Vandalismo e iconoclastia na Rússia e na Ucrânia

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 6 dias atrás.

Ativistas do grupo feminista Femen derrubaram hoje uma cruz em Kiev. Dizem que é protesto por conta da prisão das “Pussy Riot”. Não sei quem são. A mesma matéria dá um pouco de contexto: trata-se de uma banda de jovens roqueiras russas que foram presas por conta de “um protesto contra o Kremlin feito no altar de uma igreja” no início do ano. A referência ajuda; lembro-me de ter lido algo sobre o caso. Vou ao Google. Lembrei; são as três garotas que foram recentemente consideradas culpadas “por terem entoado em fevereiro, encapuzadas e acompanhadas de guitarras, uma “oração punk” contra Putin, na catedral do Cristo Salvador, em Moscou”.

Não nutro simpatia pelo ex-agente da KGB que é hoje o presidente da Rússia. Não me incomodo que as meninas russas protestem contra ele. O que me incomoda, claro, é o vilipêndio ao Cristianismo, a profanação de um lugar sagrado. A catedral de Cristo Salvador é um templo religioso destinado à oração, e não palco para reivindicações políticas (ainda que fossem justíssimas – não entro neste mérito, não conheço a política russa). Transformá-la em objeto de protesto – à revelia dos cristãos que a utilizam para o culto a Deus, vale salientar – é sim vandalismo, é sim ódio religioso; e isso não pode ser tratado como se não fosse nada demais.

Como também é vandalismo usar uma motosserra para derrubar uma cruz de praça. Vandalismo, iconoclastia e ultraje a culto. Não sei o que leva estas garotas a fazerem isso com a cara mais lavada do mundo, como se existisse alguma coisa de louvável ou heróico em derrubar símbolos que milhões de pessoas mundo afora consideram sagrados; mas o aspecto particularmente anti-religioso dessas manifestações se repete. Antes uma propriedade privada, agora um monumento público: antes uma catedral, agora uma cruz. São atos de evidente incitação ao ódio religioso, às quais as autoridades deveriam dar maior atenção. Por mais que sejam legítimas as divergências políticas, não há sentido em permitir aos insatisfeitos com o governo que descontem nos símbolos cristãos. Não deveria haver espaço para estes proto-pogrons em uma sociedade que se pretenda civilizada.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

10 thoughts on “Vandalismo e iconoclastia na Rússia e na Ucrânia

  1. Gustavo BNG

    “Lutamos contra a opressão masculina!”
    Na verdade, lutam contra qualquer coisa que as insatisfaça. São incapazes de tolerar qualquer opinião/crença contrária, apesar de se dizerem “tolerantes”.
    Típicas feminazis.

  2. Marcio

    Jorge, pelo que eu sei as manifestantes escolheram a catedral ortodoxa justamente porque a Igreja Ortodoxa Russa é aliada incondicional do Putin. O patriarca russo (que chamou o governo Putin de “milagre divino”) anda em baixa depois de ter sido fotografado com um relógio de 40 mil dólares e a igreja ter tentado photoshopar a imagem. Não justifica a manifestação dentro da igreja (menos mal que foram vestidas, e não como as vadias na igreja em Copacabana), mas ajuda a entender o contexto.
    O pior é que a cruz que as feminazis derrubaram foi erguida em memória às vítimas do stalinismo após a Revolução Laranja, ou seja, era cheia de simbolismo. Tenho lá minhas dúvidas sobre a eficácia do protesto.

  3. Daniel Marques

    Tanto as “feministas” como os “comunistas” (Putin) caem no mesmo erro filosofico, o materialismo e o reducionismo. Deste modo, para a reinvidicação terão que utilizar a força, já que a verdade não é apresentada como critério. A eterna questão dos fins não justificam os meios. Em nome da justiça se cometem injustiças, e os que prostestam ao tomar conta do poder, terminam por ser igualmente tiranos.

  4. Karina

    [email protected] feminazis são engraç[email protected]: as que apoiaram Putin colocaram as tetas pra fora, as que foram contra também. Ou seja, o negócio é sair balançando o par de seios pra qualquer um ver. Estou cansada de tanta falta do que fazer desse povo.

  5. Leniéverson

    Olá, Karina, tudo bem? Salve Maria. Eu concordo com você e vou muito mais além, tu percebeste como a imprensa internacional vem tratando as integrantes da Pussy Riot como pobres coitadas?Até a imprensa brasileira com raras exceções.Até o Reinaldo Azevedo, num cochilo creio, se deixou levar por essa linha de raciocínio, como se vê aqui.
    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/a-russia-e-aqui-pf-quer-punir-delegado-que-investigou-mensalao-e-que-afirmou-que-dirceu-liderou-esquema-de-lavagem-de-dinheiro-cuidado-bandas-de-rock-dirceu-e-nosso-putin/

    Eu, como o Jorge, não morro de amores pelo Putin, mas defendi em meu blog http://lennyjornalistacatolico.blogspot.com.br/2012/08/caso-pussy-riot-intolerancia-religiosa.html que elas tinham o direito de protestar contra o presidente russo, menos num espaço religioso.

  6. Leandro Arndt

    Uma correção: Kiev, onde a cruz foi derrubada, fica na Ucrânia. Para mim, puro vandalismo, alguém que, para se mostrar no mundo todo, violentou uma religião e mostrou os seios.

  7. Artur

    Elas não protestaram contra a igreja (ortodoxa), elas protestaram contra Putin! Aqui no Brasil todos parecem cordeiros, falam mal da presidente mas quem teria coragem de fazer um protesto tão veemente?

  8. Iresolu

    Engraçado…

    A luta é “esquerda vs. esquerda”. Feminazistas revoltadinhas vs. Putin, o homem que disse “A queda da URSS é a maior tragédia do século”. Revolucionário contra revolucionário. E é a Igreja Ortodoxa que paga o pato…

    E NINGUÉM DIZ: “MAS QUE CHEIRO SULFÚRICO DE ESTRUME!!!”

    Claro, claro… já sei que brasileiro não sabe ligar causa e efeito, só sabe ligar a ‘Grobo’ pra assistir novela-jornal-novela-jornela-noval. Brasilóide vai terminar o dia levando míssil na cloaca e perguntando ‘o que está acontecendo’. Brasileiro vai morrer achando que a Guerra Fria acabou junto ao Muro de Berlim.

    Eu poderia ser mais “cirúrgico” mas vou ser direto:

    Que esta foto da feminazi fomente na sua alma, caro leitor: Um forte temor a Deus que devemos recorrer para desagravar esta desgraça. Em segundo lugar uma observância escrupulosa dos nossos inimigos. Não podemos deixar que estes vermes destruam NOSSOS bens impunemente.

    Reflita olhando para a imagem da cruz que foi derrubada. Isso já aconteceu antes… e houve genocídio de cristãos.