Homossexuais e militantes gays

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 3 meses 7 dias atrás.

Por mais que eu tenha ressalvas com relação ao Reinaldo Azevedo, a leitura deste artigo dele é obrigatória. Nele, o articulista da VEJA comenta (e reproduz) uma matéria que foi publicada hoje na Folha de São Paulo, escrito por alguém (Leandro Colling) que se apresenta como “professor da Universidade Federal da Bahia, presidente da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura e membro do Conselho Nacional LGBT”. Eu destaco o comentário feito pelo Reinaldo sobre uma “pérola” da lavra do senhor “presidente da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura”:

Numa manifestação de rara estupidez, fornecendo munição, inclusive, para a homofobia, escreve, contrariado a hi[s]tória, a psicanálise, a psicologia, a biologia, a sociologia, a Lei da Evolução…

“Ela [heterossexualidade] é a única orientação que todos devem ter. E nós não temos possibilidade de escolha, pois a heterossexualidade é compulsória. Desde o momento da identificação do sexo do feto, ainda na barriga da mãe, todas as normas sexuais e de gêneros passam a operar sobre o futuro bebê. Ao menor sinal de que a criança não segue as normas, os responsáveis por vigiar os padrões que construímos historicamente, em especial a partir do final do século 18, agem com violência verbal e/ou física. A violência homofóbica sofrida por LGBTTTs é a prova de que a heterossexualidade não é algo normal e/ou natural. Se assim o fosse, todos seríamos heterossexuais. Mas, como a vida nos mostra, nem todos seguem as normas.”

Se bem entendi, as grávidas também terão de ser vigiadas. Tão logo o ultrassom aponte o sexo do bebê, os pais dos meninos comprarão roupinha cor-de-rosa para contestar a “heteronormatividade”, e os das meninas, azul. Assim que o Júnior nascer (o nome será proibido), ganha uma boneca, que não será “heteronormativa” nem “louronormativa”. Que tal uma cafuza ou mameluca, vestida com as roupas do Ken? Num raciocínio de rara delinqüência intelectual, ele conclui que, se a heterossexualidade fosse normal e/ou natural, não haveria homossexuais… E ele é professor universitário!!! É… Nas outras espécies animais, não se debate outra coisa: como acabar com a heteronormatividade dos cães, dos golfinhos, dos gatos e  dos pica-paus…

Quem, em sã consciência, é capaz de concordar com o sr. Leandro Colling? Até mesmo os homossexuais mais razoáveis deveriam sentir vergonha pelas declarações deste senhor! Aliás, se fôssemos nós a falar alguma coisa parecida com isso, quem aqui acredita que não seria feito um enorme escarcéu? Como, no entanto, ele é militante gayzista e hoje é o Dia Internacional de Combate à Homofobia, então ele pode dizer com todas as letras que “a heterossexualidade não é algo normal e/ou natural” e está tudo muito bem. Aliás, se nós discordarmos, somos homofóbicos. É esta a tolerância de mão única que nos querem impôr!

Sobre “militante gayzista”, a propósito, o seguinte trecho do Reinaldo está também primoroso:

Nota à margem: militante gay é tão sinônimo de “homossexual” quanto um sindicalista da CUT é sinônimo de trabalhador, e chefão do MST, de homem do campo. Entenderam?

E esta diferença precisa ficar clara. Um militante gay é alguém que está comprometido com um processo ideológico de destruição da moral tradicional judaico-cristã na sociedade e conseqüente imposição da (i)moralidade gay, com absoluta exclusão de todas as posições em contrário. É exatamente isto o que quer fazer, a propósito, o PLC 122/2006. Lembro-me de ter lido (acho que no Jornal do Commercio) uma reportagem, há algum tempo, segundo a qual as “novas gerações” de homossexuais estavam já relativamente satisfeitas com a situação atual: achavam que as conquistas obtidas até então eram já suficientes, e não se engajavam mais na militância férrea da “velha guarda”. E, no entanto, o Movimento Gay pretende falar em nome de todos…

O homossexualismo é um pecado, mas a defesa pública do pecado é uma abominação. Da mesma forma como (mutatis mutandis) as “Católicas pelo Direito de Decidir” são muito piores do que uma mãe que realiza um aborto, muito pior do que um homossexual é um militante gay. Aliás, um militante gay não precisa nem mesmo ser gay. E, se os pecados podem ser às vezes tolerados, a defesa deliberada e fria da ofensa a Deus não o pode jamais.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

31 thoughts on “Homossexuais e militantes gays

  1. roberto quintas

    ola wilson.
    eu sei que eu não sei ser bem claro em meus textos e o pessoal aki me deu títulos e mais títulos, mas o texto se refere a uma situação e um evento.
    em termos de identidade, transgeneros são homem ou mulher. questões de identidade de genero e papéis sexuais são muito mais produtos de um tempo, de uma sociedade, de uma cultura, do que de gens.
    em termos biologicos, pessoas trans, por mais que modifiquem seus corpos, terão que tomar hormônios o resto da vida e mesmo assim não poderão engravidar nem menstruar.
    se isso vale algo, eu vou tentar melhorar os meus comentários.