Maconha em Recife

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 3 meses 19 dias atrás.

O Gustavo trouxe alguns comentários pertinentes sobre a proibição da Marcha da Maconha. Eu nem mesmo sabia que haveria uma marcha da maconha em Recife; pelo que vi nos links do “movimento”, ela ocorreu domingo último e reuniu mais de mil pessoas.

Pelas ruas do Recife Antigo… na tarde do domingo! Aos que não conhecem, é necessário contextualizar: o Recife Antigo nos domingos à tarde recebe uma feirinha de artesanato popular, há muitas vezes umas programações culturais e, enfim, é um ambiente freqüentado por muitas famílias e crianças. Custa-me acreditar, mas os pais que levaram os seus filhos para o centro da cidade no domingo passado deram de cara com um bando de maconheiros protestando pela liberação da droga…! Onde vai ser a próxima marcha? No parque da Jaqueira?

O Recife Antigo não é o ambiente mais bonito do mundo, do ponto de vista moral. Já foi baixo meretrício e, ainda hoje, é ponto de venda e consumo de drogas à noite. No entanto, possui a sua beleza particular dos centros históricos (um pouco desleixado, mas mesmo assim atrativo), é ponto turístico e tem lá a sua graça, podendo ser para algumas pessoas um passeio agradável. É louvável a iniciativa de transformar a cidade velha, nos domingos à tarde, em um ambiente decente onde se possa passear com tranqüilidade, inclusive levando a família. Daí os maconheiros inventam de fazer isso… por que não restringiram a marcha à noite da sexta-feira na Rua da Moeda?

algumas fotos do evento aqui. Vi um pai carregando uma criança nas costas, outros meninos sorridentes acompanhando o espetáculo ao lado de uma inerte viatura da polícia. E a sentença terrível do autor do artigo: “os conservadores de plantão terão que conviver com a Marcha da Maconha, assim como engolem revoltados a Parada Gay”.

Isso não é liberdade de expressão. É decrepitude moral, a completa ausência de referenciais, é a barbárie instaurada onde qualquer um grita e faz o que bem entender: fuma maconha, protesta contra as leis anti-drogas, faz uma manifestação pública expondo crianças às suas idéias de drogados. Em vários estados a marcha foi proibida; Recife, no entanto, acolheu os maconheiros. Até quando as autoridades pernambucanas vão continuar vilipendiando a memória deste povo?

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

17 thoughts on “Maconha em Recife

  1. Alexandre Magno

    Jorge Ferraz: “Isso não é liberdade de expressão. É decrepitude moral, a completa ausência de referenciais…”

    Jorge, você é favor da liberdade de expressão?

    Se for, não entendo como pode construir uma frase como essa (acima) em sã consciência. É usar duas medidas!

    Porque uma “marcha da maconha” – e até as “paradas gay” – é exercício da liberdade de expressão SIM, apesar de ser também “decrepitude moral, a completa ausência de referenciais…”.

    Estou satisfeito com elas? NÃO. Mas paciência. Se queremos dar as mãos à “liberdade de expressão”, temos de tolerá-las.

  2. Jorge Ferraz Post author

    Alexandre,

    Não existe direito verdadeiro à liberdade de expressão irrestrita e ilimitada. Isso é loucura do mundo moderno. O que a Igreja pede é liberdade de exprimir o próprio pensamento “dentro dos limites da moralidade e do bem comum” (cf. Communio et Progressio, 26).

    Não podemos, de modo algum, dar as mãos à falsa liberdade de expressão que é licença para a imoralidade e que não distingue o verdadeiro do falso, o vício da virtude! O “pleno poder concedido a todos de manisfestarem clara e publicamente as suas opiniões e pensamentos” já foi condenado pelo Syllabus.

    Abraços,
    Jorge

  3. Sue

    Alexandre,

    Reforçando o que disse Jorge, liberdade de expressão náo é libertinagem livre e irestrita. Liberdade de expressão é alguém se declarar favorável a algo sem ter sua declaração censurada ou impedida. Outra cosia é uma parada onde pessoas desfilam seus vícios na cara de todo mundo, e todos têm de aturar. Isto agride o MEU direito de não tomar parte de tal coisa.

    Quem um exemplo? Eu acho um completo absurdo um homem colocar peitos e se travestir de mulher, mas se encontrasse com um simplesmente perguntaria: “você prefere ser chamado de senhor ou de senhora?” e rezaria pela sua alma. E, claro, daria minha opinião se esta fosse requisitada.

    ENTRETANTO, dois anos atrás uma amiga minha teve a curiosidade de assistir a parada gay em Ipanema, aqui no Rio. Ela foi, sem mim, depois me contou que estava arrependida de ter ido. Quando perguntei porque, ela me contou que viu um destes travestis na praia, tendo os seios sugados por um homem e recebendo sexo oral de uma mulher(desculpe, Jorge, mas não achei jeito mais suave de dizer isto, se quiser suprima ou mude a frase para algo menos agressivo). Isto acontecendo nas areias da praia de Ipanema, à tarde. ISSO É LIBERDADE DE EXPRESSÃO???

    Se algum casal hetero fizesse isto na praia, seria preso por atentado grave ao pudor, não seria?

    PORQUE os militantes têm mais direitos que o cidadão comum?

    Será que ninguém além de nós percebeu ainda que vivemos em uma ditadura severíssima do politicamente correto?

    Triste, triste…

    Sue

  4. argo

    “Em vários estados a marcha foi proibida; Recife, no entanto, acolheu os maconheiros. ”

    Vírgula. Recife, mais uma vez, deu provas de que é a cidade, por excelencia, reduto de defesa da liberdade.

    Honrou grandes vultos que aqui nasceram, viveram e/ou estudaram, tais como: Castro Alves, Tobias Barreto, Joaquim Nabuco e outros e outros.

    Recife, eu te amo, agora e sempre!!!

  5. Sue

    Affe!

    Castro Alves decerto ia ADORAR a marcha dos maconheiros…

    Ia sair atrás todo pimpão pedindo um tapinha. Depois ia comer quilos de tapioca para matar a larica! Imagina que lindo quadro!

    Argo, Pernambuco é o estado brasileiro onde mais se planta maconha. Isso não é defesa de liberdade nenhuma, é tentativa de transformar criminoso em comerciante.

    Acorda, menino, sua baba está manchando o travesseiro.

  6. argo

    Engraçado. Santa Catarina também permite a passeata e não me consta de que lá tem grandes plantações de maconha. Por que será, hein?

    [CENSURADO]

  7. Hugo

    Meus caros amigos de internet! A discussão por aqui é religiosa ou política? Dependendo do sentido do problema, poderíamos realizar um importante forum de discussão. O problema é querer comentar religião com argumentos da politica e vice-versa. Poxa, o divórcio, a camisinha, o aborto, a maconha, o homossexualismo, nao serão resolvidos numa discussão religiosa. Ja temos suficiente percepção de que isso é recusado para ser discutido na Igreja, pois depende de uma opinião Maior, que ainda n ão pode ser consultada por meios diretos.

    Porem, se a discussão pe politica, pelo amor de deus pessoal. Que que isso, ai sim eu me revolto. Ver a alienação estampada nessas mensagens com justificativas de que nem todas as opinioes sao para serem mostradas, ou que as criancinhas copiam os atos dos adultos.. putz, se copiarem, QUE BOM! terão copiado uma geração de pessoas com coragem para se assumirem no direito de terem liberdade de vida! não de expressão, liberdade de vida! pois a legislação contra a maconha preve que uma PLANta, OBRA DE DEuS (NO MEU PONTO DE VISTA) não pode nascer e crescer… é proibido pela constituição que uma planta cresça! isso pra mim é um absurdo, não um problema da falta de ordem da contemporaneidade (como disseram acima) mas um problema de falta de um pensamento coerente e lógico na administração publica (que deveria se uma Politica e não administração). NIILISMO BEATO.

  8. Jorge Ferraz Post author

    Prezado Hugo,

    A discussão tangencia a política e a religião mas é, antes de tudo, MORAL.

    O problema não está na planta, e sim no uso (melhor dizendo, abuso) que algumas pessoas querem fazer da planta. A maconha pode ser plantada à vontade, o que ela não pode é ser fumada ou – pior ainda! – ter a apologia do seu uso como droga alucinógena feita em público.

    Como, no entanto, a planta só “nasce e cresce” [coisa perfeitamente natural] para alimentar o vício dos drogados e o tráfico de drogas [coisa imoral], a lei proíbe o plantio não visando o plantio em si, e sim o vício e o tráfico. Acho que isso é evidente.

    Abraços,
    Jorge

  9. Assunção Medeiros

    Argo,

    Lá em Santa tem muito maconheiro. É a outra ponta da linha de produção.

    Sabe, eu vou começar uma campanha para relizar uma passeata pelo Rosário Diário… quero ver se o pessoal do “orgulho gay” (sic) e da maconha vai dizer que é liberdade de expressão…

    Isso me lembra uma divertida definição de “ditadura” que eu li tempos atrás: ditadura é você mandando em mim, liberdade sou eu mandando em você.

    Argo, você AINDA não limpou a baba, já tá empoçando no chão.

  10. tht

    Não deixa de ser uma anologia conveniente considerar que os valores morais deste século são como crianças bastardas de uma modernidade que à custa do desenvolvimento, decidiu tornar relativo o absoluto direito à vida e absoluto a relativa liberdade. A humanidade se entorpeceu para progredir e obteve um progresso torpe como resultado. Uma epidemia de DDRL se alastrou com muito mais força que qualquer gripe e ainda consegue, na escuridão deste mundo, passar assintomática.

  11. argo

    E agora, quem tem que limpar a baba? Praticamente em todas as grandes capitais (menos a de gente idiota, tipo São Paulo, governada por gente do calibre do Serra e do Kassab, entregues à direita – tão do agrado dos católicos, saudosos como estão da Quartelada de 64, onde eles poderiam desfilar naquelas famigeradas Marcha por Deus) está acontecendo as Marchas pela legalização da maconha.

    Será que todos os estados são os maiores produtores? Ou todos são os maiores produtores?

    Leiam a notícia, panacas:

    http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/05/09/marcha+da+maconha+reune+350+pessoas+em+porto+alegre+6036924.html

    O que me orgulha é minha grande cidade, Recife, baluarte das causas libertárias, ter saído na frente.

  12. carlos

    O coitado do Argo vai se revelando cada vez mais…
    Além de burro, ateu e à toa, agora já sabemos que ele também é comunista e maconheiro… Acho que já sei o que ele realmente é. Basta dar mais um pouquinho mais de corda que ele se revela por completo…
    Carlos.

  13. carlos

    Cara Sue,
    Não sei se é de ciências sociais. Mas aposto um bombom que ele é estudante universitário… Depois que inventaram essa política de uma faculdade por esquina, qualquer jumento se acha gênio. E basta atacar a Igreja e tirar onda de comunistinha que o fulano logo é tratado como intelectual…
    É difícil, minha cara Assunção, mas ao menos temos o consolo de ‘bater’ neles – sem dó…
    Boa noite.
    Carlos.