu site oficial, que o seu primeiro show em São Paulo, no dia 21 de novembro deste ano, foi uma das melhores de toda sua carreira.
    Ao ser perguntado se poderia dizer quais foram os dois maiores momentos de 2010, Paul McCartney lembrou de quando se apresentou na Casa Branca e ganhou o “Prêmio Gershwin de Música Popular da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos” e do primeiro show em São Paulo, no estádio do Morumbi.
    “Eu diria que o show de São Paulo, as 65 mil pessoas do primeiro show foram incríveis. Os brasileiros amam sua música e nós amamos tocar para eles, então foi um show único. Foi um de nossos top shows de todos os tempos, foi simplesmente brilhante. O público estava insano e tivemos uma ótima noite”, declarou o ex-Beatle em entrevista.

    http://entretenimento.br.msn.com/famosos/noticias-artigo.aspx?cp-documentid=26835212

  14. Pedro Rocha

    Na falta de assuntos novos abordados, justificados pelo proprietário do blog, procurei essa seção de comentários, sendo que fiquei estarrecido com a falta de caridade em certos posts. Como afirmado por um comentarista, uma pessoa que deseja um contato com a doutrina católica que se deparar com desinteligências à guisa das expostas alhures pode vir a ser desestimulante.

    Entrementes, eis uma tentativa de abordar melhor o assunto aqui levantado: é lícito assistir a um espetáculo de um artista com um histórico de vida não-piedosa e impenitente de tal? A presença voluntária em tal apresentação não seria ao menos um consentimento tácito ou indiferença para com os erros, no caso do artista ser um pecador público, de conduta escandalosa e ainda blasfemador?

    Percebi que outros assuntos foram levantados neste espaço, mas procurei me deter no fato citado. No caso, o questionamento não diz respeito a nenhuma pessoa em particular tampouco artista, haja visto o perfil acima arrolado infelizmente ocorrer no meio artístico adúnia.

  15. olegario

    Jorge, meu bom amigo.

    Ainda que fora de tempo, ofereço a voce a melhor musica que um Beatle já fez.
    Um clássico…

    Que Deus te abençoe.
    Olegario.

    PS.: O rapazinho no violão é filho da fera…