Versus Deum

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 3 meses 2 dias atrás.

Passei por algumas igrejas aqui em Salvador hoje. São igrejas antigas, que mantêm – entre outras coisas – os altares laterais onde antigamente eram celebradas missas. De frente para Deus.

É impressionante, e triste, constatar como o sentido desta posição litúrgica se perdeu por completo. Hoje, por pelo menos duas vezes eu ouvi dois guias turísticos distintos “explicarem” que, antigamente, os padres celebravam “de costas para o povo”. E sem disfarçar o tom de desprezo a esta atitude ultrapassada dos padres de outrora.

Na verdade, a idéia moderna é bastante estúpida. Nunca antes na Igreja passou seriamente pela cabeça de ninguém que os padres estivessem celebrando de costas para o povo. Porque sempre se soube que ambos, padre e povo, estavam voltados juntos para a mesma direção. Ambos voltados para Deus.

E isso, que qualquer pessoa – por mais humilde que fosse – sempre aprendeu “na prática”, foge completamente à compreensão dos homens modernos. Estes simplesmente são incapazes de conceber que o padre e o povo devessem estar ambos voltados para a mesma direção para significar, exteriormente, uma convergência interior. Ambos olham para a mesma direção porque ambos olham em direção a Deus. Isto, que é tão simples, parece ser incompreensível para os homens que se desacostumaram a volver os olhos para o Criador do mundo.

Em uma das igrejas em que estive – acho que na nova Sé – eu vi um pequeno altar de parede. Neste, havia um grande, um enorme e belíssimo crucifixo. E, por um instante, eu imaginei um sacerdote diante deste altar, diante desta cruz, celebrando a Santa Missa. Durante o cânon romano, “elevando os olhos” e mirando, bem perto de si, enorme e alto, Cristo Crucificado. Mostrando, de forma visível e bem visível, o milagre que ele tem invisível em suas mãos. E nada será capaz de me convencer que não seria (muito) mais fácil manter a Fé este sacerdote que, todos os dias, celebrasse o Santo Sacrifício tendo, literalmente, o Crucificado diante dos olhos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

20 thoughts on “Versus Deum

  1. Blog Mallmal

    Eu realmente acreditava que um dos dogmas da sua fé era o da onipresença divina. Que diferença faz pra onde o padre olha?

  2. Jorge Ferraz Post author

    Mallmal,

    Como eu disse, o efeito catequético e simbólico de estarem o povo e o padre voltados juntos para a mesma direção é extremamente importante.

    Acrescente-se a isto que, via de regra, no altar está a Santíssima Eucaristia, de modo que a presença real e substancial de Nosso Senhor destaca-se da Sua presença no resto da Criação. Deus é Onipresente, não “eqüipresente”.

    Abraços,
    Jorge

  3. Guilherme Ferreira

    Mallmal,

    Não me leve a mal, mas que comentário e que pergunta infantis! Eu me espanto a cada com as ironias e ataques de ateus e descrentes. São, na maior parte das vezes, o reflexo de uma pirraça interior. São perguntinhas pretensamente capciosas e inteligentes, mas que, analisadas objetivamente, não passam de uma histeria infantil e inócua. Já leio este blog há algum tempo e fico impressionado com a paciência – de Jó – que o Jorge tem com essas mensagens.

  4. Ricardo

    Deus é Onipresente, não “eqüipresente”.

    Como voce tem tanta certeza disso?

    Ah, já sei, é porque voce “sente” que é assim, e quem não “sente”, quem não tem fé, vai diretinho para o inferno.

    Ai, meu saco!

  5. Guilherme Ferreira

    Ricardo,

    Ou você está apenas querendo polemizar gratuitamente ou precisa de umas boas lições de lógica elementar. Se Deus é um ser perfeito, uma de suas características (deduzimo-la por meio da lógica) é a onipresença. Não é uma questão de sentimento, mas de raciocínio.

    A parte sobre o inferno é tão infantil e simplista que não vale a pena comentar.

  6. Pe. Francisco Ferreira

    1 – Até eu entrar no seminário nunca tinha nem ouvido falar de missa “versus Deum”;
    2 – Ja como padre fui percebendo alguns problemas de concentração e referências, por celebrar de frente para o povo. É claro que aqui não entra a questão de validade do sacramento, mas sim de melhor proveito pessoal do sacramento celebrado; mas o que é melhor experienciado é também melhor testemunhalmente transmitido;
    3 – Dentre vários exemplos de problemas, destaco um: estava celebrando de frente para o povo (e para a porta da rua, inclusive), em uma vila, quando passou um motoqueiro empinando. Em plena consagração, nao consegui nao acompanhá-lo com os olhos, enquanto pensava: “vai cair… vai cair…”; quase me atrapalhei nas palavras;
    4 – Comecei entao a sentir falta de algo em que os meus olhos se pudessem fixar quando fossem além das espécies eucaristicas;
    5 – Observei que o Papa tem sempre no altar, virado para ele, crucifixo e velas, enquanto nossa liturgia ultimamente tem recomendado altares sem nada sobre… preferi imitar o Papa; hoje (como celebro em vários lugares do interior) ando sempre com um crucifixo de metal para colocá-lo sobre a mesa que serve de altar; já me percebo mais centrado no mistério que celebro.

  7. igson mendes

    O Ricardo deve ser um jovem de 15 anos que perdeu a namorada e agora se revoltou dizendo que é ateu.

    Já que você é ateu acho que esta se preucupando muito com site que promovem a fé.

    Morra com o seu nada que criou tudo e va pro quinto dos infernos seu incompetente ao invés de ficar enchendo o saco com perguntas bestas sem ao menos antes vc ter buscado estudar a doutrina católica.

    É um verme.

  8. Ricardo

    Se Deus é um ser perfeito

    Como voce tem tanta certeza disso?

    Ah, já sei, é porque voce “sente” que é assim, e quem não “sente”, quem não tem fé, é infantil, nada entende de lógica.

    Ai, meu saco! (2)

  9. Sidnei

    Como voce tem tanta certeza disso?

    Ah, já sei, é porque voce “sente” que é assim, e quem não “sente”, quem não tem fé, é infantil, nada entende de lógica.

    Ai, meu saco! (2)

    Ai meu saco e dá uma bem no teu para não ter que vir aqui e encher a paciência de mais ninguém, se não acreditas em nada como bem disse o Igson Mendes o que vem fazer aqui então?, parece uma criança mimada querendo chamar a atenção de todo mundo, fica com sua birrinha idiota que aqui ninguém vai mais te dar atenção.

  10. Ricardo e Mallmal,

    sério, para quê ficar polemizando sobre isso? Esse tópico não tem nenhuma discussão que seja de nosso interesse: retrata apenas um tema dogmático, sem nenhuma interferência em questões “práticas” da vida. Antes fosse alguma questão polêmica, mas não é.

    Vamos parar de fazer tempestade em copo d’água, ok?

  11. Alvaro

    Será que os ateus que aparecem por aqui acham que vão levar alguém ao ateísmo desse jeito? Ou será que não tem mais o que fazer?

  12. Jorge Ferraz Post author

    Mais: o sujeito ter a capacidade de definir religião como voce “sente” que é assim, depois de quase três anos de Deus lo Vult!, é para dizer “ai meu saco mesmo”. Ninguém “sente” nada, sr. Ricardo, a gente sabe, aprende, entende. Este é um dos pontos mais elementares deste espaço daqui.

    Ou o sujeito é um completo incapaz de entender as coisas mais básicas, ou eu sou um completo incapaz de explicar as coisas mais básicas, ou as duas coisas juntas. Porque outra hipótese não é possível.

    – Jorge

  13. Jorge Ferraz Post author

    E continua dando. Eu estou imaginando que seja o Cysne por conta do endereço IP; mas este tipo de coisa é bizarra.

    Tenta deslogar e logar novamente, por gentileza.

    Abraços,
    Jorge

  14. Carlos

    Caro Igson Mendes,
    O problema do Ricardo não é que ele ficou revoltadinho e ateu porque perdeu a namorada. Ele ficou revoltadinho e ateu porque perdeu O NAMORADO!

  15. igson

    kkkkkkkk….Deve ter sido mesmo porque ele perdeu o namoradinho.

    O que acho engraçado no ateísmo é que eles se acham muito certos, quando estão completamente errados kkkk…

    Ricardo vai promover esta sua estupidez em site ateu.

  16. Blog Mallmal

    Eu fiz uma pergunta séria, não me joguem no mesmo saco que o outro comentarista. Foi curiosidade e considerei a resposta do Jorge aceitável, tanto que não prolonguei a discussão.

    Eu e o Jorge discutimos de vez em quando aqui e por outros meios além do site, sempre tentando manter o respeito e a educação.

    Já o mesmo não pode ser dito sobre alguns comentaristas católicos e ateus, que partem para agressões verbais e flaming…

  17. igson

    Bom DIa Blog Mallmal !!

    Pedimos perdão pela má interpretação de sua pergunta, mas ele deu a parecer que tinha um serto sarcasmo.

    Se seu questionamento foi sincero pesso que leia a Suma Tologica de São Tomás de Aquino que tem uma resposta bem interessante para sua dúvida.

    A paz de Cristo.

  18. Guilherme Ferreira

    Mallmal,

    Assim como o igson, pensei que seu comentário era sarcástico. De fato, se lermos apenas a pergunta que você fez, não há a possibilidade de tomar como ironia. Porém o comentário anterior faz parecer que, sim, se trata de uma ironia. De qualquer modo, você disse que não. Fica aqui, então, pedido de desculpas.