Papa Francisco: sem caridade, as boas obras não salvam

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 6 meses 15 dias atrás.

Contra os que ainda insistem em acusar o Papa de naturalismo por conta de sua afirmação sobre o valor das boas obras praticadas mesmo pelos que não têm Fé, o Vigário de Cristo dirigiu palavras muito claras na manhã de hoje (segunda-feira, 14 de outubro) em sua homilia proferida na Casa Santa Marta (grifos meus).

O sinal de Jonas, o verdadeiro, é aquele que nos dá a confiança de ser salvos pelo sangue de Cristo. Quantos cristãos, quantos há, pensam que serão salvos somente pelo que fazem, pelas suas obras. As obras são necessárias, mas são uma consequência, uma resposta ao amor misericordioso que nos salva. Mas as obras, sem este amor misericordioso, não servem.

Portanto, as pessoas são salvas «pelo sangue de Cristo». As obras são «conseqüência» deste «amor misericordioso», da caridade, que é virtude sobrenatural infundida por Deus em nossas almas e pela qual amamos a Ele e ao nosso próximo por causa d’Ele.

E as boas obras naturais são boas e valiosas, predispõem o homem a acolher a Graça, mas não têm valor sobrenatural em si mesmas e, portanto, não servem para a salvação eterna.

Eis a Doutrina Católica de vinte séculos nos lábios do Vigário de Cristo.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on “Papa Francisco: sem caridade, as boas obras não salvam

  1. Renan

    FOI UM DOS GRANDES ENSINAMENTOS DO PAPA FRANCISCO!
    DE QUANDO EM TEMPO ME DEPARO COM PESSOAS NAS PARALELAS DA IGREJA FAZENDO GRANDES APARENTES OBRAS DE EVANGELIZAÇÃO;
    TODAVIA…
    Não é a primeira vez que ouço acerca de pastores e obreiros protestantes mortos em ações evangelizadoras(?) mundo afora sob os inimigos do cristianismo, não é incomum, mas teriam perdido sua vida em vão, eram evangelizadores da Igreja de Jesus, de fato?
    Mesmo na mídia, os Valdomiro Santiago, RR Soares, Malafaia, Edir Macedo etc aparentam trazerem muitas pessoas para o verdadeiro cristianismo, seria verdade?
    Infelizmente não “pregavam a bíblia” com dizem, mas doutrinavam sectarismo e relativismo religioso sob capa de evangelização, apesar de eu reconhecer de parte deles boa vontade e as melhores intenções, embora os dois últimos itens não sejam suficientes para se justificarem diante de Deus.
    Note-se que a grande maioria também montaria centros espíritas disfarçados de seitas evangélicas ou como empresas para explorar a boas fé dos incautos.
    Outra: as pessoas que acaso passassem a adotar o cristianismo seria suas copias e repassariam adiante nas mesmas condições, ou seja, cada um “neo convertido” não passaria, como o seu predecessor, de mais um relativista cristão.
    Se reportamos a 1 Cor 13 1-3, ao final, àqueles de não possuíssem a caridade em si, a graça de Deus e vínculos com Ele, com sua Igreja que é sua extensão, mesmo praticando boas obras poder-se-ia aplicar: … Ainda que entregasse todos os meus bens aos famintos, ainda que entregasse meu corpo às chamas,. se não tivesse a caridade, isso nada me adiantaria.
    Tudo leva a crer que as eventuais supostas boas obras de pessoas fora da Igreja salvificamente seriam inuteis – especialmente os protestantes – seriam meros humanismos, adesão a ideologias, perda de tempo, da vida, além de levarem muitos para a perdição junto a si, mesmo a qualquer um católico que praticasse boas obras mas não se estivesse ligado a Cristo pelo vínculo da graça; seria um mero gesto de humanismo.
    Como disse o papa Francisco: ninguém deveria confiar nas suas boas obras pessoais com garantia de salvação.

  2. Paulo Santos

    O Papa Francisco está correto quando diz que as obras não Salvam porque quem salva é Cristo através do sacrifício de Dele na cruz. Tiago diz que a SALVAÇÃO não vem das obras para que ninguem se glorie. O Papa Francisco deveria autorizar a mudança de algumas crenças no Catecismo da Igreja Católica porque nele há afirmação que: (Parágrafos relacionados 459,796,946)
    824. A Igreja, unida a Cristo, é santificada por Ele; por Ele e nele torna-se também
    santificante. Todas as obras da Igreja tendem, como seu fim, “à santificação dos homens em Cristo e à glorificação de Deus”. É na Igreja que está depositada “a plenitude dos meios de salvação”. É nela que “adquirimos a santidade pela graça de Deus”. Pergunto: Há contradição em suas palavras? Ele desobedece o Catecismo da Igreja? Igreja conforme as palavras de Jesus não é templos feito por mãos de homens, igreja é ser humano, filhos de Deus, povo escolhido por Deus antes da fundação do mundo.

  3. Sidnei

    Sr. Paulo Santos, a frase: ” a SALVAÇÃO não vem das obras para que ninguem se glorie.” não é de São Tiago Apóstolo mas sim de São Paulo Apóstolo e esta em Ef. 2, 9. Quanto a sua última frase: “Igreja conforme as palavras de Jesus não é templos feito por mãos de homens, igreja é ser humano, filhos de Deus, povo escolhido por Deus antes da fundação do mundo.” poderia o Sr. me apontar aonde no CIC && 459,796,946 se diz que a Igreja são templos feitas por mãos de homens?. Obrigado.

  4. Wilson Ramiro

    Caro Paulo Santos.

    Você acredita que há contradição entre São Paulo e São Tiago??
    É claro que não, a fé que o salva exige as obras.

    Você acredita que possa haver contradição entre Cristo e o cristianismo?
    É claro que não, o templo em que Ele foi apresentado era de pedra, assim como o tempo que Deus mandou construir era de pedras. Igrejas físicas ainda são importantes.

    Você acredita que o mínimo que fazemos, mesmo rezar e adorar não possa ser reconhecida como obra nossa?
    Tudo o que eu fizer de bom, seja reconhecido por Deus em meu favor.

    Você acredita como os calvinistas, que para nossa salvação nossa participação seja irrelevante?
    Deus não depende do homem para nada, mas escolheu contar com o homem na história da salvação, dizer que Deus está errado e que nossa participação é apenas de espectador, pode criar embaraços.

    Cristo nunca rejeitou nenhuma pessoa que O desejasse, muitos O rejeitaram.
    O sacrifício de Jesus na cruz foi por todos, mas a salvação é para muitos.

    A salvação só é possível dentro da Igreja católica, mas é preciso abrir o coração.
    Não importa quão excelente é o mestre e quão maravilhoso o ensinamento, e nem interessa a perfeição do método aplicado, conhecer toda a verdade não nos faz santos e nem nos salva, Judas é a prova disto.

    E Ele disse: Não peço que os retire do mundo, mas que os preserve do mal.
    A salvação acontece quando nossa razão humana se deixa impregnar com a graça que Deus nos oferece e, amando uma nova vida, uma nova condição de vida, permanecemos ainda neste mundo.

    A fé em Deus Criador, Cristo Salvador e no Espírito Santo Santificador é o que nos diferencia do resto do mundo, existem muitas outras “fés”, porque fé genérica faz parte do homem já em sua concepção inicial, mas sem Cristo a fé é imóvel.
    A fé move montanhas, ou melhor, A Fé Move…
    A fé transforma o mundo porque a fé transforma o homem, o home de fé é um inconformado, é um homem de transformação e é um homem de obras.

    Não são as obras de um homem de fé o o salvam, mas a mesma fé que o salva também o induz nas obras, por isto a fé sem obras é morta, ou é falsa.