Gazeta do Povo contra a lamentável decisão do CFM de apoiar o aborto!

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 8 meses 1 dia atrás.

Ainda sobre a obtusa posição pró-aborto do Conselho Federal de Medicina, a Gazeta do Povo – mais uma vez! – foi extraordinária na publicação deste editorial: “Médicos contra a vida”. Leiam lá! Destaco:

Não pretendemos, aqui, tratar como mera estatística as mulheres que morrem em decorrência de interrupções de gravidez, embora seja preciso desmistificar as alegações de uma suposta carnificina causada pela criminalização do aborto. Uma única morte já seria motivo para lamentar profundamente, e nos solidarizamos com as mulheres que se encontram em uma situação tão desesperadora que o aborto acaba visto como a única solução. No entanto, não acreditamos que a eliminação de um ser humano inocente e indefeso seja a resposta. Cabe ao Estado e, especialmente, à sociedade civil encontrar meios para que essas gestantes se sintam acolhidas e possam levar a gestação ao fim.

Não deixem de divulgar e de entrar em contato com o jornal, por meio da página de “Fale Conosco” ou do email <[email protected]>. Façamos os responsáveis pela Gazeta do Povo saberem a importância do trabalho que eles realizam no Brasil atual.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

3 thoughts on “Gazeta do Povo contra a lamentável decisão do CFM de apoiar o aborto!

  1. Carlos d'Amore

    Infelizmente o Jornal Gazeta do Povo é um dos raros se não únicos jornais brasileiros a permitir que a Democracia possa expressar sua moral contra a agressão de ideologias abjetas que só querem destruir a Liberdade!
    Parabéns por ser exemplo de Imprensa Ética e servir de parâmetro para os Brasileiros!

  2. Doutrinador

    É de extrema prioridade informar o povo brasileiro que o que está a ocorrer aqui é reflexo direto do que esta a ocorrer na frança, pois os governantes estão a correr com a aprovação do abortismo no brasil, para que a manifestação contrária não tome as ruas dos país, o próximo da agenda é a questão homoafetiva.