Temos ainda os ramos na mão

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 5 meses 10 dias atrás.

Ontem foi Domingo de Ramos e muita gente não sabe o que a data significa. Eu já vi quem perguntasse, ao que tudo indica a sério, quem era esse “Ramos” que a Igreja estava comemorando…

A resposta é muito simples: trata-se de “ramos”, substantivo comum plural, e não “Ramos”, nome próprio singular. São ramos de plantas. A celebração de ontem relembra uma passagem específica dos Evangelhos: aquela em que Nosso Senhor, pouco antes da Crucificação, entra em Jerusalém montado num burrico e é aclamado pelo povo, que O saúda agitando ramos – «ramos de palmas», diz a Escritura.

Acho que foi Bento XVI quem disse, num dos volumes do «Jesus de Nazaré», que o povo que aclamou Jesus ontem não é o mesmo que vai gritar “crucifica-O!” na próxima Sexta-Feira. A distinção não é todavia indispensável à verossimilhança do relato; seria em princípio possível que as pessoas se houvessem decepcionado, no decurso de uma semana, com este Messias que parecia o Salvador do mundo mas que, de repente, Se apresentava preso, ferido e humilhado. Seria possível que O tivessem tomado por um farsante. Seria possível que gritassem para O crucificar, já que Ele não realizara a esperada restauração de Israel pela qual O haviam aclamado poucos dias atrás.

E essa rápida passagem do amor ao ódio apresenta-se na Liturgia de ontem de maneira bem significativa: nela, os dois Evangelhos são lidos. A entrada triunfante em Jerusalém se lê no início da procissão; a ignominiosa Paixão, no lugar tradicional do Evangelho, após as duas leituras. Temos ainda os ramos na mão quando gritamos, no jogral evangélico, que Cristo seja crucificado! E o simbolismo aqui presente é bastante verdadeiro.

Nós muitas vezes pecamos quando acabamos de sair da presença de Deus: a boca que lança imprecações por vezes acabou de recitar a Ave-Maria, e há pecados mortais que são cometidos já à saída do Confessionário. Lembro-me de uma personagem fictícia de uma história que ainda não escrevi: a menina se crismara. Recebera na testa o óleo crismal perfumado. Saíra da igreja direto para uma festa. Lá, encontrara um menino com quem decidira “ficar”. E, num canto escuro, empenhado em atos mais próprios de esposos do que de jovens que acabaram de se conhecer, o garoto percebe, sem dar muita importância ao fato, que aquela menina que encarna lascívia diante dele rescende a bálsamo.

Outros exemplos poderiam ser citados, mas não é necessário. Basta saber que é possível, sim, negar a Cristo logo depois de O ter aceito, ofendê-Lo logo em seguida a O louvar. É possível e muitos de nós experimentamos essa sensação por diversas vezes. E, quando o notamos, a nossa vergonha é maior, a nossa dor é mais pungente e – se o bom Deus o permitir – o nosso arrependimento é mais sincero.

É nisso que penso quando assisto à Liturgia de Ramos. Quando o braço que se eleva para exigir a crucificação do Filho de Deus tem ainda no punho cerrado os ramos com os quais há pouco se cantava «Hosana ao Rei de Israel!», é impossível não cobrir o rosto de vergonha. O pecado assim resplandece com maior fealdade: a alcova impregnada de perfume barato é horrenda, mas a alcova que cheira a bálsamo tem um quê de blasfema e sacrílega. É preciso uma consciência muito anestesiada para agir com indiferença diante disso.

E essa verdade, aqui ilustrada com cores tão vivas e marcantes, é exatamente o que acontece a cada vez que trocamos Deus pelos nossos prazeres, cada vez que expulsamos a Graça Santificante de nossas almas para a fazer resfolegar na imundície do pecado. Ou a vida de Graça é menos importante que um ramo de palmeira? Ou nossa alma não brilha, inflamada pela caridade, mais do que a nossa testa de recém-crismados exala perfume? Se nos enchemos de horror quando percebemos que as coisas santas – o ramo nas mãos, o bálsamo na testa – estão ainda presentes em quem crucifica a Nosso Senhor, por que nos escandalizaríamos menos ao notar que esta coisa santíssima, a Graça Santificante, está presente e viva em quem está na iminência de ofender gravemente a Deus?

Inicia-se a Semana Santa: cubramos o nosso rosto de culpa e vergonha, e nos voltemos para Aquele que traspassamos com os nossos pecados. São grandes os nossos crimes, mas maior é a Sua misericórdia. Que o Seu Amor vença as nossas misérias. Que a Sua Paixão nos seja propícia.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

6 thoughts on “Temos ainda os ramos na mão

  1. Duddu Pontes

    Absolutamente sensacional! Tive reflexão parecida, apesar de que nem de longe tão brilhantemente elaborada e exposta como nesse texto, após a celebração da Missa de ontem! Que o bom Deus, prestes a ser crucificado por nossas faltas uma vez mais, tenha misericórdia de nossa iniquidade!

    Saúde, querido Jorge! Um abraco!

  2. Santíssima Trindade, tende piedade de nós.

    Amado Jorge e colegas do Blog,

    Rezem pelo Brasil, nesta Semana Santa, parece que já estamos em uma DITADURA:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/sbt-cede-a-patrulha-e-corta-as-opinioes-de-sheherazade-na-tv-aberta-brasileira-pode-mostrar-o-traseiro-e-o-bilau-pode-transformar-o-vocabulario-numa-latrina-so-nao-pode-dar-uma-opiniao-contraria-a/

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/liberdade-de-imprensa/sbt-cede-a-pressao-da-patrulha-e-cala-rachel-sheherazade/

    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/04/11/o-curioso-caso-de-fabio-porchat-contra-rachel-sheherazade-caixa-e-coisa-do-passado-campanha-agora-e-vem-pedir-cabecas-voce-tambem/

  3. Renato

    “Ontem foi Domingo de Ramos e muita gente não sabe o que a data significa. Eu já vi quem perguntasse, ao que tudo indica a sério, quem era esse “Ramos” que a Igreja estava comemorando…”

    Isso é mais uma prova de que a igreja conciliar do Vaticano II não evangeliza ninguém!

    Quando os católicos conservadores populares irão abrir os olhos?

  4. José Renato

    Sinto-me obrigado a frisar o que já foi dito: alguém achar que “Ramos” é um nome próprio neste caso é de uma ignorância brutal e desanimadora. A preguiça que as pessoas tem de pensar é vergonhosa.

  5. Renan

    O Domingo de Ramos é marcado pela ambiguidade de atitudes e acontecimentos, Jesus é recebido em festa por uma multidão que parecia estar de fato a Seu lado, mas depois é condenado à morte pelo mesmo povo que se comportou incoerentemente: cantou “hosanas”, também gritou “crucifica-o”!
    O Jesus triunfante na entrada em Jerusalém é aquele que será humilhado pela morte de cruz, contradizendo-se Pilatos que não deseja a condenação; Pedro que se arrepende de sua covardia; Judas, o povo em geral; atualizando, nós…
    E o que há de Judas Iscariotes por aí, versão século XXI não são poucos, cada qual traindo a Cristo de uma forma, a começar por praticar o ateísmo atual, o indiferentismo, o relativismo e, por cima, dar apoio a governos anti Cristo, reedições do pagãos Césares de Roma – apenas com outra roupagem, no fundo são os mesmos – inimigos figadais dos cristãos e potenciais perseguidores de sua Igreja.
    Somos também contraditórios em muitos momentos de nossa vida, ora com Cristo, ora com o mundo, vacilantes, cristãos superficiais, quem sabe uns Pilatos em nossas omissões, Pedro, uns medrosos de assumir a fé ou os Judas, quando nos aliamos ao atual relativismo.
    Provas não nos faltam: temos sido dos que se unem no momento do êxtase ao Messias, mas quando as exigências do cristianismo – a cruz se nos apresenta – saímos fora, resultando no mundo atual!